ANIVERSARIANTES DA SEMANA   

01-Carlos Alberto (Pb)

01-Lamarck Ribeiro

02-Kézya Lopes

03-Mª Júlia (E. Sátiro)

03-Albiana Alves

05-Fábio Lima

05-Saullo Vinicius (E. Sátiro)

05-Débora Thamyres

07-André Augusto

07-Anna Júlia

08-Mª da Conceição

Reuniões administrativas final de ano

13/12 – Reunião do Conselho Eclesiástico;

21/12 – Confecção Calendário 2019;

23/12 (M) - Assembleia da Igreja (homologação diretorias, recepção membros e separação para o oficialato )  

 

JANTAR DE CONFRATERNIZAÇÃO: o nosso jantar de confraternização será no dia 31/12, logo após o culto de final de ano. O culto será no horário das 21 às 23h, seguindo-se o jantar, que será no estilo americano. O Pb. Evandro José será o coordenador desse evento.

Tamanho da letra:

A bênção do perdão

 
A Bíblia revela que o homem é pecador por natureza aos olhos de Deus. “Portanto, assim como por um só homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado, a morte, assim também a morte passou a todos os homens, porque todos pecaram” Rm 5.12. (Veja ainda Rm 3.23).
A Bíblia diz ainda que Deus em Cristo perdoou todos os pecados daqueles que creram em Cristo e o aceitaram como Salvador e Senhor de suas vidas. “E a vós outros, que estáveis mortos pelas vossas transgressões e pela incircuncisão da vossa carne, vos deu vida juntamente com ele, perdoando todos os nossos delitos” Cl 2.13.
O perdão de Deus dispensado para o crente em Jesus é um perdão gracioso, ou seja, não houve nenhuma reparação de nossa parte para que levasse a Deus a perdoar as nossas ofensas a Ele (todo o pecado é uma ofensa a Deus), pois quem fez a reparação foi o Senhor Jesus quando morreu em favor dos pecadores na cruz do Calvário. “Mas ele foi traspassado pelas nossas transgressões e moído pelas nossas iniqüidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados. Todos nós andávamos desgarrados como ovelhas; cada um se desviava pelo caminho, mas o Senhor fez cair sobre ele a iniqüidade de nós todos” Is 53.5,6. “Pois também Cristo morreu, uma única vez, pelos pecados, o justo pelos injustos, para conduzir-vos a Deus; morto, sim, na carne, mas vivificado no espírito” 1 Pe 3.18.
Por causa do pecado deveríamos ser condenado à perdição eterna, mas graciosamente Deus dispensou para nós o seu perdão. Não existe nada mais glorioso para a vida do cristão do que o fato dele ter sido perdoado, tendo a sua culpa diante de Deus removida pelos méritos de Cristo. A Bíblia chama isso de felicidade. “Bem aventurado (muito feliz) aquele cuja transgressão é perdoada, e cujo pecado é coberto. Bem aventurado o homem a quem o Senhor não imputa maldade, e em cujo espírito não há engano” Sl 32.1,2.
Há ainda nas Sagradas Escrituras uma revelação, como forma de mandamento, de que aqueles que foram perdoados, os crentes em Cristo, devem perdoar também aquelas pessoas que, porventura, os tenham ofendido, principalmente se for também crente em Cristo. “suportando-vos uns aos outros e perdoando-vos uns aos outros, se algum tiver queixa contra outro; assim como Cristo vos perdoou, assim fazei vós também” Cl 3.13. (Veja ainda Ef 4.32).
É preciso que todos nós atentemos para esse mandamento, pois se não liberarmos o perdão para os nossos ofensores o nosso pecado também não será perdoado até que resolvamos a questão. Na oração dominical o Salvador nos ensinou isso. “Porque, se perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai celestial vos perdoará a vós. Se, porém, não perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai vos não perdoará as vossas ofensas” Mt 6.14,15. 
Os crentes em Cristo fazem parte de uma família, a família de Deus, portanto, são irmãos. Temos um mesmo Pai que nos gerou de novo pela instrumentalidade do Espírito Santo e estamos ligados espiritualmente uns aos outros, e todos estão ligados a Cristo, que é a Cabeça do corpo, a Igreja.
É possível que na estrada da vida, vivendo em comunidade, tenhamos desencontros uns com os outros, mas isso não deve gerar ressentimento no coração do cristão, pois se assim acontecer o pecado terá ocasião, o Espírito será entristecido e nós seremos vencidos pelo diabo. As pendências de um irmão contra o outro devem ser resolvidas logo para que o nosso culto seja agradável a Deus, pois assim ensinou o Salvador (Mt 5.23,24). É desejo expresso de Deus de que não haja nada que interfira na comunhão dos santos. 
Pr. Eudes Lopes Cavalcanti