ANIVERSARIANTES DA SEMANA   

19-Mário Lopes

21-Rebeca Brito

22-Dc. José Bruno

23-Hortência Gabriela (nora/Vera)

RETIRO ESPIRITUAL: O nosso Retiro Espiritual será realizado nas dependências de nossa Igreja, que por sinal, está preparada para esse tipo de atividade (pouquíssimas igrejas aqui em João Pessoa têm a estrutura que nós temos, que nos foi dada graciosamente por Deus). Teremos cultos no domingo (manhã e noite) e na segunda-feira (manhã e noite). No domingo e na segunda-feira teremos almoço na Igreja. Será cobrada a taxa de R$ 5,00 por almoço. Os conjuntos da Igreja (Getsêmani, Ebenézer, Bandinha e Ágape) participarão desses cultos. Os preletores serão da Igreja e outros obreiros convidados pelo Pastor da Igreja. Queremos contar com a presença de toda a Igreja nesse Retiro. O Presb. Evandro José é o responsável pelos almoços. A coordenação geral do Retiro é do Pastor Walter Moura. Nos próximos boletins daremos mais detalhes acerca de tema do Retiro, preletores, etc.

Tamanho da letra:

Cooperadores de Deus

 

 

Deus em si mesmo é completo, absoluto, todo-poderoso, capaz de fazer todas as coisas que lhe aprouver. Ele, segundo as Escrituras, tem um programa a ser executado no universo, especialmente entre os seres humanos, e para executar esse programa não precisa do concurso de ninguém. “Bem sei eu que tudo podes, e que nenhum dos teus propósitos pode ser impedido” Jó 42.2. Ele poderia se quisesse salvar todos os seres humanos apenas com o poder de sua palavra, bastando para isso decretar que assim fosse feito. “Ainda antes que houvesse dia, eu sou;...; operando eu, quem o impedirá?” Is 43.13.

Esse Deus verdadeiro, sublime, mesmo sem precisar, pois, pode fazer tudo o que lhe apraz, decidiu salvar os pecadores através da pregação do Evangelho. “Mas o nosso Deus está nos céus; faz tudo o que lhe apraz” Sl 115.3, “Visto como na sabedoria de Deus o mundo não conheceu a Deus pela sua sabedoria, aprouve a Deus salvar os crentes pela loucura da pregação” 1 Co 1.21. Deus ainda graciosamente constituiu aqueles que têm fé em Jesus como seus colaboradores. Essa constituição divina dá aos crentes em Cristo um privilégio extraordinário de ser participe do programa redentor, pois a eles foi dada a incumbência de anunciar aos outros seres humanos o que

Jesus fez na cruz em favor deles. Escrevendo aos coríntios Paulo disse que nós que já fomos alcançados pela graça divina, somos cooperadores de Deus. “Porque nós somos cooperadores de Deus;...” 1 Co 3.9.

Encontramos na Bíblia alguns exemplos de pessoas que se conscientizaram dessa missão dada por Deus, de serem cooperadores do Evangelho, e procuraram levar outros à presença de Jesus, senão vejamos: “Este achou primeiro a seu irmão Simão, e disse-lhe: Achamos o Messias (que, traduzido, é o Cristo). E levou-o a Jesus...” Jo 1.41,42. “Filipe achou Natanael, e disse-lhe: Havemos achado aquele de quem Moisés escreveu na lei, e os profetas: Jesus de Nazaré, filho de José” Jo 1.45. “Deixou, pois, a mulher o seu cântaro, e foi à cidade, e disse àqueles homens: - Vinde, vede um homem que me disse tudo quanto tenho feito. Porventura não é este o Cristo?” Jo 4.28,29.

Conscientes dessa verdade, precisamos nos envolver com a obra do Senhor e darmos a nossas parcela de contribuição para que outras vidas sejam alcançadas com a mensagem redentora do Evangelho. A titulo de sugestão: que tal nos esforçarmos para trazer os nossos familiares para o culto de hoje à noite a fim que eles possam ouvir a mensagem do Evangelho que poderá salvar-lhes da perdição eterna? Por que não nos envolvemos ainda com o programa redentor ajudando outros a pregar o Evangelho, contribuindo financeiramente para que essa obra seja feita? Por que não freqüentarmos os cultos de oração da Igreja quando ela está reunida orando pela salvação das almas perdidas e nos unirmos nesse abençoado propósito de clamar a Deus pelas almas que perecem, principalmente aquelas que fazem parte do nosso círculo de relacionamento (pais, filhos, irmãos, netos, e outros parentes)? “E salvai alguns arrebatando-os do fogo; tendo deles misericórdia com temor...” Jd 23. 

Pr. Eudes Lopes Cavalcanti