ANIVERSARIANTES DA SEMANA   

16-Dc. José Marçal Jr.

19-Sara Mizraim

ORANDO PELAS FAMÍLIAS

Coloquemos diante do altar do Senhor, nesta semana, a família do Diácono João Bosco (Bosco, Socorro, Jonas e Joanne). “Orai uns pelos outros para que sareis”.

Tamanho da letra:

O Evangelho de Cristo

 

O Evangelho de nosso Senhor Jesus Cristo, que é as boas novas de salvação através da obra realizada por Cristo na cruz do Calvário, é uma mensagem poderosa. “Porque não me envergonho do evangelho de Cristo, pois é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê, primeiro do judeu e também do grego” Rm 1.16. Ela é tão poderosa que quando alcança o homem estragado pelo pecado o transforma numa nova criatura e restaura nele a imagem de Deus, desfigurada pelo pecado de nossos primeiros pais. “Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é: as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo” 2 Co 5.17. “Mas todos nós, com cara descoberta, refletindo, como um espelho, a glória do Senhor, somos transformados de glória em glória, na mesma imagem, como pelo Espírito do Senhor” 2 Co 3.18.
No plano estabelecido por Deus esse precioso evangelho deve ser proclamado pela Igreja em todo o mundo e a todas as criaturas. “E disse-lhes: Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda a criatura. Quem crer e for batizado será salvo; mas quem não crer será condenado” Mc 16.15,16. Ainda segundo o plano de Deus, esse evangelho para se tornar eficaz na vida de uma pessoa, ela precisa responder com fé a sua proclamação. Percebam que o texto de Romanos (1.16) diz que o evangelho é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê. No texto citado de Marcos (16.15,16), a salvação está condicionada a recepção do evangelho pela fé: “quem crer e for batizado será salvo” e a perdição está diretamente ligada à rejeição e a descrença na mensagem do evangelho: “mas quem não crer será condenado”. Na sua carta aos Efésios, o apóstolo Paulo disse que a salvação do homem é uma dádiva graciosa de Deus, mas que deve ser recebida pela fé a fim de que se torne eficaz. “Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isso não vem de vós; é dom de Deus” Ef 2.8.
Considerando que o homem está afastado de Deus por causa do pecado, e que caminha a passos largos para a perdição eterna, e que só o evangelho é capaz de salvá-lo, e que isso só é possível enquanto a pessoa está viva neste mundo, urge a necessidade da Igreja se mobilizar para proclamar o evangelho a todas as pessoas que estiverem ao seu alcance.
À Igreja foi entregue a grandiosa tarefa de anunciar o evangelho. É dela esse privilégio e somente dela. Os anjos de Deus anelaram entrar nesse ministério, mas, Deus não permitiu (1 Pe 1.12). Sabendo que todo o privilégio se reveste de similar responsabilidade, precisamos como Igreja despender esforços para que esse trabalho seja realizado. Precisamos investir o nosso tempo, vida e bens nessa obra que é de Deus. O apóstolo Paulo tinha a consciência da grande responsabilidade de anunciar o evangelho. Ouçamo-lo: “Se anuncio o evangelho, não tenho de que me gloriar, pois sobre mim pesa essa obrigação; porque ai de mim se não pregar o evangelho!” 1 Co 9.16.