ANIVERSARIANTES DA SEMANA   

17-Jair Costa (J. Américo)

18-Emília Lopes (E. Sátiro)

19-Enoque Monteiro

20-Ana Gabrielly (E. Sátiro)

20-Djanilson Rodrigues

23-Pb. Valdenor Torres

CESTA DO AMOR: Colabore com a Cesta do Amor trazendo um quilo de alimento não perecível (feijão, arroz, macarrão, fubá, etc). Esses mantimentos comporão as cestas básicas para distribuição aos que estão enfrentando necessidades dentro e fora da nossa Igreja.  A beneficência é um dos ministérios da Igreja, e tem o agrado de Deus (Leia Hb 13.16).

Tamanho da letra:

Vivendo na Perspectiva da Eternidade


No seu programa eterno Deus determinou que a existência do ser humano fosse uma existência eterna, ou seja, que não tivesse fim. O surgimento do pecado, já previsto no programa divino, trouxe consigo a penalidade da morte. “O salário do pecado é a morte...” Rm 6.23. “Portanto, como por um homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado a morte, assim também a morte passou a todos os homens por isso que todos pecaram” Rm 5.12.
Para cumprir o seu propósito eterno Deus disponibilizou em Cristo a vida eterna para todos que cressem no Salvador. Crendo na obra redentora de Cristo o pecador condenado a morte ressuscita espiritualmente e passa a usufruir da vida eterna ainda no seu tempo de vida física neste mundo. “Ele vos deu vida estando vós mortos em vossos delitos e pecados” Ef 2.1. Essa vida segundo as Escrituras é descrita como uma vida abundante que começa no momento da conversão e se prolonga por toda a eternidade. “... eu vim para que tenham vida, e a tenham com abundância” Jo 10.10. “Disse-lhe Jesus: Eu sou a ressurreição e a vida; quem crê em mim, ainda que esteja morto, viverá; E todo aquele que vive, e crê em mim, nunca morrerá. Crês tu isto?” Jo 11.25,26.
Possuidores desta grandiosa bênção, a vida eterna, precisamos viver, irmãos, na perspectiva da eternidade. O Senhor na oração sacerdotal (João 17) disse que a Igreja estava no mundo, mas, não era mais do mundo, pois, fora comprada por Ele, através do Seu sangue derramado na cruz do Calvário. “Não são do mundo, como eu do mundo não sou” Jo 17.16. “Sabendo que não foi com coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados da vossa vã maneira de viver que por tradição recebestes dos vossos pais, Mas com o precioso sangue de Cristo, como de um cordeiro imaculado e incontaminado” 1 Pe 1.18,19.
Assim sendo devemos viver na perspectiva da eternidade, ou seja, tudo na nossa existência deve ter como balizador a nossa vida futura, nos Céus com Jesus. Sabedor disso, Paulo inspirado pelo Espírito Santo, disse para os crentes de Colossos, e que serve para nós também hoje em dia: “Portanto, se já ressuscitastes com Cristo, buscai as coisas que são de cima, onde Cristo está assentado à destra de Deus. Pensai nas coisas que são de cima, e não nas que são da terra” Cl 3.1,2.
Queridos irmãos não nos deixemos seduzir pelas coisas deste mundo que são efêmeras e passageiras, ouçamos o conselho de Paulo: “Não atentando nós nas coisas que se vêem, mas nas que se não vêem; porque as que se vêem são temporais, e as que se não vêem são eternas” 2 Co 4.18.
Pr. Eudes Lopes Cavalcanti