ANIVERSARIANTES DA SEMANA   

10-Mª das Graças Maciel

13-Katiane Ferreira (E. Sátiro)

15-Janiele Andrade

PALESTRA DEPTº EDUC. RELIGIOSA: no próximo domingo, dia 17/06, pela manhã, teremos uma palestra sobre “Como Fazer uma Leitura Produtiva da Bíblia”, que será proferida pela Profª. Isabel Cristina, de nossa Igreja. Essa palestra irá nos ajudar a fazer uma leitura da Bíblia com mais produtividade.

Tamanho da letra:

 

O Julgamento Final

    Deus ao criar o ser humano o criou a Sua imagem e semelhança e o responsabilizou pelos seus atos morais. A prova disso é que quando o homem desobedeceu a um mandado Seu,Deus o puniu com a morte. “No suor do teu rosto, comerás o teu pão, até que te tornes a terra; porque dela foste tomado, porquanto és pó e em pó te tornarás” Gn 3.19.

    No seu programa eterno Deus determinou julgar todos os seres humanos num dia designado por Ele. E esse julgamento terá ocasião quando da segunda vinda do Senhor Jesus Cristo. “Conjuro-te, pois, diante de Deus e do Senhor Jesus Cristo, que há de julgar os vivos e os mortos, na sua vinda e no seu Reino” 2 Tm 4.1. (Veja ainda Sl 96.13; 98.9; At 17.31; Ap 11.15-19;...).

   Esse julgamento final está alicerçado em duas facetas do caráter de Deus, a sua santidade e a sua justiça. Deus é santo, puro e perfeito e não tolera o pecado. O pecado do homem fere a Sua santidade e O insulta. Considerando a Sua justiça, Deus tem em mente que o pecado do homem exige uma reparação e que ele deve ser punido por isso, e a retribuição é de acordo com as obras de cada um. “Ante a face do Senhor, porque vem, porque vem a julgar a terra; julgará o mundo com justiça e os povos, com a sua verdade” Sl 96.13.

   Segundo nos revela a santa Palavra de Deus o Senhor Jesus Cristo será o grande juiz daquele Tribunal. Deus o Pai confiou ao Filho todo o julgamento, tanto dos salvos como dos perdidos, bem como dos anjos caídos. “E também o Pai a ninguém julga, mas deu ao Filho todo o juízo” Jo 5.22. Isso também é visto em outros textos da Palavra de Deus, tais como o de Atos 17.31: “porquanto tem determinado um dia em que com justiça há de julgar o mundo, por meio do varão que destinou; e disso deu certeza a todos, ressuscitando-o dos mortos”.

   Esse grande Julgamento terá três etapas, sendo  a primeira a do julgamento dos crentes em Cristo. “Porque todos devemos comparecer ante o tribunal de Cristo, para que cada um receba segundo o que tiver feito por meio do corpo, ou bem ou mal” 2 Co 5.10. (Veja ainda Rm 14.10; 1 Co 3.11-15; Ap 22.12). O julgamento dos crentes não é para condenação tendo em vista que Jesus pagou na cruz o preço da eterna redenção deles. Esse julgamento é para o galardoamento dos servos fiéis. A segunda etapa do julgamento final refere-se aqueles que morreram sem serem salvos da condenação do pecado. Essas pessoas irão ressuscitar dentre os mortos com corpos especiais e comparecerão diante de Deus (Cristo) para serem julgados pelas suas obras. “... E vi os mortos, grandes e pequenos, que estavam diante do trono, e abriram-se os livros... E os mortos foram julgados pelas coisas que estavam escritas nos livros, segundo as suas obras” Ap 20.11-13. A terceira etapa do julgamento final refere-se ao julgamento dos anjos caidos, inclusive Satanás: “Não sabeis vós que havemos de julgar os anjos? Quanto mais às coisas pertencentes a esta vida?” 1 Co 6.3. (Veja ainda Mt 8.29; 2 Pe 2.4; Ap 20.10).

   Nas duas últimas etapas do Julgamento Final (ímpios e anjos caidos) a igreja estará ao lado de Cristo participando ativamente dele (1 Co 6.2,3).

   Como resultado desse julgamento os anjos caidos e os impios receberão a sua devida condenação.           

 

  Pr. Eudes Lopes Cavalcanti