ANIVERSARIANTES DA SEMANA   

09-José Afonso (E. Sátiro)

10-Neusa de Moura

12-Edvando Bonifácio (Dc. R. do Sol)

14-Mª Teodória

15-Mª Eliane

Reuniões administrativas final de ano

13/12 – Reunião do Conselho Eclesiástico;

21/12 – Confecção Calendário 2019;

23/12 (M) - Assembleia da Igreja (homologação diretorias, recepção membros e separação para o oficialato )  

 

JANTAR DE CONFRATERNIZAÇÃO: o nosso jantar de confraternização será no dia 31/12, logo após o culto de final de ano. O culto será no horário das 21 às 23h, seguindo-se o jantar, que será no estilo americano. O Pb. Evandro José será o coordenador desse evento.

Tamanho da letra:

Grandes desafios para a vida cristã

 

     Pela graça divina tivemos o privilégio de ministrar na Igreja no último domingo de 2012 sobre o tema que estar servindo de titulo desta reflexão. Na oportunidade dissemos a Igreja, que são grandes os desafios que se apresentam diante dela no ano que se aproxima. Dissemos  ainda que a Bíblia está repleta de desafios de Deus para o seu povo, tanto no Antigo como no Novo Testamento.

    Distribuímos o tema em cinco grandes desafios, que identificamos a seguir: 1) o desafio de manter acesa a chama da devoção a Cristo. “E Jesus disse-lhe: Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu pensamento” Mt 22.37. Dissemos aos irmãos que Deus é um ser pessoal que ama e espera ser amado pelos seus. Dissemos ainda que essa chama da devoção, o amor devido a Cristo, não pode se apagar sob pena de o castiçal da Igreja ser removido como foi dito na advertência do Senhor a Igreja de Éfeso (Ap 2.4). Falamos ainda a Igreja que o grande mandamento da Lei divina é amar a Deus sobre todas as coisas. Ainda dissemos que Davi, rei de Israel, fizera duas declarações de amor ao seu Deus, uma no Salmo 18.1 e a outra no Salmo 116.1,2.

 

 

2) o desafio de manter acesa a chama de um crescimento espiritual sadio. “Antes crescei na graça e conhecimento de nosso Senhor e Salvador, Jesus Cristo...” 2 Pe 3.18. Dissemos que nascemos de novo pela instrumentalidade do Espirito Santo para crescermos até a estatura de Cristo, ou seja, parecermos com Cristo em nossas ações, atitudes e comportamento.  Dissemos que para que esse crescimento seja uma realidade precisamos valorizar a Palavra de Deus lendo-a constantemente e, sobretudo, guardando-a no coração, e valorizar a oração tanto individual como coletiva. São esses dois elementos que promovem um crescimentoespiritual sadio, dissemos. 3) o Desafio de manter a acesa a chama do serviço a Deus. “E tu,meu filho Salomão, conhece o Deus de teu pai, e serve-o com um coração perfeito e com uma alma voluntária...” 1 Cr 28.9. Dissemos aos irmãos que Deus nos entregou uma obra a ser realizada, uma missão, e que devemos todos, sem exceção, se engajar nessa obra que é de Deus. Dissemos ainda que nós fomos constituídos servos de Deus conforme os versículos 18 e 22 de Rm 6, e que estamos aqui neste para servir a Deus, e que esse serviço independe das circunstâncias que estamos enfrentando. Dissemos ainda que estranhávamos o posicionamento de alguns irmãos que diante de qualquer dificuldade que enfrenta abandona a obra do Senhor, por instigação do diabo, como se Deus fosse o culpado de suas mazelas e pecados. 4) o desafio de manter acessa a chama de uma vida santificada. “Fala a toda a congregação dos filhos de Israel, e dize-lhes: santos sereis, porque eu, o Senhor vosso Deus, sou santo” Lv 19.2. Dissemos aos irmãos que temos um pacto, uma aliança com o Deus santo, puro, perfeito e que Esse grandioso Deus exige daquele que professa a fé em Jesus uma vida santificada. Citamos diversos textos da Bíblia que falam de uma vida santificada como uma exigência divina para aquele que é crente em Cristo. Dissemos ainda que se não vencermos esse desafio não conseguiremos agradar a Deus. 5) o desafio de manter a chama do amor fraternal acesa. “Um novo mandamento vos dou: que vos ameis uns aos outros como eu vos amei a vós, que também vós uns aos outros vos ameis” Jo 13.34. Dissemos que nos relacionamentos, no meio da comunidade dos salvos, às vezes, surgem desencontros, divergências, mal entendidos, etc e isso contribui para ferir o principio da unidade da Igreja. Dissemos ainda que  temos uma imensa dificuldade de perdoar os nossos irmãos que nos ferem, mas que amar é preciso porque é um mandamento do Senhor. Dissemos também que Deus nos dá a graça necessária para que cumpramos a sua Palavra, e citamos Rm 5.5 onde nos é dito que o amor de Deus está sendo derramado pelo Espirito Santo no coração do crente, e que essa graça nos ajuda a amarmos uns aos outros.  

                                      Pr. Eudes Lopes Cavalcanti