ANIVERSARIANTES DA SEMANA   

17-Jair Costa (J. Américo)

18-Emília Lopes (E. Sátiro)

19-Enoque Monteiro

20-Ana Gabrielly (E. Sátiro)

20-Djanilson Rodrigues

23-Pb. Valdenor Torres

CESTA DO AMOR: Colabore com a Cesta do Amor trazendo um quilo de alimento não perecível (feijão, arroz, macarrão, fubá, etc). Esses mantimentos comporão as cestas básicas para distribuição aos que estão enfrentando necessidades dentro e fora da nossa Igreja.  A beneficência é um dos ministérios da Igreja, e tem o agrado de Deus (Leia Hb 13.16).

Tamanho da letra:

 

A unidade da Igreja

     Estudando a Eclesiologia (a doutrina da Igreja) descobrimos que a Igreja de nosso Senhor Jesus Cristo tem o seguinte perfil: Ela é apostólica, ela é católica, ela é santa e ela é una.  A Igreja é Apostólica porque está fundamentada na doutrina dos apóstolos, Ela é Católica porque tem uma expressão universal, Ela é santa porque foi santificada pelos méritos do seu Salvador e ela é una porque é uma só Igreja, porque todos os seus membros estão unidos espiritualmente uns aos outros e todos eles unidos a Cristo, cabeça da mesma.

   Quanto se trata da Igreja são utilizadas na Bíblia diversas figuras de linguagem para representá-la, tais como um povo, um corpo, uma construção, etc. e em praticamente todas elas se tem a conotação de algo composto de muitas partes, que fazem parte de um todo, senão vejamos: um povo -  muitas pessoas com identidade própria; um corpo - muitos e diversificados membros; e um edifício – pedras argamassadas sobre um fundamento.

   Essa unidade em seu aspecto posicional é uma realidade revelada nas Sagradas Escrituras, senão vejamos: “Porque, assim como o corpo é um e tem muitos membros, e todos os membros, sendo muitos, são um só corpo, assim é Cristo também. Pois todos nós fomos batizados em um Espírito, formando um corpo, quer judeus, quer gregos, quer servos, quer livres, e todos temos bebido de um Espírito. Porque também o corpo não é um só membro, mas muitos” 1 Co 12.12-14.  “E, chegando-vos para ele, a pedra viva, reprovada, na verdade, pelos homens, mas para com Deus eleita e preciosa, vós também, como pedras vivas, sois edificados casa espiritual e sacerdócio santo...” 1 Pe 2.4,5.

    É bom lembrar que o Senhor Jesus Cristo ordenou que os que crescem nele se organizassem em comunidades locais para se desincumbirem das grandes responsabilidades que Ele deixou em Sua Palavra para a Igreja (Adoração, Edificação, Proclamação e Beneficência).

   Sabemos pelas Escrituras e pela experiência  que o crente ainda carrega consigo a natureza pecaminosa. Sabemos 

ainda que as pessoas que compõem a Igreja nas suas expressões local e universal são diferentes umas das outras. Há uma diferença geral de sexo (macho e fêmea) e há também diferenças psicológicas, sociais, etc.

   O grande desafio que temos como cristão é viver em comunidade seguindo o princípio da unidade da Igreja na sua expressão experimental. O Salvador na sua oração sacerdotal pediu ao pai que aqueles que crescem nele fossem um como a Trindade é una. “Eu não rogo somente por estes, mas também por aqueles que, pela sua palavra, hão de crer em mim; para que todos sejam um, como tu, ó Pai, o és em mim, e eu, em ti; que também eles sejam um em nós, para que o mundo creia que tu me enviaste. E eu dei-lhes a glória que a mim me deste, para que sejam um, como nós somos um. Eu neles, e tu em mim, para que eles sejam perfeitos em unidade...” Jo 17.20-23.  

    É desejo expresso do Espirito Santo que foi dado por Jesus para estar com a Igreja na sua caminhada neste mundo, que sejamos, como membros de uma comunidade local, unidos. “Oh! Quão bom e quão suave é que os irmãos vivam em união!” Sl 133.1.Paulo escrevendo a Igreja de Filipos expressou esse desejo de Deus: “completai o meu gozo, para que sintais o mesmo, tendo o mesmo amor, o mesmo ânimo, sentindo uma mesma coisa” Fp 2.2.

    Na Igreja de Filipos duas irmãs viviam em conflito, ferindo a unidade daquela  Igreja e Paulo as adverte como corresponsáveis para manter o princípio da unidade, nestes termos: “O que eu rogo a Evódia e também a Síntique é que vivam em harmonia no Senhor” Fp 4.2.

    Ainda hoje, amados, somos responsabilizados por Deus em manter a Igreja unida, em paz. Ferir esse princípio nos trará inúmeros prejuízos, pois a falta de unidade afronta a Deus. “Se alguém destruir templo de Deus, Deus o destruirá; porque o templo de Deus que sois vós, é santo” 1 Co 3.17. 

                                          Pr. Eudes Lopes Cavalcanti