ANIVERSARIANTES DA SEMANA   

09-José Afonso (E. Sátiro)

10-Neusa de Moura

12-Edvando Bonifácio (Dc. R. do Sol)

14-Mª Teodória

15-Mª Eliane

Reuniões administrativas final de ano

13/12 – Reunião do Conselho Eclesiástico;

21/12 – Confecção Calendário 2019;

23/12 (M) - Assembleia da Igreja (homologação diretorias, recepção membros e separação para o oficialato )  

 

JANTAR DE CONFRATERNIZAÇÃO: o nosso jantar de confraternização será no dia 31/12, logo após o culto de final de ano. O culto será no horário das 21 às 23h, seguindo-se o jantar, que será no estilo americano. O Pb. Evandro José será o coordenador desse evento.

Tamanho da letra:

 

É tempo de reconstrução

 

    Por causa dos pecados de Israel os assírios devastaram o reino do Norte em 722 a.C. e pelos pecados de Judá os babilônicos devastaram o reino do Sul em 586 a.C. O profeta Jeremias profetizara que o cativeiro babilônico iria durar setenta anos (Jr 25.11,12). Ao se aproximar do final do cativeiro babilônico Deus despertou o profeta Daniel para orar por uma obra de reconstrução. “No ano primeiro de Dario, filho de Assuero, da nação dos medos, o qual foi constituído rei sobre o reino dos caldeus, no ano primeiro do seu reinado, eu, Daniel, entendi pelos livros que o número de anos, de que falou o Senhor ao profeta Jeremias, em que haviam de acabar as assolações de Jerusalém, era de setenta anos. E eu dirigi o meu rosto ao Senhor Deus, para o buscar com oração, e rogos, e jejum, e pano de saco, e cinza” Dn 9.1-3.

     Para realizar essa obra de restauração Deus usou três homens, a seguir identificados: Zorobabel para reconstruir o templo, Neemias para reconstruir os muros de Jerusalém e Esdras para restaurar o culto. Na obra de reconstrução do templo os profetas Ageu e Zacarias tiveram papel preponderante. Foram eles que profetizaram em nome do Senhor animando os líderes Zorobabel governador e Josué sumo sacerdote e ao povo em geral para que continuassem a obra de restauração mesmo com a oposição dos adversários.

    Graças à ação poderosa de Deus usando aqueles piedosos homens a obra de reconstrução foi  feita a contento. É interessante observar que a obra de restauração começou com a reconstrução do templo, mesmo antes da reconstrução dos muros, para que nele fossem realizados os cultos a Deus. Primeiro a devoção depois a obrigação?

       A Igreja é representada como um edifício, uma construção. O Senhor da Igreja, Jesus Cristo, está realizando uma obra de edificação continua agregando novas pedras vivas a essa construção (Jo 10.16) e também promovendo o seu crescimento espiritual. “Assim... sois... concidadãos dos Santos e da família de Deus; edificados sobre o fundamento dos apóstolos e dos profetas, de que Jesus Cristo é a principal pedra da esquina; no qual todo o edifício, bem ajustado, cresce para templo santo no Senhor, no qual também vós juntamente sois edificados para morada de Deus no Espírito” Ef 2.19-22.

     Louvamos a Deus por que Ele vela pelo seu povo e está sempre trabalhando em favor dele visando uma obra de restauração. Foi assim com Israel e Judá no passado e assim será com a Igreja que é o Seu povo na atual dispensação.

     Às vezes, na sua história, as igrejas locais enfrentam crises, muitos delas difíceis de serem administradas, mas graças a Deus que Ele sempre está próximo delas conduzindo os seus em constantes triunfos.

     Enfrentamos recentemente uma tempestade violenta que devastou parte da nossa Igreja (finanças, membrezia, diretoria de Departamento e obra missionária), mas por graça e por misericórdia Deus já começou uma obra de restauração. O Espirito já começou a operar removendo a quem Ele quis remover e já começou a soprar sobre a Igreja tirando de corações aqueles sentimentos estranhos aos ensinamentos da santa Palavra de Deus.

                           

 Pr. Eudes Lopes Cavalcanti