ANIVERSARIANTES DA SEMANA   

21 – Esdras Guimarães

27-Matheus Filho

28-Emanueli Ferreira

29 - Jeane de Oliveira (E. Sátiro)

30 -  Edinalva Augusto da Silva (E. Sátiro)

30-Barbara Edinalva (E. Sátiro)

e 31-Cintia Alice (R. do Sol).

Reuniões administrativas final de ano

21/12 – Confecção Calendário 2019;

23/12 (M) - Assembleia da Igreja (homologação diretorias, recepção membros e separação para o oficialato )  

 

Tamanho da letra:

 

 CRISTO NA BÍBLIA   (Pr. Eudes) 

JUDAS -  CRISTO COMO O JUIZ QUE JULGA O PECADO

Essa epistola foi escrita por Judas, irmão de Tiago e meio irmão de nosso Senhor Jesus Cristo. Judas intencionava escrever sobre a fé comum, talvez algum tema doutrinário, mas mudou de ideia devido à urgência de escrever essa carta para combater uma heresia que crescia na época no meio da Igreja, que ensinava que o salvo pela fé em Cristo era uma pessoa livre de qualquer lei, inclusive da lei de Cristo, portanto podia viver como quisesse sem o controle do Espirito e sem a obediência aos mandamentos divinos, eles eram antinominianos, palavra que significa contrários a lei. Judas qualificou esses falsos mestres como vis, ímpios, que não tinham o Espirito, e os compara a Caim (liberais), a Balaão (cobiçosos) e a Coré (rebeldes), personagens do Antigo Testamento.  A carta de Judas que foi escrita, provavelmente, entre os anos 70 a 80 da era cristã, tem as seguintes características: 1) é a carta que contém a mais veemente censura contra os falsos mestres da época; 2) Usa ilustrações do juízo de Deus no Antigo Testamento sobre três homens ímpios (Caim, Balaão e Coré); 3) Sob a direção do Espirito o autor usa diversos escritos (As Escrituras do Antigo Testamento, as tradições judaicas, e 2ª Pedro); 4) Contém uma das mais lindas bênçãos do Novo Testamento: “Ora, àquele que é poderoso para vos guardar de tropeçar e apresentar-vos irrepreensíveis, com alegria, perante a sua glória, ao único Deus, Salvador nosso, por Jesus Cristo, nosso Senhor, seja glória e majestade, domínio e poder, antes de todos os séculos, agora e para todo o sempre. Amém!” Jd 24,25. Quanto à Cristologia, Judas apresenta na sua doxologia (hino de louvor) Cristo como nosso Senhor, Senhor da Igreja e também do universo. Em relação a Cristo como Juiz que julga o pecado, Judas cita uma profecia proferida por Enoque, o sétimo depois de Adão: “E destes profetizou também Enoque, o sétimo depois de Adão, dizendo: Eis que é vindo o Senhor com milhares de seus santos, para fazer juízo contra todos e condenar dentre eles todos os ímpios, por todas as suas obras de impiedade que impiamente cometeram e por todas as duras palavras que ímpios pecadores disseram contra ele” Jd 14,15. Judas atrela o juízo final à Segunda Vinda de Cristo em glória, acompanhado dos anjos dos Céus.