Rivaldo conta como testemunhou de Jesus no Uzbequistão, 9ª país na lista de perseguição religiosa

 

 

O jogador Rivaldo, astro da Copa de 2002, e atualmente no Kabuscorp, time de Angola, contou como foi sua temporada morando no Uzbequistão, país conhecido como um dos que mais perseguem os cristãos no mundo.

Rivaldo falou ao Portas Abertas sobre a temporada que passou no país, e como encarou a falta de liberdade para exercer e expressar sua fé. Ele diz que por ser uma pessoa conhecida não passou por tantas dificuldades, mas a população local sofre com a opressão.

“Ser cristão no Uzbequistão não é nada fácil, para mim não foi tão difícil por ser uma pessoa conhecida, mas para eles, é duro. Sei que Jesus nos levou até lá para sermos luz, testemunhas vivas”, diz. Ele conta a emoção de estar com os cristãos locais: “o mais emocionante foi ter convivido com cristãos locais. Ver a alegria deles por estarmos lá… A esperança de que Jesus não tinha se esquecido deles”, recorda.

Leia mais...

Pastor Youcef Nadharkani ainda vive sob ameaças no Irã

 

 Após três anos de cárcere em uma prisão iraniana, o pastor Youcef Nadharkani finalmente obteve a liberdade e está com sua família. Mas apesar de livre, ele atualmente é constantemente vigiado e está proibido de sair do país por tempo indeterminado.

Considerado culpado por realizar atividades evangelísticas entre muçulmanos, o líder religioso continua com seu caso em aberto na justiça. Segundo uma fonte ouvida peloPortas Abertas, “infelizmente ainda existe a possibilidade de o pastor Yousef ser preso e até morto”.

Leia mais...

Regime iraniano prendeu 300 cristãos nos últimos 2 anos

  

Um relatório da Reuters, publicado em 20 de setembro revelou que 300 cristãos  iranianos foram presos nos últimos 2 anos. O levantamento foi elaborado por um grupo de pesquisadores da Organização das Nações Unidas (ONU).

O relatores especiais da ONU  Shaheed Ahmad e Bielefeldt Heiner solicitaram aos funcionários da República Islâmica para “moderar sua atuações, especialmente nas casas e igrejas para que possam realizar suas atividades”.

Desde 2010, os cristãos tem sido arbitrariamente presos, disseram os relatores. Mesmo em meio à intensa perseguição e tolhidos em sua liberdade de expressão, os cristãos continuam em seus ministérios enfrentando um ambiente hostil e o medo, já que são perseguidos e assediados.

Leia mais...

Menina cristã acusada de blasfêmia é libertada no Paquistão

 

 

Um juiz no Paquistão autorizou que a jovem cristã Rimsha Masih fosse liberada sob fiança nesta sexta-feira (7). Rimsha foi acusada de blasfêmia por queimar textos sagrados do Corão, segundo informações da imprensa local. A menina tem entre 11 e 16 anos, é analfabeta e sofre de problemas mentais. O caso mostrou o nível de perseguição e violação dos direitos humanos no país islâmico.

A jovem foi detida há três semanas depois de acusada por vizinhos do bairro onde mora em uma periferia de Islamabad. Segundo relatos de um vizinho, a menina queimou páginas do Qaida Nurani, um livro de instruções para aprender a ler o Corão destinado à crianças

Leia mais...

Nadharkani escreve carta de agradecimento à cristãos de todo o mundo

 

 

O pastor iraniano Youcef Nadharkani, libertado da prisão em 8 de setembro, escreveu uma carta a todos os cristãos que o apoiaram em sua posição de manter a fé em meio ao cárcere imposto pelo sistema judiciário do país. Ele permaneceu preso por 1062 dias, pouco menos de 3 anos, pelo crime de apostasia e por pregar o evangelho a muçulmanos.

Na carta, Nadharkani comenta sobre a prova de fé por que passou. “Fui posto à prova, passei num teste de fé (…) Mas nunca senti solidão, eu estava o tempo todo consciente do fato de que não era uma luta solitária”, escreveu.

Leia mais...

Líder muçulmano rasga Bíblia e ameaça urinar em outro exemplar

 

De acordo com a Agência Internacional de Notícias Assírias (www.aina.org), o clérigo Abu Islam rasgou e queimou uma Bíblia na frente de milhares de pessoas e avisou a multidão “da próxima vez vou urinar sobre ela.” Ele teria ainda queimado o que sobrou da Bíblia em frente aos coptas que estavam em diante da Embaixada dos EUA, onde estavam reunidos para apoiar os seus muçulmanos por causa da divulgação do filme feito por um copta americano e que foi considerado anti-islã.

O vídeo mostra o líder muçulmano segurando um Alcorão e uma Bíblia e dizendo:

Leia mais...

Pastor Youcef Nadarkhani é liberto da prisão

  

 Após ser absolvido da acusação de apostasia, o pastor iraniano Youcef Nadarkhan foi liberto no último sábado (8) da prisão na qual era mantido no Irã. Youcef foi preso em 13 de outubro de 2009, depois de protestar contra a decisão do governo de forçar todas as crianças, incluindo seus próprios filhos cristãos, de ler o Alcorão. Em 2010, foi condenado à morte com a aprovação do Tribunal Supremo do Irã.

 A libertação ocorreu porque as acusações que envolviam Youcef foram reduzidas. O pastor passou a responder por evangelização de muçulmanos, que de acordo com a lei do Irã, tem pena de três anos de prisão. Como ele já havia cumprido esse tempo, autoridades cederam às pressões e soltaram Youcef.

 

Leia mais...

Igreja perseguida: adolescente cristã é sequestrada, violentada sexualmente e obrigada a se casar com muçulmano

 

 

Mais um caso de violência contra cristãos no Oriente Médio, desta vez, uma adolescente cristã foi sequestrada, agredida sexualmente e obrigada a se casar com um muçulmano. A barbárie aconteceu no Paquistão, na cidade de Chunian, há aproximadamente um mês, a garota ainda foi obrigada a assinar um documento declarando que se convertera à religião islâmica.

Segundo informações da família da jovem, cujo irmão é pastor evangélico, ela ainda é menor de idade. No Paquistão, por lei, não é permitido o casamento de mulheres menores de idade, porém, de acordo com declarações dos cristãos locais “a família do sequestrador é rica, poderosa, e ignoram a lei”.

Apesar de a polícia paquistanesa ter recebido a denúncia do crime não foi realizada investigação para averiguar o ocorrido, mas, deliberadamente apresentaram ao tribunal um relatório certificando que a adolescente é muçulmana e casou legalmente.

O presidente da Associação Evangélica de Desenvolvimento Jurídico, Mustaq Pastor Gill, revelou que este tipo de prática, o de conversão forçada, é bastante comum no Paquistão, e que as minorias religiosas, como as cristãs, principalmente localizadas nas zonas rurais são os principais alvos dos muçulmanos. Ainda segundo Pastor Gill, ocorrem aproximadamente mil casos por ano em todo o país.

Redação Gospel+

 

Presidente do Paquistão pede informações sobre caso da menina cristã que pode ser condenada à morte por blasfêmia

 

 

caso da menina cristã paquistanesa que seria portadora da síndrome de Down, e teria rasgado páginas do Alcorão, ganhou um novo capítulo essa semana. Rimsha pode ser condenada à morte por blasfêmia, de acordo com a legislação do país.

O presidente do Paquistão, Asif Ali Zardari pediu explicações sobre o caso, enquanto a menina, que é analfabeta, aguarda em prisão provisória de 14 dias na cidade de Islamabad.

De acordo com informações da agência France Press, o presidente Zardari solicitou ao Ministério do Interior um relatório sobre o caso, que tem informações controversas divulgadas pela mídia do país.

O investigador de polícia Zabhiullah Abbasi declarou que a garota está em detenção provisória até o dia 25/08, enquanto as investigações são realizadas. Após esse prazo, ela deverá se apresentar a um tribunal, onde será acusada de blasfêmia.

Abbasi afirmou ainda que a garota, apesar de ser analfabeta, não possui problemas mentais e não tem a idade que foi noticiada: “A menina tem 16 anos e, de acordo com o relatório médico, ela é normal”, declarou o investigador.

A informação de que a jovem teria síndrome de Down foi divulgada por uma organização social chamada All Pakistan Minorities Alliance (APMA) que atua junto às minorias no Paquistão. O diretor da entidade, Tahir Naveed Chaudhry afirmou que a garota sofre de Trissomia 21, conhecida como síndrome de Down, e que ela teria entre 11 e 12 anos de idade.

Os cristãos moradores do bairro em que a menina vive com a família tiveram que abandonar suas casas temporariamente, para evitar conflitos com muçulmanos, devido à tensão no local.

Redação Gospel+

 

Adolescente cristã é presa na Tanzânia por não negar a sua fé

 

Uma garota de 17 anos foi condenada A dois anos de prisão na Tanzânia, acusada de profanar o livro sagrado islâmico, o Alcorão. A adolescente Eva Abdullah se converteu ao cristianismo, o que a fez ser deserdada por seus pais levou um grupo de radicais a tentar persuadi-la a renunciar sua fé.

De acordo com o ministério Portas Abertas, Em 26 de julho desse ano, a jovem foi condenada à reclusão por um juiz que teria sido subornado por militantes islâmicos e, por ter se recusado a negar sua fé, foi falsamente acusada de ter pecado contra o Alcorão.

O Portas Abertas explica ainda que muitos líderes cristãos da região de Bagamoyo, sua cidade natal, têm medo de defendê-la por medo de sofrer retaliações dos moradores do distrito, de maioria muçulmana.

Redação Gospel+

O pastor iraniano Yousef Nadarkhani, preso há 1000 dias, deve se apresentar novamente diante do tribunal do Irã

 

 

Dentro de menos de um mês o pastor iraniano Yousef Nadarkhani irá se apresentar novamente diante de um tribunal iraniano. O Irã exigiu que o pastor comparecesse no tribunal no dia 08 de setembro de 2012, às 9h para responder pelas “acusações feitas contra ele”, segundo informou o Centro Americano para Lei e Justiça (ACLJ).

O ACLJ acompanha de perto o caso do pastor, e informou também que não está claro na Carta de Intimação, se Nadarkhani estará respondendo pelo crime de apostasia ou se foram apresentadas novas acusações contra ele, que até agora são desconhecidas.

O mais provável, porém, é que o pastor realmente seja acusado por declarar sua fé em Jesus, “crime” que viola a constituição iraniana, de acordo com o ACLJ, que afirma continuar trabalhando no caso do pastor, entrando em contato com autoridades no Irã, com Departamento de Estados e Diplomatas estrangeiros, para pressionar o governo Iraniano a fim de libertá-lo.

- Nosso Tweet para Yousef campanha continua a crescer, atingindo agora mais de 2,8 milhões de contas do Twitter em todo o mundo com informações diárias e atualizações sobre Yousef Pastor – divulga a ACLJ.

Redação Gospel+

 

Cristãos Perseguidos: Liberdade religiosa para os cristãos da Coréia do Norte é mito, afirma o ministério Portas Abertas

 

 

Na Coréia do Norte, a liberdade religiosa é prevista na constituição e em outras leis do país. Porém, na prática a realidade vivida pelos cristãos coreanos é bem diferente que a prevista nas legislações do país.

Segundo o Relatório Internacional sobre Liberdade Religiosa, produzido recentemente pelo Departamento de Estado dos Estados Unidos, assim como em alguns outros países em que a pregação cristã é considerada ilegal, na Coréia no Norte a população ainda está sob o domínio de um governo que limita a prática religiosa.

De acordo com o documento, apesar de estar prevista na constituição, a liberdade religiosa não existe em território norte-coreano. No país, é necessário que os grupos religiosos sejam reconhecidos pelas autoridades do governo, que os supervisiona de maneira rígida, e reprimem reuniões de oração não autorizadas, além de reagir duramente àqueles que se envolvem em atividades religiosas consideradas “inaceitáveis”.

De acordo com o ministério Portas Abertas, levantamentos feitos por grupos de defesa dos direitos humanos apontam que membros de igrejas cristãs clandestinas na Coréia foram presos, espancados, torturados e mortos por causa de suas crenças religiosas nos últimos anos, e que se estima que entre 150 e 200 mil pessoas estejam em campos de prisioneiros políticos; muitos, por motivos religiosos.

O governo da Coreia do Norte não permite que representantes de governos estrangeiros, jornalistas ou de qualquer outro movimento pela liberdade avaliem as condições de direitos humanos no país, impedindo a confirmação oficial dos abusos relatados. Porém, relatos de desertores que estiveram encarcerados mostram que prisioneiros detidos em razão de suas crenças religiosas geralmente eram tratados de maneira mais rígida do que os outros, detidos por outros motivos políticos.

Depois de tentar reprimir os cristãos que lutavam por liberdade política, o governo tentou obter o apoio deles ao regime, mas como não teve êxito em sua tentativa, acabou por iniciar um esforço sistemático para exterminar o cristianismo do país.

Redação Gospel+

 

Casos de mulheres cristãs sequestradas e forçadas a casar com muçulmanos tem aumentado, apontam missionários

01 de agosto de 2012 

 

Desde o início da Primavera Árabe, movimento social que protesta contra governantes de países árabes, aumentou o número de mulheres cristãs que são sequestradas e convertidas à força ao islamismo para se casar com muçulmanos.

Um relatório divulgado pelo Barnabas Fund, escrito pela missionária egípcia e ativista de direitos humanos, Nadia Ghaly, em parceria com a professora Michele Clark, da George Washington University, apresenta casos de perseguição a mulheres cristãs.

Segundo o relatório, a comunidade cristã “tornou-se mais vulnerável à perseguição (por conta do aumento da militância islâmica após a derrubada do presidente Hosni Mubarak), com as mulheres, em particular, sendo as mais prejudicadas”. A informação foi traduzida e divulgada pela missão Portas Abertas.

O relatório foi intitulado “Diga à Minha Mãe que Sinto Saudades Dela”, numa citação à uma frase dita por uma das jovens sequestradas e forçadas a se casar. No dia 20/05/2011 a moça de 19 anos desapareceu, e no mesmo dia, a polícia avisou a família que ela havia se casado com um muçulmano.

O pai da jovem relatou que recebeu uma ligação dela aos prantos, falando baixo, um mês depois do acontecido. Na conversa, a jovem pede que avise sua mãe da falta que sente dela, porém ela é surpreendida por alguém que entra na sala e a ligação é interrompida. Quando seu pai retorna a ligação, um homem atende e avisa: “Ela está inconsciente agora, mas deixe-me dizer uma coisa, essa menina é mais importante para mim do que qualquer outra coisa. Juro por Deus, se algo acontecer com ela, eu vou matar todos vocês e eu vou queimar a igreja. Você sabe que eu posso fazer isso”.

Outras oito ligações foram feitas pela jovem a seu pai, que chegou sugerir que ela se cortasse na esperança de que, ao ser levada a um hospital, seus familiares fizessem o resgate. Porém, o sequestrador levou um médico ao cativeiro, prevenindo a fuga.

O advogado Stefanos Milad, especializado em direitos humanos, apresentou o caso da jovem e outros treze ao Ministério Egípcio do Interior, em setembro de 2011. No documento, o advogado pedia investigações, porém as autoridades ainda não responderam sua solicitação. Outros quatro advogados relataram aproximadamente 550 casos em que famílias pedem a restauração da identidade cristã, que foi prejudicada por sequestros, casamentos e conversões ao islamismo forçados.

Redação Gospel+

 

Cristãos da igreja perseguida na Nigéria agradecem as orações feitas em seu favor ao redor do mundo

29 de julho de 2012 

 

Os cristãos da Nigéria têm vivido em constante tensão e medo nos últimos meses por causa dos constantes ataques e atentados contra igrejas e instituições missionárias no país. Somente nas últimas semanas mais de 100 cristãos foram mortos em ataques feitos por grupos extremistas islâmicos.

Perante a gravidade desses ataques, grupos missionários que atuam no país constantemente pedem por oração para os cristãos de todo o mundo, e na última semana o coordenador dos projetos de campo da missão Portas Abertas, no país, enviou uma carta de agradecimento a todos que têm intercedido pela Igreja nigeriana nesses dias.

- Em nome de todos os nossos colaboradores na Nigéria gostaria de dizer que apreciamos sinceramente suas orações e seu apoio. Todas as orações são valorizadas e importantes para nós, e fazem diferença significativa em nossa situação – agradeceu o pastor.

Ressaltando a gravidade da situação da igreja no país, o pastor comentou em sua carta sobre a realidade de medo e desespero que os cristãos nigerianos vivem diante da constante perda de vidas inocentes para a perseguição religiosa.

- As coisas não vão bem, considerando-se a perda de tantas vidas inocentes, e o trauma inimaginável que se sucedeu. Portanto, sentimentos de medo, desespero e quase falta de esperança são nossa realidade. No entanto, as coisas poderiam ter sido muito piores – ressalta.

O pastor comentou ainda sobre recentes apreensões de armas feitas por agentes de segurança em trânsito ou armazenados em casas de muçulmanos ricos e influentes, e afirma que essa atuação do governo contra os militantes islâmicos é uma clara demonstração da atuação de Deus no país.

Ressaltando que o país passa também por uma batalha espiritual, ele agradece as orações recebidas, e pede para que as intercessões pelos cristãos nigerianos continuem em todo o mundo.

- Deus está ao lado de seu povo de muitas e variadas formas (algumas das quais não podemos mencionar por motivos de segurança). Então, por favor, continuem orando – conclui o pastor.

Redação Gospel+

 

Ditador da Coréia do Norte, Kim Jong Un, mantém 70.000 cristãos presos em campos de concentração

25 de julho de 2012

 

Com a morte do ditador Kim Jong II, da Coréia do Norte, os olhos da comunidade internacional se voltaram para o país, esperando que seu sucessor, seu filho Kim Jong Un, iniciasse um processo de abertura política. A esperança de que o novo comandante de país diminuísse, ou eliminasse de vez, uma série de restrições para os cidadãos foi reforçada quando proibições sobre alimentos ocidentais, como pizza e batatas fritas, e as restrições ao uso de telefones celulares, por exemplo, chegaram ao fim.

- O novo governante foi mostrado na televisão estatal, sorrindo estranhamente e visitando um parque de diversões – explica Ryan Morgan, analista do International Christian Concern, sobre a postura exibida por Kim Jong Un.

Porém apesar da mensagem de esperança de um futuro de tolerância no país, Morgam afirma que nenhuma melhoria foi notada na condição da igreja cristã perseguida no país comunista. De acordo com o analista, um cristão fiel e toda sua família ainda podem ir para a prisão no país pelo crime de possuir uma Bíblia.

- Não ouvimos qualquer relato de melhora para os cristãos no país e não temos motivos para acreditar que alguma coisa mudou – afirma.

De acordo com o WND, o analista comentou sobre o recente relatório da Comissão Sobre a Liberdade Religiosa Internacional, que afirma que o regime norte-coreano está cada vez mais tratando as religiões como “ameaças potenciais à segurança do país”. Ele falou também sobre os campos de concentração, para onde esses religiosos acabam sendo enviados.

- O regime norte-coreano ainda tem mais de 70.000 cristãos aprisionados em campos de concentração – detalha.

Segundo o ministério Portas Abertas, a Coreia do Norte ainda está em primeiro lugar na lista dos maiores perseguidores dos cristãos no mundo. No país, qualquer forma de adoração à outra pessoa além do ‘Grande Líder’ (Kim II-Sung) e do “líder supremo” (Kim Jong-II) é vista como traição.

- Acredita-se que pelo menos 25% dos cristãos esteja definhando em campos de trabalho forçados por que se recusaram a adorar o fundador da Coreia do Norte, Kim II-Sung [avô do atual líder – afirma ainda o ministério, que ressalta também que cerca de dez milhões de habitantes do país estão desnutridos, e milhares de pessoas estão sobrevivendo apenas comendo grama e cascas de árvore.

Redação Gospel+

 

Parlamentar israelense rasga exemplar do Novo Testamento e afirma que o livro é uma “provocação”; Governo do país repudiou o ato

19 de julho de 2012

 

Um exemplar do Novo Testamento foi rasgado por um deputado israelense de extrema direita, praticante do judaísmo.

A destruição do exemplar do Novo Testamento enviado por missionários, aconteceu no gabinete do deputado Michael Ben-Ari, ligado ao partido União Nacional.

Ben-Ari rasgou o livro em frente às câmeras, e afirmou que o livro era inspirador de intolerância religiosa: “Este livro depreciativo provocou o assassinato de milhões de judeus durante a Inquisição. É uma horrível provocação de parte da Igreja. Este livro e os que o enviaram deveriam ser lançados ao lixo da história”, afirmou em seu site.

O governo israelense repudiou a atitude do deputado, mas não anunciou nenhuma medida contra o ato: “Lamentamos profundamente este comportamento e o condenamos do modo mais intenso. É um gesto que vai completamente contra nossos valores e tradições [...] Israel é uma sociedade tolerante, mas temos tolerância zero diante deste ato vergonhoso e odioso”, afirmou o porta-voz do governo, Mark Regev, de acordo com informações do Correio Braziliense

Junto aos exemplares do Novo Testamento enviados aos parlamentares pela Sociedade Bíblica Israelense havia uma carta, com uma explicação sobre os motivos do envio. Na carta, o texto afirmava que a nova tradução do livro esclarecia “as santas escrituras e ajuda a compreendê-las (…) ilustrando a relação estreita entre a Torá e o Novo Testamento”.

Fonte: Gospel+

 

Missões: Tecnologia ajuda a propagar a Bíblia em países muçulmanos

17 de julho de 2012 

 

A tecnologia tem se tornado uma grande aliada da obra missionária em vários países do mundo, principalmente na região do Oriente Médio, onde a resistência contra o evangelho mostra-se extrema. Portanto, levar a Palavra de Deus aos povos daquela região sempre foi muito difícil, pois a Bíblia é um livro proibido na maioria dos países muçulmanos.

Atualmente, a facilidade de acesso a informações através de aparelhos com tecnologia moderna tem mudado a forma de fazer missões. Livros e áudios em formatos digitais são facilmente acessados através de aparelhos de celular da nova geração. Assim, conteúdos cristãos estão sendo compartilhados, vídeos, áudios, imagens, e até mesmo a Bíblia em formato digital, chegando até as pessoas.

“No Oriente Médio e no Norte de África, por exemplo, há países que consideramos fechados. Não é possível entrar com Bíblias facilmente, e para ex-muçulmanos, pode ser perigoso carregar uma Bíblia impressa”, conta um obreiro da missão Portas Abertas.

Fonte: Gospel+

 

No Irã, mais um pastor evangélico é preso e condenado a seis anos de detenção

13 de julho de 2012 

 

Mais um fato envolvendo intolerância religiosa no Irã culminando na prisão de um pastor evangélico, o caso mais famoso é o do pastor Youcef Nadarkhani, que foi condenado a morte por ter se convertido ao cristianismo. Desta vez, foi outro pastor, Farshid Mathi, que foi julgado e sentenciado a cumprir seis anos de prisão por exercer o ofício de pastor e realizar trabalhos religiosos cristãos.

O pastor Mathi foi preso em 2010, suas atividades foram consideradas com crime político, porém, o que ele realizava era um trabalho missionário no país. Na semana passada ocorreu a audiência de apelação, o último recurso que o pastor tinha, mas seu pedido foi negado e ele deverá continuar preso até cumprir a pena máxima, conforme publicação do site Christian Today.

Segundo Sam Yeghnazar, reverendo que tem transmitido informações do pastor Mathi, o fato é mais um que mostra intolerância religiosa e injustiça contra os cristãos iranianos, mesmo com garantias constitucionais do país. Mas, ele explicou que isso terá um efeito reverso, “Estou convencido de que quanto maior for a perseguição contra cristãos, mais a igreja vai crescer no Irã. Tal injustiça só vai causar aos iranianos, curiosidade de saber o que Farshid anunciava sobre Jesus”, explicou Sam.

O governo iraniano tem tomado medidas para conter o crescimento do cristianismo no país, dentre elas, a destruição de monumentos que simbolizam a fé cristã, além de inúmeras restrições para impedir a propagação da mensagem de Cristo.

Fonte: Gospel+

 

Portas Abertas faz campanha para que fiéis enviem cartas de encorajamento a cristãos perseguidos. Saiba como ajudar

11 de julho de 2012 

 

A missão Portas Abertas lançou uma campanha de incentivo a um casal de missionários cristãos, ex-muçulmanos, residentes de Kushtia, região oeste de Bangladesh.

O casal Tara e Rashid mantinha uma escola em sua residência, usando materiais de conteúdo cristão para lecionarem. Porém, após a descoberta por parte de muçulmanos de que o material usado possuía conteúdo cristão, ativistas islâmicos agrediram Tara, na ausência de seu esposo.

Rashid foi avisado por pessoas que presenciaram a agressão e voltou a tempo de socorrer sua esposa, que estava inconsciente, e levá-la a um hospital.

A missão Portas Abertas tem ajudado financeiramente ao casal, e pede que cristãos de todo o mundo enviem cartas de apoio, mostrando o suporte de oração que o trabalho desenvolvido por eles recebe dos irmãos na fé.

A Portas Abertas desenvolve ainda uma Iniciativa semelhante a essa em relação à viúva Jum Acidre, que aos 39 anos, perdeu o marido, o pastor filipino Mário Acidre.

O pastor Acidre foi assassinado por pregar o evangelho a muçulmanos, e sua esposa, além de sentir-se solitária, está amedrontada, por temer que os mesmos ativistas islâmicos a persigam. A iniciativa da missão Portas Abertas pede que sejam seguidas algumas recomendações, a fim de garantir a segurança dos missionários e a compreensão das mensagens, por parte dos destinatários.

As orientações da Portas Abertas são:

-Não mencionar a missão Portas Abertas;
-Enviar cartas, cartão ou cartão-postal com um ou dois versículos, ou um pequeno texto, em Inglês;
-Se for enviar um cartão-postal, não coloque seu endereço. Seu nome e país são suficientes;
-Cristãos de países fechados ao evangelho gostam de receber desenhos infantis. Se for encorajar seus filhos ou crianças de sua igreja a desenhar, tenha certeza de que os desenhos não fazem alusão à violência. Desenhos desse tipo não serão enviados pela Portas Abertas;
-Não mande dinheiro no envelope. Se quiser ajudar financeiramente, entre em contato diretamente com a missão

Para enviar as cartas e/ou cartões de incentivo para os missionários Tara e Rashid ou para a viúva Jum Acidre, use os dados abaixo, mencionando os nomes dos destinatários:

Portas Abertas Brasil
Caixa Postal 12.655
CEP 04744-970

Fonte: Gospel+

 

Radicais islâmicos matam mais de 100 cristão na Nigéria no fim de semana e afirmam: “Os cristãos não voltarão a saber o que é paz”

10 de julho de 2012 

 

No último final de semana os cristãos da Nigéria enfrentaram uma nova onda de violência, que levou à morte de mais de 100 cristãos. Os ataques foram feitos por um grupo de muçulmanos da etnia fulani, que fortemente armados invadiram diversas cidades.

O primeiro ataque aconteceu no sábado (07) e atingiram as cidades de Kakuruk, Kuzen, Ngyo, Kogoduk, Ruk, Dogo, Kufang, Kpapkpiduk e Kai. De acordo com as Forças Especiais de Intervenção (STF) mais de 100 homens participaram do ataque.

- Os criminosos, mais ou menos 100 homens que estavam fortemente armados com fuzis e usavam roupas camufladas e coletes à prova de balas, mataram vários moradores da região e queimaram muitas casas – relatou a STF.

De acordo com o portal Opera Mundi no primeiro momento foram divulgados 30 mortos, mas depois as autoridades encontraram 50 corpos, em sua maioria mulheres e crianças, dentro da Igreja de Cristo na Nigéria (COCIN, sigla em inglês).

Os ataques prosseguiram no domingo, quando os extremistas voltaram a atacar e vitimaram outras dezenas de pessoas, entre elas dois legisladores nigerianos, o senador por Plateau Norte, Gyang Daylop Dantong, e um membro do parlamento estatal de Plateau, Gyang Filani.

Nessa terça feira (10), o grupo radical islâmico Boko Haram assumiu a autoria dos atentados. Em comunicado divulgado na cidade de Maiduguri, o grupo rebelde informou que os ataques vingaram os massacres de muçulmanos e que continuarão acontecendo, segundo informou a revista Veja.

- Os cristãos não voltarão a saber o que é paz até que aceitem o islã e deixem de matar muçulmanos – afirmo o grupo terrorista em seu comunicado.

A rivalidade entre a população cristã do estado de Plateau e os pastores muçulmanos da etnia fulani já existe há décadas, e já ocasionou milhares de mortes.

Fonte: Gospel+

 

Pastor iraniano Yousef Nadarkhani está preso há 1000 dias, e ministérios cristãos organizam clamor em seu favor

08 de julho de 2012 

 

Nesse domingo (08 de julho) completam-se 1000 dias da prisão do pastor iraniano Yousef Nadarkhani. Como forma de pressionar as autoridades para intervirem em favor do pastor, entidades cristãs estão se organizando para levantar um clamor em favor de Nadarkhani, que teve um novo julgamento marcado para setembro.

Segundo o ministério cristão Present Truth Ministries (Ministério Verdade Presente), que tem acompanhado de perto caso, Nadarkhani irá provavelmente será julgado por crimes contra a segurança, diferentemente das acusações iniciais que eram por apostasia e evangelismo aos muçulmanos.

- Presumimos que as acusações implícitas contra o pastor de apostasia foram abandonadas desde que a nova data com o novo motivo foram emitidos, mas não temos confirmação disso – informou o ministério na última semana.

Como forma de mobilização em favor de pastor, que pode ser executado por se manter firme em sua fé, o ACLJ (Centro Americano para Lei & Justiça) juntamente com a BCLJ (Centro Brasileiro para Lei & Justiça) está convocando os cristãos a levantarem um clamor em seu favor.

As entidades que estão organizando o clamor pedem que todos compartilhem através das redes sociais as informações de seu movimento que, além de pedir por orações, fará uma nova edição do “Tweet for Youcef”, uma manifestação através do Twitter em prol do pastor.

Fonte: Gospel+

 

Confira o testemunho da cristã que foi espancada por mulheres muçulmanas

06 de julho de 2012 

 

Em Bangladesh, uma mulher foi violentamente agredida por muçulmanas, simplesmente pelo fato de ser cristã, Tara, 30 anos, mãe de dois filhos, chegou a ficar inconsciente pela gravidade e intensidade do espancamento. “Elas me bateram como se eu fosse um animal. Eu gritei, então, alguém me atingiu na testa e caí inconsciente. Quando acordei, encontrei-me em um leito de hospital”, relatou a mulher à missão Portas Abertas.

Abdul Rashid, esposo de Tara, contou que não estava presente quando a esposa foi agredida, mas, seus filhos presenciaram tudo. “Quanto voltei pra casa, achei minha esposa inconsciente e sangrando de um ferimento na testa”, “Nossos filhos estavam chorando. Eu não sabia a história completa até minha esposa recobrar a consciência”.

“Ouvi meus vizinhos falarem que iriam nos agredir para evitar que pessoas do vilarejo se tornassem cristãs”, contou Abdul. “Não estou preocupado comigo mesmo, mas temo por minha esposa e filhos”. A conversão do casal ao cristianismo aconteceu em 2011 e foi recebida com muita hostilidade por vizinhos, familiares e amigos.

A situação se agravou após Rashid começar dar aulas de alfabetização a crianças do vilarejo onde mora, ele foi então acusado de estar tentando converter as crianças à religião cristã. Tara foi agredida pelas mulheres muçulmanas enquanto o esposo estava no trabalho. As mulheres foram à sua casa para questionar sobre veracidade da conversão do marido, ela começou a ser agredida verbalmente, e a seguir, fisicamente, quando foi espancada.

Em Bangladesh, embora a constituição do país garanta a liberdade religiosa, a opressão da maioria muçulmana contra a minoria de cristãos é constante, porém, eles têm resistido. “Estou orando seriamente para que Deus nos ajude a carregar esta cruz. Tenho fé que as tensões irão se acalmar e que as pessoas irão abrir suas mentes”, declarou Rashid.

Fonte: Gospel+



  • Terroristas voltam a atacar igrejas no Quênia e deixam 15 cristãos mortos

 

Mais uma onda de ataques contra igrejas no Quênia é realizada por terroristas, desta vez, 15 cristãos foram mortos e várias pessoas ficaram feridas. De acordo com as autoridades do país, os terroristas utilizaram granadas para atacar duas igrejas que ficam na cidade de Garissa, no interior da África, próximo à fronteira com a Somália. O grupo Al-Shabab é o principal suspeito da autoria do atentado.

De acordo com informações de Kevin Mwachio, correspondente da BBC, na capital Nairóbi, o grupo terrorista disparou vários tiros contra a igreja onde estava sendo realizado um culto, logo após, eles lançaram granadas dentro do templo, os que tentaram fugir foram alvejados com tiros. Os ataques aconteceram pela manhã, deixando por volta de 40 feridos, alguns em estado grave, além de 15 que vieram a óbito.

No mesmo momento em que ocorria o primeiro ataque, um templo da igreja Católica também foi alvejado pelos terroristas na mesma cidade, granadas foram lançadas dentro da igreja deixando mortos e feridos. O chefe de polícia que acompanhou o caso falou sobre o atentado, “É uma cena terrível, ver os corpos estendidos, dentro das igrejas”.

A agência de notícias AFP informou que o Conselho Supremo do Quênia condenou os ataques, e afirmou que “todos os lugares de culto devem ser respeitados”.

Fonte: Gospel+

 

Cristãos da Índia falam sobre mudança de vida proporcionada por trabalho missionário da Portas Abertas

16 de junho de 2012 

 

Há cerca de dois anos, comunidades cristãs dos vilarejos de Badabanga e Bandabaju, montanhas de Kandhamal, no estado de Orissa, na Índia, estavam desabrigadas desde que extremistas hindus irromperam em violência em agosto de 2008, matando 120 cristãos, destruindo centenas de igrejas e derrubando 6 mil casas na região. Cerca de 52 mil cristãos ficaram desalojados em Orissa.

Expulsos de seus vilarejos, os cristãos sobreviventes foram avisados que somente teriam permissão para voltar se renunciassem sua fé em Cristo. Decididos a não abandonar sua fá, esses cristãos sem terra não tiveram nenhuma fonte de renda. Os negociantes hindus não os empregavam mais como diaristas para cortar pedras. As mulheres foram banidas das florestas, onde sempre tinham estado, juntando folhas para fazer pratos de folhas e vendê-los. Pais temerosos não ousavam mais enviar seus filhos para a escola, onde eram firmemente discriminados pelos colegas hindus.

“Eles precisavam ser capacitados, não alimentados, de forma a recuperar sua dignidade e sua vida”, explicou um obreiro de campo da Portas Abertas, sobre o trabalho que foi iniciado na região. A entidade começou há dois anos, um trabalho de estudo bíblico e uma série de atividades voltadas para o desenvolvimento urgente e necessário da comunidade local, onde a maioria dos adultos não sabia sequer ler e escrever.

Com o tempo, o trabalho foi estendido também entre as crianças hindus, que chegaram a superar as cristãs em números entre os que se juntavam para ouvir histórias do Evangelho e mensagens cristãs em um ambiente positivo.

Hoje, os cristãos da região falam sobre a mudança de vida causada pelo trabalho missionário do local e mostram suas esperanças em ter uma vida ainda melhor.

Balma Digal, uma viúva com três filhos e uma sogra de 70 anos para cuidar, conta hoje sobre os resultados dos trabalhos do Portas abertas no local: “Estava além de minha imaginação que eu pudesse ter uma bela casa para minha família”.

Através de várias iniciativas de Portas Abertas, Balma aprendeu a ler e a escrever, seus filhos entraram na escola-ponte para continuar seus estudos e, agora, tem sua própria casa.

“Eu creio que um dia, nosso vilarejo será definitivamente um modelo para os outros!”, disse Sunil Nayak, de Bandabaju. Após perder tudo e lutar para sobreviver, ele e sua família tinham vivido sob uma cobertura de plástico. “Durante o verão, sentíamos o calor escaldante nos fazendo derreter. Na estação das chuvas, a água jorrava para dentro e, algumas vezes, o vento levava nosso abrigo para longe. No inverno, nós tremíamos enquanto dormíamos no chão. Mas agora minha família pode permanecer junta e ser protegida do calor, da chuva e do frio. É difícil acreditar que tenho minha própria casa! Agradeço a Deus por enviar a Portas Abertas para o meu vilarejo”.

Fonte: Gospel+

 

Famílias evangélicas têm suas casas destruídas e incendiadas por católicos tradicionalistas

19 de junho de 2012 

 

No final da última semana 19 casas de famílias indígenas foram destruídas por um grupo de católicos tradicionalistas na comunidade Yashtinin, município de San Cristóbal de Las Casa, em Chiapas no México. O motivo da violência foi o fato dessas famílias professarem a fé protestante. Além de terem suas casas destruídas, e uma delas incendiada, as famílias foram expulsas do município.

A perseguição religiosa está presente há anos na etnia tzotzil, mas a tensão entre os grupos se tornou mais intensa nos dias que antecederam o ato de violência, quando um grupo de católicos ameaçou expulsar do povoado os evangélicos, se estes não rejeitassem sua fé e se submetessem publicamente ao catolicismo e aos seus costumes.

Segundo o site Acontecer Cristiano, após a celebração de um culto no domingo (10), na igreja Maranata, os católicos encarceraram os evangélicos em uma prisão rural e, após os libertar, afirmaram que eles não tinham mais o direito de viver na comunidade.

Jesús Felipe Hernández, pastor dos evangélicos que foram expulsos da comunidade, contou como aconteceu a ação. “Tivemos que sair à noite porque estávamos com medo de ficar na comunidade”, disse Hernandez, informando ainda que dezenas de pessoas com facões e machados destruíram suas casas e queimaram uma delas. O pastor acrescentou que o único crime deles foi “buscar a Jesus e anuncia-lo aos nossos irmãos”.

O pastor ressalta que o motivo da perseguição foi “uma celebração que é permitida pelas leis mexicanas, e pela Bíblia”. Ele conta ainda que cerca de 40 pessoas, membros da igreja Maranata, não obedeceram à ordem de expulsão e foram ameaçados que, se não deixassem Yashtinin em três dias, iriam ser amarrados, queimados vivos e suas mulheres e meninas seriam estupradas, segundo informou Hernandez.

O pastor Esdras Alonso González tem feito um apelo entre as autoridades públicas para a proteção das comunidades indígenas onde os conflitos religiosos estão se intensificando, e afirma que a recente agressão agrava ainda mais o conflito da intolerância religiosa.

Fonte: Gospel+

 

Perseguição religiosa; Governo chinês planeja erradicar igrejas protestantes em período de 10 anos

28 de abril de 2012

 

Em um comunicado divulgado em 20 de abril pela Associação de Ajuda à China, o governo chinês está envolvido em uma campanha de três fases para erradicar igrejas protestantes. A estratégia foi divulgada em um documento em Setembro de 2011, durante uma aula de treinamento para “Patriotas na Comunidade Cristã”, realizado pela Administração Estatal para Assuntos Religiosos.

O documento diz que as autoridades locais devem conduzir uma investigação completa com dossiês de igrejas em toda a China, entre janeiro e junho deste ano. Na segunda fase da investigação, as autoridades estimularão as igrejas sem registro a se afiliarem ao governo, e na última fase, a ser concluída em 10 anos, igrejas que se recusarem à filiação, serão desligadas.

Funcionários estão autorizados a banir as palavras “Igreja Doméstica” em todos os relatórios sobre as igrejas e outros meios de comunicação e substituir por “Casa de Encontros”, termo que se refere aos grupos já afiliados ao governo.

Em pesquisa realizada pela Associação de Ajuda à China em diversas províncias, mais de 95% dos líderes de igrejas domésticas disseram ter sentido o impacto das investigações, enquanto 85% informaram que departamentos de assuntos religiosos já criaram dossiê para seu grupo.

“Desde o início de 2012, temos notado um aumento na frequência da perseguição”, disse a Associação de Ajuda à China em comunicado à imprensa. O comunicado também informa que além da perseguição da igreja, o número de casos semelhantes aumentou 20% sobre o ano passado e que se espalhou para outras áreas, incluindo educação cristã, publicação e livrarias.

Fonte: Gospel+

 

Casal perde a guarda dos filhos após abandonar islamismo e se converter ao cristianismo; Testemunho tem levado pessoas à conversão

14 de maio de 2012

 

Um casal perdeu a guarda dos filhos por se converter ao cristianismo, em um país africano de maioria muçulmana.

De acordo com informações da agência Baptist Press, um homem identificado como Beniam teve seus filhos levados de casa após seu pai saber que ele havia se convertido à fé cristã.

Beniam e sua esposa não veem os filhos há meses, mas continuam pregando sobre a Bíblia, e pessoas tem se convertido através de sua mensagem, de acordo com informações do The Christian Post.

Segundo Beniam, seu pai soube de sua conversão ao chegar em sua casa e encontrar o neto lendo a Bíblia: “Meu pai viu meu filho ler minha Bíblia e perguntou pra ele o que era. Meu filho lhe respondeu dizendo que era a Bíblia e ele ficou muito nervoso”, relatou o homem, que ouviu do pai que ele já não se importava com ele: “Quando você morrer eu não vou ao seu funeral. Pra mim você já está morto e não é mais meu filho”.

Após a discussão, o pai de Beniam levou os filhos do casal afirmando que seus netos não poderiam ser criados por infiéis. “Apesar de ele ter levado meus filhos, e ainda dizendo que estou morto para ele, não vou deixar de falar da salvação de Jesus. Continuo compartilhando a Bíblia para aqueles que querem conhecer a verdade”, afirma o cristão.

Beniam conta sua motivação: “Eu sei qual é a verdade e uma vez que conhece a verdade, não pode mais voltar atrás. Eu e minha esposa temos decidido seguir o caminho de Jesus e nossos filhos vão voltar”, diz ele.

O casal tem buscado meios legais de reaver a guarda dos filhos e com seu testemunho e pregações, tem levado pessoas a se converterem ao cristianismo, segundo o Baptist Press.

Fonte: Gospel+

 

Arábia Saudita: Líder islâmico pede destruição de todas as igrejas cristãs da região

20 de março de 2012

 

Uma declaração feita recentemente por um líder islâmico tem causado grande apreensão às igrejas localizadas nos países árabes. O sheikh Abdul Aziz Bin Abdullah declarou à imprensa árabe que “é necessário destruir todas as igrejas da região”. O líder religioso é o grande Mufti da Arábia Saudita, o que representa um dos graus máximos da hierarquia do islã. É do Mufti a responsabilidade de interpretar a Sharia, a lei islâmica.

O sheikh deu a declaração quando questionado sobre o posicionamento do parlamento do Kuwait, que afirmou que nenhuma igreja deveria ser construída no país, entretanto o Grande Mufti exortou que “o Kuwait é parte da Península Arábica, e por isso é necessário destruir todas as igrejas do país”. Seu posicionamento foi embasado no Haith, que é o conjunto de leis e histórias sobre a vida do profeta Maomé, segundo o qual teria dito antes de sua morte que “não pode haver duas religiões na Península Arábica”, logo, o Islã é a única religião que pode ser praticada na região.

A declaração de Abdul Aziz Bin Abdullah não se trata de uma mera opinião, mas de um líder com grande influência sobre todo o povo islâmico, ele é presidente do Conselho Supremo dos Ulemas, que congrega os estudiosos islâmicos. O sheikh ainda compõe o Comitê Permanente para a Investigação Científica e emissão de fatwas como presidente. O grupo é responsável pela interpretação da lei islâmica.

O fato mais preocupante é que líderes como o sheikh Abdullah são irrepreensíveis em seu país, tanto pelo povo, como pelas instituições e mesmo a imprensa. De acordo com Raymond Ibrahim, membro associado do Fórum do Oriente Médio e um dos informantes do caso, “a omissão dos principais meios de comunicação, universidades, e da maioria dos políticos ocidentais sobre o que a Igreja Cristã têm enfrentado nos países de maioria muçulmana demonstra o quão voltado o ocidente está, para os seus próprios interesses”, desabafa.

Fonte: Gospel+

“200 milhões de cristãos são perseguidos anualmente”, afirma diretora de fundação cristã em Portugal.

04 de Abril de 2012

 

A diretora Catarina Martins da Fundação Ajuda à igreja que Sofre, em Portugal, afirma que a perseguição religiosa no mundo é alarmante: “São cerca de 200 milhões os cristãos perseguidos anualmente e de cinco em cinco minutos morre um cristão por causa da sua fé. A situação é dramática no mundo e nós assistimos a um agravamento das situações”, disse a diretora nesta terça-feira, à Rádio Renascença.

Um dos casos mais graves de perseguição atinge neste momento a minoria cristã na Síria. Num país em revolução, a pressão dos militantes islâmicos já levou mais de 50 mil cristãos a fugirem para o Líbano.

“A Primavera Árabe está provocando muitas alterações políticas nestes países e os cristãos têm sido vítimas, uma vez que o regime ditatorial passa para um regime de ditadura religiosa”, diz a diretora da fundação.

A Fundação Ajuda à Igreja que Sofre apoia as comunidades cristãs em dificuldade, priorizando a formação de sacerdotes e a reconstrução de igrejas, como aconteceu recentemente no México e Cuba onde o Papa esteve. No caso na Síria, a ajuda é realizada com bens de primeira necessidade.

“São situações de emergência, de pessoas que vivem sem dignidade, que já perderam familiares e é necessário apoiá-las em pequenas coisas para dignificá-las no dia a dia”, finaliza a diretora.

Fonte: Gospel+

 

Pastor evangélico agredido a facadas por extremistas islâmicos “se salvou por milagre”

17 de março de 2012

 

O pastor evangélico John Pervaiz foi esfaqueado por extremistas islâmicos em Kasur, na província de Punjab (Paquistão). O ataque foi feito por dois homens que pretendiam assassinar o religioso. De acordo com a família de Pervaiz, ele sobreviveu à agressão por um milagre.

Esse tipo de ataque costuma acontecer no país “pelo ódio religioso, por acusações de proselitismo ou simplesmente porque os cristãos são vistos com ódio pelos fundamentalistas islâmicos”. Segundo a ONG paquistanesa LEAD (“Legal Evangelical Association Development”), o pastor sofreu várias feridas graves por arma branca no abdômen e teve que ser transferido com urgência a um hospital, onde passou vários dias entre a vida e a morte.

Membro da “Igreja do Paquistão”, Pervaiz professa a fé cristã há 14 anos e, liderado pelo ativista dos direitos humanos e da paz, Robert Azraiya, conduz os cultos da igreja protestante na cidade de Kasur. De acordo com sua família o líder religioso “se salvou por milagre” e agora se recupera dos ferimentos com algumas poucas complicações.

Fiéis da igreja identificaram os agressores como Ghulam Muhammad e Ashfaq Rassol, e a organização LEAD já apresentou uma denúncia oficial à polícia pedindo a detenção dos suspeitos, que ainda não foram localizados.

A comunidade cristã no Paquistão afirma estar em oração em prol do pastor, para que “sua missão de anunciar o Evangelho possa continuar”. Eles pedem também que cristãos de todo o mundo orem “para apoiar às igrejas perseguidas no Paquistão”.

Fonte: Gospel+

 

Muçulmanos prometem erradicar Cristianismo na Nigéria

14 de março de 2012

 

Um grupo de terroristas muçulmanos declarou guerra a todos os cristãos da região norte da Nigéria. De acordo com informações do site nigeriano Bikar Masr, o grupo jihadista Boko Haram prometeu erradicar o Cristianismo no país. De acordo com informações recentes vindas na Nigéria, o grupo está planejando novos ataques com objetivos de eliminar cristãos e judeus.

O representante do grupo de direitos humanos Preocupação Cristã Internacional, Jonathar Racho, mostrou-se muito preocupado com a atual situação dos cristãos no país, ele disse que a notícia é alarmante, e confirmou os rumores a respeito do grupo terrorista, “Os informes indicam que membros da Boko Haram recentemente declararam uma guerra aos cristãos no norte da Nigéria. O grupo prometeu erradicar os cristãos de certas áreas da Nigéria”.

O grupo Boko Haram, é o responsável por uma onda de atentados que vêm acontecendo na Nigéria desde o final do ano passado, causando mais de 100 mortes. Conforme informações do serviço de imprensa do Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários, mais de 100 crianças fugiram da Nigéria para o Chad, tentando escapar dos ataques violentos do grupo. Além de matar pessoas, o Boko Haram já queimou várias escolas na região.

O grupo terrorista está entre os suspeitos de ter planejado e executado o atentado contra uma igreja cirstã no último domingo, quando um suicida lançou um carro cheio de explosivos contra uma igreja, que fica em Jos, no centro do país, deixando 10 mortos.

Fonte: Gospel+

 

Pastor é libertado após ficar 13 anos preso por pregar o Evangelho

04 de março de 2012

 

No dia 2 de fevereiro desse ano as autoridades de Laos libertaram da prisão o pastor Bounchan Kanthavong, que estava preso desde 1999, condenado a 12 anos de prisão sob a acusação de traição contra o país e de ir contra a segurança nacional. As acusações contra o pastor se deram por causa de seu trabalho missionário no país.

De acordo com a Portas Abertas, Kanthavong se converteu ao cristianismo em 1997 durante uma viagem de negócios, e depois disso começou a contar seu testemunho para as pessoas que entravam em sua loja, o que o levou a ser acusado de traição. Estima-se que o testemunho do pastor tenha levado mais de 70 pessoas a aceitarem a Cristo.

As autoridades do País ficaram preocupadas com a possibilidade de que, se as pessoas abraçassem o cristianismo, que é considerado uma fé estrangeira, elas iriam abraçar também a cultura estrangeira. Por causa dessa preocupação eles ordenaram que ele parasse com todas as atividades cristãs em sua loja.

Durante o tempo em que ficou preso Kanthavong, que é casado e tem cinco filhos, ficou com a saúde debilitada. Durante seu cárcere sua esposa assumiu a liderança da comunidade cristã, que cresceu ainda mais nessa época.

Fonte: Gospel+

 

Atentado terrorista em igreja da Nigéria fere fiéis durante culto; Somente em 2012, 250 já morreram em ataques semelhantes no país

26 de fevereiro de 2012

 

Um atentado a bomba em frente à igreja “Embaixada de Cristo” na cidade de Abuja, capital da Nigéria, feriu gravemente duas pessoas e provocou ferimentos leves em diversos fiéis, que assistiam ao culto.

As autoridades nigerianas acreditam que o ataque com o carro-bomba tenha sido planejado e executado por um grupo de extremistas muçulmanos, chamado “Boko Haram”, conhecida por diversos outros ataques a cristãos no país e que prega a aversão total à cultura ocidental.

Segundo informações da Rádio Vaticano, um dos fiéis que testemunhou a explosão afirmou que o atentado destruiu diversos carros estacionados próximo à igreja e acredita que o número de feridos não foi maior, devido a um atraso no culto: “O rito ainda não havia acabado quando o carro explodiu, senão, haveria ainda mais mortos”.

Organizações de Direitos Humanos que acompanham casos de intolerância religiosa no país, estimam que mais de 250 pessoas morreram em atentados executados pelo “Boko Haram” desde Janeiro desse ano. Um dos ataques mais violentos deixou 43 pessoas mortas no dia de Natal.

Fonte: Gospel+