Mulher que foi presa no Irã por se converter ao cristianismo é libertada da cadeia após nove meses

13 de janeiro de 2012

 

Uma cristã que foi mantida presa durante nove meses pelo governo iraniano foi libertada da prisão, em péssimo estado de saúde. Manter um ex-muçulmano que se converteu ao cristianismo preso durante meses é um dos métodos do governo do Irã para dissuadir os convertidos.

Shahla Rahmati foi presa sob acusação de envolvimento com um “grupo que praticava atividades ilegais” e condenada a dois anos e meio de prisão. Segundo o Portas Abertas, existe agora a preocupação com outros cristãos que estão presos nas mesmas condições, em cadeias espalhadas pelo país.

Cristãos iranianos informaram que Shahla, que trabalha como diretora em uma empresa de eletrônicos, havia sido condenada a dois anos e meio de prisão acusada de estar associada a um “grupo que praticava atividades ilegais”, em referência ao seu envolvimento em atividades cristãs.

A família de Shahla Rahmati demonstrou preocupação com a saúde dela e afirmou que são necessários cuidados médicos com urgência: “Shahla precisa de atenção médica imediatamente, pois sua pressão arterial está muito baixa”. Segundo o Elam Ministries, os parentes afirmaram que sua saúde pode ter ficado fragilizada devido a maus-tratos enquanto esteve na cadeia.

No período que foi mantida sob custódia do governo, na capital Teerã, Shahla ficou presa em uma cela solitária nos cinco primeiros meses, e depois, foi transferida para uma cela superlotada com mais de oitenta detentos. Essas condições podem ter influência na deterioração de sua condição de saúde.

Fonte: Gospel+

 

Bíblia é o livro mais traduzido e mais publicado do mundo

 06 de janeiro de 2012

  

Com o incrível número de seis bilhões de exemplares vendidos a Bíblia é o livro mais vendido de todos os tempos. O livro de maior valor para o Cristianismo retém também um recorde pelo fato de ser o volume mais traduzido: já são mais de dois mil línguas e dialetos traduzidos.

O segundo colocado na lista, livro vermelho de Mao Tse-Tung, tem apenas um sexto de cópias que a bíblia e era vendido em caráter obrigatório a todos os membros do Partido Comunista, além da determinação de ser lido em todas as escolas e a obrigação de todas as famílias chinesas terem o exemplar.

Outro livro também relacionado à religião que tem um grande volume de vendas é o Corão, com 800 milhões de cópias distribuídas. Segundo o The Christian Post O livro sagrado islâmico foi escrito originalmente em árabe e apenas recentemente foi traduzido para outras línguas. Porém as versões traduzidas não são consideradas o Corão original, mas apenas textos explicativos dele.

Entre outros livros de grande sucesso podemos citar a saga Harry Potter que teve cerca de um bilhão de exemplares vendidos, se somarmos os sete volumes da série e o também infanto-juvenil As Crônicas de Nárinia, de escritor cristão C.S. Lewis, vendeu 110 milhões de cópias em todo o mundo.

Fonte: Gospel+

 

Jogador de futebol é preso por ter tatuagem de Jesus Cristo

10 de outubro de 2011

 

Um jogador de futebol foi detido em Riad, capital da Arábia Saudita, por exibir uma tatuagem com a imagem de Jesus Cristo. O colombiano Juan Pablo Pino, jogador do Al Nasr, passeava em um shopping da cidade com sua família, quando alguns cidadãos passaram a insultá-lo. Devido ao tumulto, a polícia foi chamada e o jogador, detido para prestar depoimento.

Pino estava com uma camiseta sem mangas e com a tatuagem à mostra. Por isso, foi acusado de quebrar as regras do wahhabismo, uma versão mais rigorosa do Islamismo. Em nota o clube divulgou declarações de Pino, que afirmou estar “profundamente triste” com o episódio e que havia comprado uma roupa muçulmana para sua esposa, para que ela saísse “de maneira respeitosa”.

O jogador ainda ressaltou que o tumulto tomou proporções maiores devido aos torcedores de equipes adversárias do Al Nasr, que exploraram o episódio para prejudicar o clube. Jornais de Riad noticiaram que a esposa do jogador pediu que ele rescinda o contrato com o clube e deixe o país, o que não foi confirmado.

Segundo a agência de notícias EFE, o Xeque Mohammed Nayimi, um dos clérigos mais respeitados da Arábia Saudita, afirmou que jogadores devem respeitar as leis do país, e pediu que os contratos dos clubes com os jogadores estrangeiros tenham cláusulas que os obriguem a esconder suas tatuagens. Essa não é a primeira vez que uma tatuagem com símbolos religiosos provoca tumulto. Em 2010, um jogador exibiu uma tatuagem com uma cruz após marcar um gol e foi duramente criticado por torcedores e pela imprensa.

Fonte: Gospel+

 

Universitário iraniano é preso por pregar evangelho

 

As forças de segurança do governo iraniano prenderam um estudante universitário na frente de sua casa, com base na acusação de que tem evangelizado e propagado o cristianismo na universidade. Até agora não se tem nenhuma informação sobre o paradeiro do estudante.

De acordo com relatos recolhidos pela Mohabat News, o jovem de 24 anos, chamado Mostafa Zangooyee, foi preso por policiais à paisana da força de segurança, ao sair de casa, tendo sido levado a um local não revelado.

Agentes da força de segurança, posteriormente, contataram os pais do jovem e lhes informaram sobre a prisão e as acusações feitas contra seu filho. Os policiais afirmaram que a acusação contra o jovem foi de evangelização e propagação da fé cristã no campus da universidade.

Mostafa Zangooye é um estudante universitário nascido em Gachsaran, uma cidade na parte sul do Irã, e permanece sob custódia da polícia; sua condição atual e seu paradeiro permanecem desconhecidos.

Recentemente, um dos jornais diários do Irã, o Keyhan – que é administrado pelo governo e cujo editor-chefe foi nomeado pelo aiatolá Khamenei – publicou uma reportagem sobre um professor universitário que foi demitido por propagar o cristianismo na universidade onde lecionava.

Esse jornal está alertando o povo sobre os perigos do rápido crescimento da fé cristã entre os estudantes universitários e também entre professores. O corpo docente relatou que um professor foi demitido de seu emprego na Universidade Livre do Irã, na cidade de Ahvaz, província do Khuzistão.

Gospel+

 

Pastor Yousef Nadarkhani deve continuar preso por pelo menos mais um ano

 

O chefe do judiciário no Irã, Sadegh Larijani, pediu o adiamento do julgamento do pastor Yousef Nadarkhani. Segundo informações do site A Su Nombre Gloria Nadarkhani deverá permanecer na prisão por mais um ano.

O tribunal do Irã pediu para que o julgamento fosse atrasado e que durante esse período o pastor continue detido.

A intenção do atraso é dispersar a atenção internacional do caso, que vem causando diversas manifestações pelo mundo, uma vez que diversas autoridades internacionais já se manifestaram a respeito da soltura do cristão dizendo que o Irã estaria ferindo aos direitos humanos de crença.

Segundo o advogado de Nadarkhani, a sentença de morte do pastor provavelmente será confirmada, pois o aiatolá Ali Khamenei, líder do Supremo Tribunal iraniano, faz parte da alta autoridade dos políticos religiosos xiitas e deve confirmar a sentença já dada pelo tribunal de Gilan baseada na Lei Sharia.

Nadarkhani está preso desde 2009 sob a acusação de apostasia, por ter se desligado do Islã e se convertido ao cristianismo. O pastor tem sido assediado por autoridades muçulmanas para voltar ao islamismo, porém ele não aceitou negar sua fé em Jesus nas quatro chances dada pelas autoridades iranianas, o que o levou a ser condenado ao enforcamento.

Fonte: Gospel+

 

Caso do Pastor Nadarkhani foi levado à ONU; Embaixada afirma que Pastor está livre da sentença de morte

 

O caso do Pastor Yusef Nadarkhani foi levado à Assembleia Geral de Assuntos Sociais da ONU pelo representante do “Comitê de Assuntos Humanitários”, Ahmed Shaheed, que pediu ao Governo do Irã que liberasse o Pastor: “Estamos particularmente perturbados por uma recente decisão do Supremo Tribunal (do Irã) de ter sustentado uma sentença de morte para Yousef Nadarkhani, um pastor protestante que supostamente nasceu de pais muçulmanos, mas se converteu ao cristianismo quando tinha 19 anos”. Após o discurso, a Embaixada do Irã no Brasil informou que o Pastor Yusef Nadarkhani, está livre da sentença de morte.

Nadarkhani foi preso e condenado sob a acusação de transgredir a Lei Sharia, pois abandonou a religião islâmica e se converteu ao cristianismo. A Lei Sharia é o conjunto de regras que regem a religião muçulmana, e o Irã, que é um país teocrata, leva as recomendações da religião à risca.

A Lei Sharia prevê pena de morte para o muçulmano que abandonar a religião de seus pais, caso ele não renuncie sua nova religião. O Pastor Yusef Nadarkhani se recusou a negar sua conversão ao cristianismo, e foi condenado à morte. Devido à repercussão internacional e pressão de diversos países, o caso do Pastor agora teve uma reviravolta. Ainda não foi informado se o Pastor continuará preso, ou se será libertado.

Recentemente o site da ACLJ (Centro Americano para Lei e Justiça) informou que o Serviço Secreto do Irã estaria oferecendo livros e folhetos muçulmanos ao Pastor. As suspeitas são de que o Governo do Irã esteja tentando convencer o Pastor a negar o cristianismo ou fazê-lo ofender o islamismo, para ter provas de que ele desrespeitou a religião oficial do país.

Segundo o site Exibir Gospel, o caso de Nadarkhani não é o único no mundo. O informativo de 2010 de Liberdade Religiosa no Mundo afirma que cerca de 350 milhões de cristãos sofrem perseguição ou discriminação, e 200 milhões destes cristãos sofrem risco de morte.

Fonte: Gospel+

 

Sentença de morte do Pastor Nadarkhani é cancelada: processo será revisado

O caso do Pastor Yusef Nadarkhani ganhou uma reviravolta, segundo o Centro Americano pela Lei e Justiça (ACLJ), que informou que o Supremo Tribunal do Irã anunciou que o veredito que condenava Nadarkhani à pena de morte por enforcamento foi cancelado, e deverá passar por uma revisão.

Desde que a notícia que o Pastor iraniano havia sido condenado à morte por se recusar a negar a Cristo, diversos países do mundo iniciaram um movimento de pressão ao Irã, para que a pena de morte fosse anulada.

Aqui no Brasil, além de entidades de Direitos Humanos que organizaram abaixo-assinados para enviar aquele país, alguns parlamentares, como o Bispo Marcelo Crivella e o Pastor Marco Feliciano, discutiram o caso e cobraram do Ministério das Relações Exteriores que interviesse junto ao Irã, porém o governo da Presidente Dilma se mantém em silêncio em relação ao assunto.

A nota do Supremo Tribunal do Irã afirma que “devido a algum defeito no processo de Nadarkhani, seu caso foi enviado à corte local para ser revisado e completado em alguns pontos”, e determina que após a revisão do caso “para correção de detalhes e eliminação dos defeitos, o veredicto será emitido novamente, e se o réu recorrer, então o caso será enviado à Corte Suprema, onde a setença definitiva será publicada”.

Fonte: Gospel+ 14.10.11

 

No julgamento que aconteceu na quarta-feira, 28, o pastor Yousef Nadarkhani voltou a afirmar sua fé em Jesus Cristo e de acordo com a Sharia [lei islâmica] ele foi condenado pelo crime de apostasia (abandonar o islamismo) e sentenciado a morte por enforcamento.

Na noite de ontem a ACLJ (Centro Americano pela Lei e a Justiça) chegou a divulgar uma nota dizendo que um dos juízes havia revogado essa sentença, mas que essa informação não era certa, já que pode ser apenas uma mentira espalhada pelo serviço secreto iraniano para enganar os meios de comunicação que estão acompanhando o caso.

Representantes do Portas Abertas também receberam essa informação, mas não há certeza do que pode acontecer com o pastor. O ministério também informou que a família de Nadarkhani está bastante abalada, inclusive sua esposa está em estado de depressão.

“Estou em contato com o Irã”, disse uma fonte próxima a família do pastor para o Portas Abertas. “Mas as notícias não são muito boas, mas vamos esperar. Se eles realmente quiserem, eles podem matá-lo porque ele se recusou a negar sua fé. Deixamos tudo nas mãos de Deus.”

Para o Compass Direct, uma fonte informou que eles podem matar o pastor Nadarkhani a qualquer momento. “Eles podem enforcá-lo ao meio dia ou então daqui a 10 dias. Às vezes entregam o corpo para a família junto com o veredito. Eles têm ultrapassado as fronteiras da lei”.

Fonte: site GNOTÍCIAS (GOSPEL+) 29/09/11

Campanha mundial pela vida de Rimsha, menina cristã que pode ser condenada à morte por blasfêmia, quer reunir 1 milhão de assinaturas

 

 A menina Rimsha, que pode ser condenada à morte por blasfêmia contra o Alcorão, tornou-se alvo de uma campanha mundial que clama por clemência.

Rimsha é de família cristã, tem 11 anos de idade e sofre de deficiência mental, e foi acusada de blasfêmia por ter rasgado e queimado páginas do livro sagrado do Islã.

Leia mais...