Editora HAGNOS

Comentários

Em casados e felizes o autor compara o casamento com uma mala velha, pesada e negativa, mas é sugestiva. Quando no casamos, levamos para casa uma mala com o nosso enxoval. Nesse enxoval, levamos não apenas roupas e material de cama, mesa e banho, mas também nossos hábitos, manias, cultura, idiossincrasias, vícios e deformidades.

 Quando desfazemos essas malas e ajuntamos nossas tralhas, algumas coisas ficam sobrando, e essas coisas incomodam, e muito.

 Deveríamos ser mais sensíveis ao nosso cônjuge e menos apegado a essas relíquias e antiguidades que transportamos nessa mala velha e sem alça.

 Todo casamento é um campo a ser cultivado. E renúncia. Não há casamento perfeito nem casamento ideal. Não existe essa ideia de suas pessoas completamente compatíveis. Um casamento feliz é construído com inteligência, dedicação e esforço.

  

Hernandes Dias Lopes é pastor de confissão presbiteriana. Aos 56 anos de idade, é considerado hoje uma referência em diversos ambientes denominacionais, sendo frequentemente requisitado para pregações e conferências em eventos e igrejas de linha histórica, reformada e pentecostal. Começou a carreira ministerial com a graduação em teologia pelo Seminário Presbiteriano do Sul, em Campinas (SP), em 1981. No ano seguinte, assumiu o púlpito da 1ª Igreja Presbiteriana de Bragança Paulista (SP). Em 1985, tornou-se titular da 1ª Igreja Presbiteriana de Vitória (ES), onde permanece até hoje.

 

Dono de sólida formação acadêmica - é doutor em Ministério tem doutorado em Ministério pelo Reformed Theological Seminary, do Mississippi (EUA).

EDITORA PEREGRINO

 

 

Algumas pessoas dizem que os cristãos jamais devem estar deprimidos. Tenho problema com esta afirmação, uma vez que sou tetraplégica e luto contra um câncer e com dores diariamente. 

Amo meu Salvador, sou apaixonada por Seu Evangelho e aprecio o ministério que Ele me deu. Mas isso não me exclui de vez em quando tropeçar no fosso lamacento de emoções escuras. Entusiasticamente endosso este livro e o recomendo para pastores, famílias, líderes e conselheiros cristãos!” - Joni Eareckson Tada.
 

Neste trabalho dolorosamente honesto, Dr. Somerville explica que a depressão não se restringe ao mundo secular. 
  

Ao longo da história, homens e mulheres de Deus - entre eles Martinho Lutero e Charles Spurgeon - sofreram nas trincheiras profundas de emoções escuras. Mas a Palavra de Deus promete vitória, aparentemente inalcançável, no final da tribulação, e uma nova força surge forjada a partir da adversidade e da dor na nova luz que segue a escuridão do desespero. 
 

 Você não está sozinho. Nesse livro, Se eu sou um cristão, Por que estou deprimido?, você encontrará não só o testemunho do autor, mas também de outros que têm lutado com depressão e através da oração e do aconselhamento bíblico tem vencido ao abraçar o amor restaurador de Cristo.

Editora  HAGNOS

 “Portanto, ide e fazei discípulos de todas as nações...”. Há poucos textos bíblicos mais conhecidos e citados do que esse, frequentemente denominado de a “Grande Comissão”.

Através dos séculos, essas palavras de Jesus têm inspirado milhões de crentes a levar o Evangelho aos lugares mais remotos da Terra.

Uns têm dado dinheiro; outros têm dado a vida. Uns foram bem recebidos; outros morreram como mártires nas mãos daqueles que esperavam evangelizar.

Em obediência a essas palavras, têm sido igrejas estabelecidas, escolas e hospitais, construídos; injustiças, desfeitas; mulheres oprimidas por tradições ancestrais, libertas, como também se têm ensinado milhões de pessoas a melhorar suas criações, a cuidar de sua saúde e a ler.

Se essa fosse toda a história, teríamos razões de sobra para nos gloriarmos e nos orgulharmos.

Mas existe também o outro lado. Através dos séculos, e até o dia de hoje, têm existido cristãos que utilizaram, e ainda utilizam, as palavras de Jesus para seus propósitos imperialistas ou de lucros.

Tem existido cristãos que, tomando o mandato missionário como índice de sua própria superioridade, e, com esse sentido de superioridade, têm destruído culturas e civilizações, estabelecido e defendido regimes despóticos, recorrido às armas para forçar os mais fracos a crer e justificado o injustificável.

Tudo isso dá ao estudo da história das missões sua importância e sua urgência. A história da expansão do cristianismo é, por sua vez, inspiradora e aterradora, servindo-nos de chamado e advertência.

 

Chama-nos a seguir a linha esplendorosa daqueles que antes de nós deram testemunho de sua fé. E nos adverte do perigo de imaginar que, por sermos cristãos fieis, não precisamos nos preocupar com as consequências de nossas ações e de nossas atitudes.


Justo L. González, de origem cubana e residente nos Estados Unidos, é um escritor e conferencista de trajetória reconhecida. Estudou no Seminário Evangélico de Teologia de Matanzas (Cuba), obteve o doutorado em teologia na Universidade de Yale (EUA). Foi professor do Seminário Evangélico de Porto Rico e na Candler School of Theology de Atlanta (Geórgia, EUA). É membro fundador da Asociación para la Educación Teológica Hispana, diretor do Programa Hispano de Verano e professor visitante do Princeton Theological Seminary. Autor de muitos livros, entre os quais figuram História do movimento missionário, Atos do Espírito Santo, Introdução à teologia cristã, Breve dicionário de teologia e Culto e cultura todos editados pela Editora Hagnos.

 

Carlos Cardosa Orlandi é doutor em missões pelo seminário teológico de Princeton de New Jersy, nos Estados Unidos, e atualmente é professor de cristianismo mundial no seminário teológico de Columbia, em Decatur, Georgia, Estados Unidos.

Editora: Thomas Nelson Brasil

 

Comentários:

As nossas obras têm algum efeito sobre nossa salvação?

Desde os tempos dos apóstolos Paulo e Tiago, os cristãos têm tentado definir a relação correta entre fé e obras.

Por um lado, Paulo afirma que salvação “não [é] por obras, para que ninguém se glorie” (Efésios 2:8-9).

Por outro, Tiago oferece uma visão diferente: “Mostre-me a sua fé sem obras, e eu lhe mostrarei a minha fé pelas obras” (2:18).

Seria possível conciliar essas duas visões aparentemente divergentes da verdade bíblica?

Em seu estilo característico e convincente, John MacArthur, um dos teólogos mais respeitados da modernidade, mostra que sim e encara de frente algumas das questões mais difíceis do Cristianismo.

Este livro, que já se tornou referência, é uma obra para todos os cristãos.

“O evangelho segundo os apóstolos é o mesmo evangelho que Jesus pregava”, afirma o Dr. MacArthur, “mas é dramaticamente diferente da mensagem diluída que hoje goza de tanta popularidade. Oro para que este livro lhe sirva como encorajamento em seu esforço de pôr em ação a sua própria fé.”

Comentários Expositivos Hagnos - Apocalipse

Hernandes Dias Lopes

 “O Apocalipse é sem dúvida um livro de revelações. O autor demonstra como a mensagem deste livro é atual e seu propósito relevante para hoje. Indo além da especulação futurista, expõe com clareza como o consagrado livro de profecias abriga uma mensagem de esperança que orienta os rumos e o propósito da história. O último livro bíblico, comentado por um brasileiro, está agora ao seu alcance”.
 

Hernandes Dias Lopes é pastor de confissão presbiteriana. Aos 56 anos de idade, é considerado hoje uma referência em diversos ambientes denominacionais, sendo frequentemente requisitado para pregações e conferências em eventos e igrejas de linha histórica, reformada e pentecostal. Começou a carreira ministerial com a graduação em teologia pelo Seminário Presbiteriano do Sul, em Campinas (SP), em 1981. No ano seguinte, assumiu o púlpito da 1ª Igreja Presbiteriana de Bragança Paulista (SP). Em 1985, tornou-se titular da 1ª Igreja Presbiteriana de Vitória (ES), onde permanece até hoje. 

Dono de sólida formação acadêmica - é doutor em Ministério tem doutorado em Ministério pelo Reformed Theological Seminary, do Mississippi (EUA).

 

Hernandes é um dos escritores cristãos mais prolíficos da atualidade. Tem mais de 100 obras publicadas, com destaque para a série Comentários Expositivos Hagnos, títulos na área de família, como Casamento, Divórcio e Novo Casamento, Casados & Felizes e Mães Intercessoras, obras de teologia e espiritualidade como A Segunda Vinda de Cristo e sucessos editoriais, como Morte na Panela, Escolhas Perigosas e Pregação Expositiva.

EDITORA FIEL

 

DESCRIÇÃO

Guerras e rumores de guerras, terremotos, desastres naturais, revoluções internacionais. Jesus disse que todas essas coisas precederiam sua volta, no fim dos tempos. Parece até que Jesus estava descrevendo nossa época atual. Mas será que ele estava mesmo prevendo os eventos que vemos diariamente nos jornais?
 

Neste volume da série Questões Cruciais, o Dr. R. C. Sproul examina a profecia de Jesus sobre o fim dos tempos para responder à importante pergunta: Estamos vivendo nos últimos dias? Talvez a resposta o surpreenda, mas este livro o ajudará a interpretar cuidadosamente as profecias de Jesus, enquanto o grande dia de sua volta é aguardado.


R. C. Sproul é o fundador e presidente do Ministério Ligonier, localizado em Sanford, na Flórida. Ele também serve como pastor, pregando e ensinando na Saint Adrew's Chapel, e é presidente da Reformation Bible College.

 

Editora Fiel

 

DESCRIÇÃO

 

A mensagem proclamada hoje por muitos cristãos não é o evangelho segundo Jesus. É verdade que Jesus ensinou boas-novas, mas Ele não ensinou o crer fácil que assola o movimento evangélico contemporâneo. Muitos hoje entendem levianamente a salvação, por ignorarem as advertências de Jesus: de que o custo do discipulados é elevado, de que o caminho é estreito e de que nem todo aquele que o chama de Senhor será aceito no reino de Deus. O Evangelho Segundo Jesus ensina com clareza que não há vida eterna sem rendição ao senhorio de Cristo. 


Em O Evangelho Segundo Jesus, MacArthur não trata de assunto ou assuntos externos à fé, mas da questão central de tudo, ou seja, o que significa ser um cristão?... Se o livro de MacArthur conseguir desarraigar a muitos de seus leitores desse evangelho fraco e dessa falsa confiança, como creio que o fará, O Evangelho Segundo Jesus poderá ser um dos livros mais importantes de seu tempo! - James Montgomery Boyce.


Este livro é uma leitura obrigatória para todo cristão, especialmente para todos aqueles que estão em posição de liderança [na igreja]... A necessidade mais profunda das igrejas em nosso país é uma apresentação clara do evangelho... Há muito necessitamos desta cuidadosa análise de John MacArthur sobre as questões do evangelho. - David Hocking.

 

John MacArthur, nascido em 1939, é um dos líderes evangélicos mais preeminentes de nossos dias. Seus livros, pregações e ministério têm atingido milhões de pessoas, em todo o mundo. Ele exerce seu ministério pastoral na Grace Community Church, em SunValley, Califórnia desde 1969. É presidente do The Master`s College and Seminary e do ministério Grace to You.

DESCRIÇÃO

 

O PERÍODO INTERBÍBLICO


400 anos! Esse é o tempo que decorre entre o fim do Antigo Testamento e os acontecimentos do Novo Testamento. Esse tempo é conhecido como Período Interbíblico, que marca o silêncio profético de Malaquias até a pregação de João Batista. 

Durante muito tempo, esse período de silêncio recebeu muita atenção. Contudo, por meio deste livro, o respeitado pastor e professor Enéas Tognini, mostra-nos a importância deste período para a compreensão do Novo Testamento, sobretudo os evangelhos. 

Além de conduzir o leitor a uma viagem de Abraão e Malaquias, O período interbíblico revela as transformações pelas quais o judaísmo passou entre os persas, os gregos e os romanos até se tornar o que nos dias de Jesus. Também como surgiram as principais seitas do judaísmo, como os saduceus, os fariseus e os enigmáticos essênios. E o mais importante: explica como Deus agiu na preparação social e espiritual do mundo para a vinda do Messias.

Editora Fiel

DESCRIÇÃO

Neste livro esclarecedor, o conhecido autor Pr. John MacArthur Jr. identifica e confronta as três tendências que debilitam as igrejas modernas:

 Psicologia. A igreja se tornou tão encantada com a psicologia humanista, que o aconselhamento fundamentado na bíblia parece simplista e vulgar. MacArthur vê, por parte daqueles que praticam a “aconselhamento cristão”, uma tendência de usar teorias seculares destituídas de princípios bíblicos. O âmago da questão é este: a psicologia não é a cura para o pecado. Esta cura é o arrependimento; e somente a Bíblia contém ajuda suficiente para satisfazer mais profundas e íntimas do ser humano. 

Pragmatismo. As igrejas modernas estão iludindo as pessoas com estímulo e entretenimento, diz MacArthur. Um tipo de “evangelicalismo burlesco” tem substituído a oração. Estas acabam provendo aos incrédulos o que eles desejam, e não o que as Escrituras ensinam. 

Misticismo. Cada vez mais, as igrejas estão se voltando as experiências fascinantes que promovem visões, intuição e revelação especial, acima da precisão doutrinária e de exegeses consistente. Em particular, MacArthur expõe os movimentos de “sinais e maravilhas”, “Guerra Espiritual”, bem como o falso evangelho que promove a saúde, a riqueza e a prosperidade. Os proponentes destes movimentos reivindicam que estas coisas são evidências de espiritualidade, mais elevadas, mais amplas, mais profundas e mais completas. No entanto, MacArthur contende o que eles são. Na realidade, pobres da presença permanente e suficiente de Cristo.

 

Editora Letras

 

DESCRIÇÃO

 

Alcançar a simplicidade na pregação é de extrema importância a todos os ministros que desejam ser úteis às almas. A não ser que você seja simples em seus sermões você nunca vai ser entendido, e se não for compreendido, você não pode fazer o bem aos que lhe ouvem. O ditado de Quintiliano é verdadeiro: “Se você não anseia ser entendido, você é digno de ser esquecido”. O primeiro objetivo de um ministro deve ser o de pregar a verdade, toda a verdade, e nada mais que “a verdade como ela é em Jesus”. Mas a próxima coisa que ele deve visar é que o sermão seja entendido, e este não será entendido pela maioria dos ouvintes se não for simples. John Charles Ryle (1816-1900) foi bispo da Igreja Anglicana, em Liverpool. Seu ministério foi marcado por sua fidelidade a Deus e por uma grande tenacidade e clareza na pregação e no ensino da Palavra. Seus livros e sermões têm sido traduzidos e publicados em diversos idiomas. Sua mensagem, mesmo mais de cem anos após sua morte, continua atual, trazendo exortação e ensino a todos aqueles que desejam viver de maneira digna do Evangelho.

DESCRIÇÃO

 

Uma das marcas essenciais à saúde da igreja é a centralidade da pregação expositiva. Em “Pregue”, Mark Dever e Greg Gilbert explicam como Deus exerce seu poder e derrama graça ao seu povo através das Escrituras, fazendo delas a base de todo relacionamento que temos com ele.

 

Os autores oferecem conselhos práticos sobre como decidir que textos pregar, como preparar o esboço do sermão, e sobre como avaliar seus sermões de modo bíblico. Além disso, estão inclusos esboços de sermões dos autores e comentários sobre como foram planejados e entregues.

DESCRIÇÃO

 

O poder real na pregação, ou seja o poder que traz o verdadeiro avivamento e transforma vidas, vem somente de Deus? Está é a razão por que é essencial seguirmos o padrão para a pregação apresentando na Escritura. O apóstolo Paulo nos apresenta esse padrão em 1 Coríntios 2.1.9.

 

Steven J. Lawson,  há muito tempo pastor e expositor da Bíblia, ajuda você a cumprir sua eminente chamada no ministério, à medida que entende…

 

A prioridade de pregação bíblica – a principal obrigação de cada pastor;

A pobreza da pregação moderna – o que está faltando nos púlpitos hoje;

O poder do Espírito na pregação – o que faz a diferença entre ministério de púlpito eficaz e ministério de púlpito ineficaz.
 

Você recebera uma abundância de orientação e encorajamento, enquanto explora a questão de como realizar o ministério de Deus de uma maneira que o honra.

DESCRIÇÃO

 

Imitai a fé que tiveram…


 

Este jovem clássico da leitura cristã é resultado de décadas de estudos realizados pelo Dr. J. I. Packer, erudito anglicano que nos apresenta, de modo vívido e inspirador, uma visão profunda, histórica, bonita e exemplar da vida espiritual e do ensino de grandes homens do passado, os quais ele chama de “gigantes de Deus”, como John Owen, Richard Baxter, Jonathan Edwards, entre outros.


Vemos aqui como esses homens abordaram questões de grande importância para a fé e a teologia, como sua visão acerca da Bíblia, do culto, da família, da igreja, da ação social e da espiritualidade.

Leia mais...

Editora Hagnos

DESCRIÇÃO

O que aconteceria se os cristãos de uma igreja em certa cidade se comprometessem durante uma no inteiro a não fazer nada sem antes perguntar: Que Faria Jesus em meu lugar? É esta a situação apresentada por este livro. Seguir os passos de Jesus trouxe muita alegria a inúmeros cristãos, mas também causou incompreensão, conflito e sofrimento para alguns. Afinal, tal decisão significava dispor livremente de bens materiais, talentos e carreiras por amor a Cristo. Em Seus Passos que Faria Jesus? Desafia os cristãos a seguir os passos de Cristo em qualquer circunstância. Este livro proporciona profunda reflexão, entretenimento e desafios raramente encontrados na literatura cristã. Charles Monroe Sheldon nasceu em 1857 e cresceu em Dakota. Estudou na Brown University, e ali ele fundou o que denominou de a primeira Escola Dominical para tintureiros chineses nos Estados Unidos. Sheldon estudou no AndoverTheologicalSeminary. Ele tornou-se ministro rm uma igreja em Waterbury, Connecticut, onde conheceu a jovem, Mary Merriam, que se tornaria sua esposa. Em 1889, ele mudou-se para o oeste tornando-se pastor de uma igreja recém-criada, a Central CongregationalChurch, em Topeka, Kansas. Em 1892, a ideia de jardins da infância, importada da Alemanha, chegou aos Estados Unidos. Um ano depois, com a ajuda dos membros de sua congregação, Sheldon deu inicio a dois jardins de infância, um em sua igreja, e outro em Tennesseetown, o primeiro jardim da infância para afro-descendentes, a oeste do Mississippi. No verão de 1896, ele começou a escrever Em Seus Passos. Ele leu o primeiro capítulo para sua congregação na noite de 4 de outubro de 1896. Sheldon aposentou-se do púlpito em 1919, mas continuou trabalhando, tonando-se o editor chefe do jornal Christian Herald em 1920. Em 24 de fevereiro de 1946, dois dias antes de completar 89 anos, Charles Sheldon depois de um derrame, faleceu. 

 

DESCRIÇÃO

Jonathan Edwards é uma das figuras mais extraordinárias da história norte-americana. Certamente o teólogo mais brilhante nascido na América, Edwards foi um atencioso pastor, um renomado pregador, missionário, biógrafo, filósofo, presidente de Universidade, marido amoroso e pai afetuoso de onze filhos.

George M. Marsden, um autor erudito e premiado, realizou uma meticulosa e extensa pesquisa sobre a vida de Jonathan Edwards para preparar esta edição especial. O resultado é uma obra concisa, clara, de leitura agradável e com reflexões que ajudarão o leitor a valorizar o rico legado de Edwards.

Uma obra prima. Este pequeno volume demonstra o profundo conhecimento de Marsden sobre Edwards e uma compreensão aguda das raízes da fé cristã na América. Um livro que deve ser lido por todos, especialmente pastores e pregadores que desejam ser fieis e, ao mesmo tempo, engajados na cultura de seu próprio tempo.
Tim Keller, pastor e escritor, Redeemer Presbyterian Church

Marsden é o mais destacado historiador de Edwards de nossos dias. Com seu estilo claro e cativante, ele traz o mais famoso intelectual da América Colonial à vida como nenhum outro erudito o faz.
Harry S. Stout, professor e pesquisador, Yale University

Editora Cultura Cristã

 

DESCRIÇÃO

 

Cinquenta razões por que Jesus sofreu e morreu 

As mais importantes perguntas que alguém pode fazer são: por que Jesus Cristo foi crucificado? 

Por que ele sofreu tanto? 

O que isso tem a ver comigo? 

E, finalmente, quem o enviou para a morte? 

A resposta à última pergunta é: Deus. Jesus é o Filho de Deus. 

O sofrimento foi incomparável, mas o todo da mensagem bíblica conduz a essa resposta. 

Por que Cristo sofreu e morreu? O assunto central na morte de Jesus não é a sua causa, mas seu significado – o significado de Deus. 

Este livro trata exatamente disso. John Piper reuniu cinquenta razões retiradas do Novo Testamento. 

Não cinquenta causas, mas cinquenta propósitos – em resposta à mais importante pergunta que cada um deve enfrentar: o que Deus fez por pecadores como nós ao enviar seu Filho para morrer? John Piper é pastor titular da Bethlehem Baptist Church, em Minneapolis, e autor de vários livros.

 

EDITORA FIEL

DESCRIÇÃO

O que a Bíblia diz sobre a Bíblia? Como isso nos ajuda a levar Deus a sério?

O autor Kevin DeYoung preparou uma introdução clara e acessível sobre a Bíblia, que responde a perguntas importantes levantadas por cristãos e não cristãos.

Este livro o ajudará a entender o que a Bíblia diz a respeito de si mesma e o que a torna tão significativa e relevante em todos os tempos.

Sem fazer uso de termos técnicos ou difíceis, este livro o auxiliará a crer na Bíblia, compreendê-la e, assim, levar Deus a sério.

Sinopse

Tributai ao Senhor a glória devida ao seu nome, adorai o Senhor na beleza da santidade.

Este é o tema das Escrituras, o tema da eternidade, o tema da história da redenção - adorar o verdadeiro, vivo e glorioso Deus. A adoração é o assunto central em toda a criação! Então, por que a tratamos como se fosse apenas o que cantamos ou oramos na igreja nas manhãs e noites de domingo?

O pastor John MacArthur conduz o leitor a uma clara descoberta de passagens bíblicas sobre quem e como adorar. Você aprenderá que a adoração é qualquer expressão essencial de culto prestado a Deus por uma alma que o ama e o exalta por aquilo que Deus é. Consequentemente, a verdadeira adoração deve ser a atividade em tempo integral e ininterrupta de todo cristão.

Então, prepare-se para mudar suas prioridades, com um objetivo maior que entreter os adoradores nas manhãs e noites de domingo. Este livro mostra que sua prioridade máxima deve ser sempre adorar o Deus vivo e verdadeiro, com um tipo de vida radicalmente diferente que busque exaltá-lo continuamente!