• Terroristas voltam a atacar igrejas no Quênia e deixam 15 cristãos mortos

 

Mais uma onda de ataques contra igrejas no Quênia é realizada por terroristas, desta vez, 15 cristãos foram mortos e várias pessoas ficaram feridas. De acordo com as autoridades do país, os terroristas utilizaram granadas para atacar duas igrejas que ficam na cidade de Garissa, no interior da África, próximo à fronteira com a Somália. O grupo Al-Shabab é o principal suspeito da autoria do atentado.

De acordo com informações de Kevin Mwachio, correspondente da BBC, na capital Nairóbi, o grupo terrorista disparou vários tiros contra a igreja onde estava sendo realizado um culto, logo após, eles lançaram granadas dentro do templo, os que tentaram fugir foram alvejados com tiros. Os ataques aconteceram pela manhã, deixando por volta de 40 feridos, alguns em estado grave, além de 15 que vieram a óbito.

No mesmo momento em que ocorria o primeiro ataque, um templo da igreja Católica também foi alvejado pelos terroristas na mesma cidade, granadas foram lançadas dentro da igreja deixando mortos e feridos. O chefe de polícia que acompanhou o caso falou sobre o atentado, “É uma cena terrível, ver os corpos estendidos, dentro das igrejas”.

A agência de notícias AFP informou que o Conselho Supremo do Quênia condenou os ataques, e afirmou que “todos os lugares de culto devem ser respeitados”.

Fonte: Gospel+

 

Cristãos da Índia falam sobre mudança de vida proporcionada por trabalho missionário da Portas Abertas

16 de junho de 2012 

 

Há cerca de dois anos, comunidades cristãs dos vilarejos de Badabanga e Bandabaju, montanhas de Kandhamal, no estado de Orissa, na Índia, estavam desabrigadas desde que extremistas hindus irromperam em violência em agosto de 2008, matando 120 cristãos, destruindo centenas de igrejas e derrubando 6 mil casas na região. Cerca de 52 mil cristãos ficaram desalojados em Orissa.

Expulsos de seus vilarejos, os cristãos sobreviventes foram avisados que somente teriam permissão para voltar se renunciassem sua fé em Cristo. Decididos a não abandonar sua fá, esses cristãos sem terra não tiveram nenhuma fonte de renda. Os negociantes hindus não os empregavam mais como diaristas para cortar pedras. As mulheres foram banidas das florestas, onde sempre tinham estado, juntando folhas para fazer pratos de folhas e vendê-los. Pais temerosos não ousavam mais enviar seus filhos para a escola, onde eram firmemente discriminados pelos colegas hindus.

“Eles precisavam ser capacitados, não alimentados, de forma a recuperar sua dignidade e sua vida”, explicou um obreiro de campo da Portas Abertas, sobre o trabalho que foi iniciado na região. A entidade começou há dois anos, um trabalho de estudo bíblico e uma série de atividades voltadas para o desenvolvimento urgente e necessário da comunidade local, onde a maioria dos adultos não sabia sequer ler e escrever.

Com o tempo, o trabalho foi estendido também entre as crianças hindus, que chegaram a superar as cristãs em números entre os que se juntavam para ouvir histórias do Evangelho e mensagens cristãs em um ambiente positivo.

Hoje, os cristãos da região falam sobre a mudança de vida causada pelo trabalho missionário do local e mostram suas esperanças em ter uma vida ainda melhor.

Balma Digal, uma viúva com três filhos e uma sogra de 70 anos para cuidar, conta hoje sobre os resultados dos trabalhos do Portas abertas no local: “Estava além de minha imaginação que eu pudesse ter uma bela casa para minha família”.

Através de várias iniciativas de Portas Abertas, Balma aprendeu a ler e a escrever, seus filhos entraram na escola-ponte para continuar seus estudos e, agora, tem sua própria casa.

“Eu creio que um dia, nosso vilarejo será definitivamente um modelo para os outros!”, disse Sunil Nayak, de Bandabaju. Após perder tudo e lutar para sobreviver, ele e sua família tinham vivido sob uma cobertura de plástico. “Durante o verão, sentíamos o calor escaldante nos fazendo derreter. Na estação das chuvas, a água jorrava para dentro e, algumas vezes, o vento levava nosso abrigo para longe. No inverno, nós tremíamos enquanto dormíamos no chão. Mas agora minha família pode permanecer junta e ser protegida do calor, da chuva e do frio. É difícil acreditar que tenho minha própria casa! Agradeço a Deus por enviar a Portas Abertas para o meu vilarejo”.

Fonte: Gospel+

 

Famílias evangélicas têm suas casas destruídas e incendiadas por católicos tradicionalistas

19 de junho de 2012 

 

No final da última semana 19 casas de famílias indígenas foram destruídas por um grupo de católicos tradicionalistas na comunidade Yashtinin, município de San Cristóbal de Las Casa, em Chiapas no México. O motivo da violência foi o fato dessas famílias professarem a fé protestante. Além de terem suas casas destruídas, e uma delas incendiada, as famílias foram expulsas do município.

A perseguição religiosa está presente há anos na etnia tzotzil, mas a tensão entre os grupos se tornou mais intensa nos dias que antecederam o ato de violência, quando um grupo de católicos ameaçou expulsar do povoado os evangélicos, se estes não rejeitassem sua fé e se submetessem publicamente ao catolicismo e aos seus costumes.

Segundo o site Acontecer Cristiano, após a celebração de um culto no domingo (10), na igreja Maranata, os católicos encarceraram os evangélicos em uma prisão rural e, após os libertar, afirmaram que eles não tinham mais o direito de viver na comunidade.

Jesús Felipe Hernández, pastor dos evangélicos que foram expulsos da comunidade, contou como aconteceu a ação. “Tivemos que sair à noite porque estávamos com medo de ficar na comunidade”, disse Hernandez, informando ainda que dezenas de pessoas com facões e machados destruíram suas casas e queimaram uma delas. O pastor acrescentou que o único crime deles foi “buscar a Jesus e anuncia-lo aos nossos irmãos”.

O pastor ressalta que o motivo da perseguição foi “uma celebração que é permitida pelas leis mexicanas, e pela Bíblia”. Ele conta ainda que cerca de 40 pessoas, membros da igreja Maranata, não obedeceram à ordem de expulsão e foram ameaçados que, se não deixassem Yashtinin em três dias, iriam ser amarrados, queimados vivos e suas mulheres e meninas seriam estupradas, segundo informou Hernandez.

O pastor Esdras Alonso González tem feito um apelo entre as autoridades públicas para a proteção das comunidades indígenas onde os conflitos religiosos estão se intensificando, e afirma que a recente agressão agrava ainda mais o conflito da intolerância religiosa.

Fonte: Gospel+

 

Perseguição religiosa; Governo chinês planeja erradicar igrejas protestantes em período de 10 anos

28 de abril de 2012

 

Em um comunicado divulgado em 20 de abril pela Associação de Ajuda à China, o governo chinês está envolvido em uma campanha de três fases para erradicar igrejas protestantes. A estratégia foi divulgada em um documento em Setembro de 2011, durante uma aula de treinamento para “Patriotas na Comunidade Cristã”, realizado pela Administração Estatal para Assuntos Religiosos.

O documento diz que as autoridades locais devem conduzir uma investigação completa com dossiês de igrejas em toda a China, entre janeiro e junho deste ano. Na segunda fase da investigação, as autoridades estimularão as igrejas sem registro a se afiliarem ao governo, e na última fase, a ser concluída em 10 anos, igrejas que se recusarem à filiação, serão desligadas.

Funcionários estão autorizados a banir as palavras “Igreja Doméstica” em todos os relatórios sobre as igrejas e outros meios de comunicação e substituir por “Casa de Encontros”, termo que se refere aos grupos já afiliados ao governo.

Em pesquisa realizada pela Associação de Ajuda à China em diversas províncias, mais de 95% dos líderes de igrejas domésticas disseram ter sentido o impacto das investigações, enquanto 85% informaram que departamentos de assuntos religiosos já criaram dossiê para seu grupo.

“Desde o início de 2012, temos notado um aumento na frequência da perseguição”, disse a Associação de Ajuda à China em comunicado à imprensa. O comunicado também informa que além da perseguição da igreja, o número de casos semelhantes aumentou 20% sobre o ano passado e que se espalhou para outras áreas, incluindo educação cristã, publicação e livrarias.

Fonte: Gospel+

 

Casal perde a guarda dos filhos após abandonar islamismo e se converter ao cristianismo; Testemunho tem levado pessoas à conversão

14 de maio de 2012

 

Um casal perdeu a guarda dos filhos por se converter ao cristianismo, em um país africano de maioria muçulmana.

De acordo com informações da agência Baptist Press, um homem identificado como Beniam teve seus filhos levados de casa após seu pai saber que ele havia se convertido à fé cristã.

Beniam e sua esposa não veem os filhos há meses, mas continuam pregando sobre a Bíblia, e pessoas tem se convertido através de sua mensagem, de acordo com informações do The Christian Post.

Segundo Beniam, seu pai soube de sua conversão ao chegar em sua casa e encontrar o neto lendo a Bíblia: “Meu pai viu meu filho ler minha Bíblia e perguntou pra ele o que era. Meu filho lhe respondeu dizendo que era a Bíblia e ele ficou muito nervoso”, relatou o homem, que ouviu do pai que ele já não se importava com ele: “Quando você morrer eu não vou ao seu funeral. Pra mim você já está morto e não é mais meu filho”.

Após a discussão, o pai de Beniam levou os filhos do casal afirmando que seus netos não poderiam ser criados por infiéis. “Apesar de ele ter levado meus filhos, e ainda dizendo que estou morto para ele, não vou deixar de falar da salvação de Jesus. Continuo compartilhando a Bíblia para aqueles que querem conhecer a verdade”, afirma o cristão.

Beniam conta sua motivação: “Eu sei qual é a verdade e uma vez que conhece a verdade, não pode mais voltar atrás. Eu e minha esposa temos decidido seguir o caminho de Jesus e nossos filhos vão voltar”, diz ele.

O casal tem buscado meios legais de reaver a guarda dos filhos e com seu testemunho e pregações, tem levado pessoas a se converterem ao cristianismo, segundo o Baptist Press.

Fonte: Gospel+

 

Arábia Saudita: Líder islâmico pede destruição de todas as igrejas cristãs da região

20 de março de 2012

 

Uma declaração feita recentemente por um líder islâmico tem causado grande apreensão às igrejas localizadas nos países árabes. O sheikh Abdul Aziz Bin Abdullah declarou à imprensa árabe que “é necessário destruir todas as igrejas da região”. O líder religioso é o grande Mufti da Arábia Saudita, o que representa um dos graus máximos da hierarquia do islã. É do Mufti a responsabilidade de interpretar a Sharia, a lei islâmica.

O sheikh deu a declaração quando questionado sobre o posicionamento do parlamento do Kuwait, que afirmou que nenhuma igreja deveria ser construída no país, entretanto o Grande Mufti exortou que “o Kuwait é parte da Península Arábica, e por isso é necessário destruir todas as igrejas do país”. Seu posicionamento foi embasado no Haith, que é o conjunto de leis e histórias sobre a vida do profeta Maomé, segundo o qual teria dito antes de sua morte que “não pode haver duas religiões na Península Arábica”, logo, o Islã é a única religião que pode ser praticada na região.

A declaração de Abdul Aziz Bin Abdullah não se trata de uma mera opinião, mas de um líder com grande influência sobre todo o povo islâmico, ele é presidente do Conselho Supremo dos Ulemas, que congrega os estudiosos islâmicos. O sheikh ainda compõe o Comitê Permanente para a Investigação Científica e emissão de fatwas como presidente. O grupo é responsável pela interpretação da lei islâmica.

O fato mais preocupante é que líderes como o sheikh Abdullah são irrepreensíveis em seu país, tanto pelo povo, como pelas instituições e mesmo a imprensa. De acordo com Raymond Ibrahim, membro associado do Fórum do Oriente Médio e um dos informantes do caso, “a omissão dos principais meios de comunicação, universidades, e da maioria dos políticos ocidentais sobre o que a Igreja Cristã têm enfrentado nos países de maioria muçulmana demonstra o quão voltado o ocidente está, para os seus próprios interesses”, desabafa.

Fonte: Gospel+

“200 milhões de cristãos são perseguidos anualmente”, afirma diretora de fundação cristã em Portugal.

04 de Abril de 2012

 

A diretora Catarina Martins da Fundação Ajuda à igreja que Sofre, em Portugal, afirma que a perseguição religiosa no mundo é alarmante: “São cerca de 200 milhões os cristãos perseguidos anualmente e de cinco em cinco minutos morre um cristão por causa da sua fé. A situação é dramática no mundo e nós assistimos a um agravamento das situações”, disse a diretora nesta terça-feira, à Rádio Renascença.

Um dos casos mais graves de perseguição atinge neste momento a minoria cristã na Síria. Num país em revolução, a pressão dos militantes islâmicos já levou mais de 50 mil cristãos a fugirem para o Líbano.

“A Primavera Árabe está provocando muitas alterações políticas nestes países e os cristãos têm sido vítimas, uma vez que o regime ditatorial passa para um regime de ditadura religiosa”, diz a diretora da fundação.

A Fundação Ajuda à Igreja que Sofre apoia as comunidades cristãs em dificuldade, priorizando a formação de sacerdotes e a reconstrução de igrejas, como aconteceu recentemente no México e Cuba onde o Papa esteve. No caso na Síria, a ajuda é realizada com bens de primeira necessidade.

“São situações de emergência, de pessoas que vivem sem dignidade, que já perderam familiares e é necessário apoiá-las em pequenas coisas para dignificá-las no dia a dia”, finaliza a diretora.

Fonte: Gospel+

 

Pastor evangélico agredido a facadas por extremistas islâmicos “se salvou por milagre”

17 de março de 2012

 

O pastor evangélico John Pervaiz foi esfaqueado por extremistas islâmicos em Kasur, na província de Punjab (Paquistão). O ataque foi feito por dois homens que pretendiam assassinar o religioso. De acordo com a família de Pervaiz, ele sobreviveu à agressão por um milagre.

Esse tipo de ataque costuma acontecer no país “pelo ódio religioso, por acusações de proselitismo ou simplesmente porque os cristãos são vistos com ódio pelos fundamentalistas islâmicos”. Segundo a ONG paquistanesa LEAD (“Legal Evangelical Association Development”), o pastor sofreu várias feridas graves por arma branca no abdômen e teve que ser transferido com urgência a um hospital, onde passou vários dias entre a vida e a morte.

Membro da “Igreja do Paquistão”, Pervaiz professa a fé cristã há 14 anos e, liderado pelo ativista dos direitos humanos e da paz, Robert Azraiya, conduz os cultos da igreja protestante na cidade de Kasur. De acordo com sua família o líder religioso “se salvou por milagre” e agora se recupera dos ferimentos com algumas poucas complicações.

Fiéis da igreja identificaram os agressores como Ghulam Muhammad e Ashfaq Rassol, e a organização LEAD já apresentou uma denúncia oficial à polícia pedindo a detenção dos suspeitos, que ainda não foram localizados.

A comunidade cristã no Paquistão afirma estar em oração em prol do pastor, para que “sua missão de anunciar o Evangelho possa continuar”. Eles pedem também que cristãos de todo o mundo orem “para apoiar às igrejas perseguidas no Paquistão”.

Fonte: Gospel+

 

Muçulmanos prometem erradicar Cristianismo na Nigéria

14 de março de 2012

 

Um grupo de terroristas muçulmanos declarou guerra a todos os cristãos da região norte da Nigéria. De acordo com informações do site nigeriano Bikar Masr, o grupo jihadista Boko Haram prometeu erradicar o Cristianismo no país. De acordo com informações recentes vindas na Nigéria, o grupo está planejando novos ataques com objetivos de eliminar cristãos e judeus.

O representante do grupo de direitos humanos Preocupação Cristã Internacional, Jonathar Racho, mostrou-se muito preocupado com a atual situação dos cristãos no país, ele disse que a notícia é alarmante, e confirmou os rumores a respeito do grupo terrorista, “Os informes indicam que membros da Boko Haram recentemente declararam uma guerra aos cristãos no norte da Nigéria. O grupo prometeu erradicar os cristãos de certas áreas da Nigéria”.

O grupo Boko Haram, é o responsável por uma onda de atentados que vêm acontecendo na Nigéria desde o final do ano passado, causando mais de 100 mortes. Conforme informações do serviço de imprensa do Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários, mais de 100 crianças fugiram da Nigéria para o Chad, tentando escapar dos ataques violentos do grupo. Além de matar pessoas, o Boko Haram já queimou várias escolas na região.

O grupo terrorista está entre os suspeitos de ter planejado e executado o atentado contra uma igreja cirstã no último domingo, quando um suicida lançou um carro cheio de explosivos contra uma igreja, que fica em Jos, no centro do país, deixando 10 mortos.

Fonte: Gospel+

 

Pastor é libertado após ficar 13 anos preso por pregar o Evangelho

04 de março de 2012

 

No dia 2 de fevereiro desse ano as autoridades de Laos libertaram da prisão o pastor Bounchan Kanthavong, que estava preso desde 1999, condenado a 12 anos de prisão sob a acusação de traição contra o país e de ir contra a segurança nacional. As acusações contra o pastor se deram por causa de seu trabalho missionário no país.

De acordo com a Portas Abertas, Kanthavong se converteu ao cristianismo em 1997 durante uma viagem de negócios, e depois disso começou a contar seu testemunho para as pessoas que entravam em sua loja, o que o levou a ser acusado de traição. Estima-se que o testemunho do pastor tenha levado mais de 70 pessoas a aceitarem a Cristo.

As autoridades do País ficaram preocupadas com a possibilidade de que, se as pessoas abraçassem o cristianismo, que é considerado uma fé estrangeira, elas iriam abraçar também a cultura estrangeira. Por causa dessa preocupação eles ordenaram que ele parasse com todas as atividades cristãs em sua loja.

Durante o tempo em que ficou preso Kanthavong, que é casado e tem cinco filhos, ficou com a saúde debilitada. Durante seu cárcere sua esposa assumiu a liderança da comunidade cristã, que cresceu ainda mais nessa época.

Fonte: Gospel+

 

Atentado terrorista em igreja da Nigéria fere fiéis durante culto; Somente em 2012, 250 já morreram em ataques semelhantes no país

26 de fevereiro de 2012

 

Um atentado a bomba em frente à igreja “Embaixada de Cristo” na cidade de Abuja, capital da Nigéria, feriu gravemente duas pessoas e provocou ferimentos leves em diversos fiéis, que assistiam ao culto.

As autoridades nigerianas acreditam que o ataque com o carro-bomba tenha sido planejado e executado por um grupo de extremistas muçulmanos, chamado “Boko Haram”, conhecida por diversos outros ataques a cristãos no país e que prega a aversão total à cultura ocidental.

Segundo informações da Rádio Vaticano, um dos fiéis que testemunhou a explosão afirmou que o atentado destruiu diversos carros estacionados próximo à igreja e acredita que o número de feridos não foi maior, devido a um atraso no culto: “O rito ainda não havia acabado quando o carro explodiu, senão, haveria ainda mais mortos”.

Organizações de Direitos Humanos que acompanham casos de intolerância religiosa no país, estimam que mais de 250 pessoas morreram em atentados executados pelo “Boko Haram” desde Janeiro desse ano. Um dos ataques mais violentos deixou 43 pessoas mortas no dia de Natal.

Fonte: Gospel+

 

Pastor iraniano Yousef Nadarkhani pode ser enforcado a qualquer momento

24 de fevereiro de 2012

 

A qualquer momento o pastor iraniano Yousef Nadarkhani pode ser enforcado. Fontes que acompanham o caso informaram que o pastor foi sentenciado à pena de morte e que a execução pode acontecer a qualquer instante. De acordo com o Centro Americano para a Lei e a Justiça (ACLJ), não há como saber se o pastor continua vivo, mas a probabilidade de que a ordem de enforcamento de Nadarkhani já tenha sido firmada é alta.

Outros veículos de comunicações internacionais também noticiaram sobre o caso. Em matéria publicada ontem, o site estadunidense Fox News citou: “o tribunal no Irã emitiu seu veredito final, ordenando um pastor cristão para ser condenado à morte”. Vários membros do congresso americano e também istituições cristãs têm se unido na luta para salvar a vida de Yousef Nadarkhani, mas a situação parece ter chegado ao seu ponto mais crítico desde sua prisão.

O mundo tem acompanhado o dramático caso do pastor iranaiano, ele foi preso em outubro de 2009, após ter sido acusado de apostasia por ter se desligado do islã e se convertido ao cristianismo. Desde então, Yousef Nadarkhani vem enfrentando uma batalha judicial e lutando contra o risco de sua própria execução, já que, a pena máxima, segundo as leis islâmicas é a pena de morte.

Fatos como este têm preocupado a igreja brasileira, pois o Brasil é o segundo país que mais envia missionários em todo o mundo. Algumas nações têm pouca abertura ao cristianismo, como é o caso do Irã e outros países de religião islâmica. Isso tem gerado reincidentes casos de violência contra os missionários, muitos deles chegam a correr risco de morte por serem cristãos e por anunciarem o evangelho.

Fonte: Gospel+

 

A mensagem do Evangelho está acabando com “Templo da Prostituição” na Índia

16 de fevereiro de 2012

  

Existe na Índia uma prática conhecida como devadasi, que é um templo para prostituição, em que mulheres são dedicadas à deusa Yellamma e obrigadas e se prostituírem. A prática consiste na exploração de mulheres e tem servido de último recurso para os pais desesperados por uma benção dos deuses.

Porém a mensagem do Evangelho está destruindo essa prática no país. Ao terem contato com a mensagem transmitida pelo cristianismo, essas mulheres têm transformado suas vidas e se tornado grandes testemunhas de Cristo.

De acordo com a publicação cristã Charisma, o Evangelho está ganhando muita força e se difundindo rapidamente entre as servas dessa trágica prática.

De acordo com a Junta de Missões Mundiais a devadasi é uma prática que oficialmente foi banida do país há 30 anos, mas que mesmo assim permanece. Até hoje muitas mulheres são consideradas casadas com a deusa e forçadas a viver como prostitutas ao atingirem a maturidade. Sendo, inclusive, proibidas de se casar com um homem depois disso.

Em face a essa situação muitos cristãos estão trabalhando para levar a mensagem do Evangelho a essas mulheres.

Fonte: Gospel+

 

Evangélicos sofrem ataque por se converterem ao Cristianismo

09 de fevereiro de 2012

 

Dois Iranianos que deixaram o Islamismo e se converteram ao Cristianismo, sofreram uma tentativa de assassinato por três mascarados armados com facas, enquanto caminhavam em Haugesund, Noruega, no dia 30/01.

As vítimas, que foram atingidas por diversos ataques de faca, foram socorridas por uma enfermeira até a chegada da ambulância. Os mascarados gritavam “kuffar” (descrente, em árabe) enquanto esfaqueavam os cristãos. Eles não foram identificados.

O ministro acredita que o ataque tenha sido motivado por divergências religiosas; ambos são membros fiéis de uma igreja evangélica local.

Os cristãos, que preferem manter o anonimato, vivem na Noruega há anos. Um deles converteu-se no país e o outro no Irã, mas por ter sido preso e torturado, abandonou o país para exercer sua fé.

Segundo o pastor “eles são muito ativos na igreja e também testemunham sobre sua fé durante as reuniões”. Ele preferiu permanecer anônimo com medo de perseguições, pois viaja muito a países mulçumanos.

Fonte: Gospel+

 

Pastor indiano é espancado por ter exibido filme sobre Jesus

06 de fevereiro de 2012

 

O Conselho Global de Cristãos da Índia denuncia que “a intolerância religiosa para os cristãos é alarmante”. No dia 31 de janeiro, na Índia, o pastor protestante Rajendra Mashi, de 35 anos, foi agredido por nove militares hindus do grupo extremista Bajrang Dal. De acordo com a agência Fides, a acusação era de fazer falsas conversões e por ter exibido um filme sobre Jesus Cristo, na língua do local.

O pastor disse que o ataque ocorreu no dia 31 de janeiro, no final da exibição do filme. O grupo extremista invadiu a sala, destruiu a tela da tv, o dvd player e os altos falantes, todos os equipamentos utilizados para a exibição do filme.

Depois de destruírem a aparelhagem, partiram para a agressão ao pastor. Agrediram-no por mais de uma hora, deixando-o com hematomas em seu rosto, lacerações e um ferimento grave no olho esquerdo. Os fiéis que assistiam a cena ficaram muito assustados.

O pastor Mashi, que tem realizado um trabalho no distrito de Rajnandgaon, na área central da Índia, no estado de Chhattisgarh, após ter sofrido o ataque, foi acusado para a Polícia pelos agressores de realizar falsas conversões. O pastor, na delegacia, disse só ter exibido o filme. A polícia o liberou, concluindo que não havia cometido crime algum.

O diácono Thiago Dearo, da igreja Assembleia de Deus, em Madureira de Novo Horizonte, SP, fez uma colocação sobre o acontecido: “É triste vermos que, enquanto organizações recebem apoio por produzir filme onde Jesus é seduzido na cruz, pastor é espancado por apresentar filme sobre Jesus”.

Fonte: Gospel+

 

Ex-muçulmana é chicoteada na Somália por se converter ao cristianismo

13 de janeiro de 2012

 

Uma mulher de 28 anos foi presa por extremistas islâmicos do grupo Al Shabbab por ter se convertido ao cristianismo. Após um mês presa em um campo-prisão do grupo islâmico ela foi chicoteada em praça pública antes de ser libertada.

Sofia Osman recebeu a punição de 40 chibatadas por acreditar em uma “religião estrangeira”. Depois do açoitamento amigos da mulher afirmaram: “Sofia foi chicoteada durante 3 horas, mas ela não disse para nós depois quais foram outras humilhações ela passou enquanto esteve presa”.

Uma testemunha ocular afirmou ao Compass que punição fez com que Sofia sangrasse muito e perdesse a consciência. Centenas de pessoas assistiram à punição recebida pela cristã.

“Após ser solta e receber a punição, ela estava sendo tratada em sua própria casa pelos seus familiares. Ela não estava conseguindo conversar com ninguém e parecia muito confusa”, disse uma fonte próxima da família que pediu: “Por favor, orem para que a sua recuperação seja rápida”.

Segundo o Portas Abertas Sofia é cristã há mais de quatro anos e fazia parte de uma igreja subterrânea que fica em uma região dominada pelo maior grupo extremista islâmico do país, o Al Shabbab.

Fonte: Gospel+

 

Príncipe herdeiro do Kwait se converte ao cristianismo: “a Bíblia me levou para o caminho certo”

14 de janeiro de 2012

 

Um arquivo em áudio, divulgado por um árabe cristão chamado Al-haqiqa, que transmite programas de televisão via satélite, mostra um diálogo de um ex-muçulmano convertido ao cristianismo assumindo os riscos a que estava exposto pelo fato de ter se convertido.

No diálogo, o novo convertido afirma estar consciente de que a divulgação de sua conversão pode custar-lhe a vida: “Em primeiro lugar, eu concordo totalmente com a distribuição desse arquivo de áudio e declaro que, se eles me matarem, por causa disso vou entrar na presença de Jesus Cristo e estar com ele por toda a eternidade. Estou satisfeito, porque a verdade na Bíblia me levou para o caminho certo”.

A voz é atribuída ao Príncipe Abdollah Al-Sabah, membro da família real do Kwait, país de maioria islâmica e com apenas quatro por cento de cristãos em sua população. A Constituição do Kwait reconhece o islamismo como religião oficial e a Sharia (lei islâmica) como principal fonte de orientação na criação de leis.

Segundo o site Noticias Cristianas, durante o programa em que a conversa foi divulgada, foi comentado que o príncipe havia renunciado à sua fé de berço. Trecho do áudio divulgado mostra o Príncipe Abdollah relacionando as revoltas dos povos árabes à religião: “As muitas comunidades islâmicas sempre quiseram dominar diferentes partes do mundo, mas Deus tem preservado o mundo e ainda o protege. É por isso que temos visto as discrepâncias que aparecem entre os grupos islâmicos que agora estão lutando entre si”.

Sites de orientação xiita desmentiram a notícia, afirmando que não há “ninguém na família real do Kuwait com esse nome”. A conversão do príncipe foi notícia nos principais canais de TV por assinatura com conteúdo árabe e na agência de notícias do governo do Irã, país vizinho ao Kwait, porém o destaque dado foi pequeno.

Fonte: Gospel+

Mulher que foi presa no Irã por se converter ao cristianismo é libertada da cadeia após nove meses

13 de janeiro de 2012

 

Uma cristã que foi mantida presa durante nove meses pelo governo iraniano foi libertada da prisão, em péssimo estado de saúde. Manter um ex-muçulmano que se converteu ao cristianismo preso durante meses é um dos métodos do governo do Irã para dissuadir os convertidos.

Shahla Rahmati foi presa sob acusação de envolvimento com um “grupo que praticava atividades ilegais” e condenada a dois anos e meio de prisão. Segundo o Portas Abertas, existe agora a preocupação com outros cristãos que estão presos nas mesmas condições, em cadeias espalhadas pelo país.

Cristãos iranianos informaram que Shahla, que trabalha como diretora em uma empresa de eletrônicos, havia sido condenada a dois anos e meio de prisão acusada de estar associada a um “grupo que praticava atividades ilegais”, em referência ao seu envolvimento em atividades cristãs.

A família de Shahla Rahmati demonstrou preocupação com a saúde dela e afirmou que são necessários cuidados médicos com urgência: “Shahla precisa de atenção médica imediatamente, pois sua pressão arterial está muito baixa”. Segundo o Elam Ministries, os parentes afirmaram que sua saúde pode ter ficado fragilizada devido a maus-tratos enquanto esteve na cadeia.

No período que foi mantida sob custódia do governo, na capital Teerã, Shahla ficou presa em uma cela solitária nos cinco primeiros meses, e depois, foi transferida para uma cela superlotada com mais de oitenta detentos. Essas condições podem ter influência na deterioração de sua condição de saúde.

Fonte: Gospel+

 

Bíblia é o livro mais traduzido e mais publicado do mundo

 06 de janeiro de 2012

  

Com o incrível número de seis bilhões de exemplares vendidos a Bíblia é o livro mais vendido de todos os tempos. O livro de maior valor para o Cristianismo retém também um recorde pelo fato de ser o volume mais traduzido: já são mais de dois mil línguas e dialetos traduzidos.

O segundo colocado na lista, livro vermelho de Mao Tse-Tung, tem apenas um sexto de cópias que a bíblia e era vendido em caráter obrigatório a todos os membros do Partido Comunista, além da determinação de ser lido em todas as escolas e a obrigação de todas as famílias chinesas terem o exemplar.

Outro livro também relacionado à religião que tem um grande volume de vendas é o Corão, com 800 milhões de cópias distribuídas. Segundo o The Christian Post O livro sagrado islâmico foi escrito originalmente em árabe e apenas recentemente foi traduzido para outras línguas. Porém as versões traduzidas não são consideradas o Corão original, mas apenas textos explicativos dele.

Entre outros livros de grande sucesso podemos citar a saga Harry Potter que teve cerca de um bilhão de exemplares vendidos, se somarmos os sete volumes da série e o também infanto-juvenil As Crônicas de Nárinia, de escritor cristão C.S. Lewis, vendeu 110 milhões de cópias em todo o mundo.

Fonte: Gospel+

 

Jogador de futebol é preso por ter tatuagem de Jesus Cristo

10 de outubro de 2011

 

Um jogador de futebol foi detido em Riad, capital da Arábia Saudita, por exibir uma tatuagem com a imagem de Jesus Cristo. O colombiano Juan Pablo Pino, jogador do Al Nasr, passeava em um shopping da cidade com sua família, quando alguns cidadãos passaram a insultá-lo. Devido ao tumulto, a polícia foi chamada e o jogador, detido para prestar depoimento.

Pino estava com uma camiseta sem mangas e com a tatuagem à mostra. Por isso, foi acusado de quebrar as regras do wahhabismo, uma versão mais rigorosa do Islamismo. Em nota o clube divulgou declarações de Pino, que afirmou estar “profundamente triste” com o episódio e que havia comprado uma roupa muçulmana para sua esposa, para que ela saísse “de maneira respeitosa”.

O jogador ainda ressaltou que o tumulto tomou proporções maiores devido aos torcedores de equipes adversárias do Al Nasr, que exploraram o episódio para prejudicar o clube. Jornais de Riad noticiaram que a esposa do jogador pediu que ele rescinda o contrato com o clube e deixe o país, o que não foi confirmado.

Segundo a agência de notícias EFE, o Xeque Mohammed Nayimi, um dos clérigos mais respeitados da Arábia Saudita, afirmou que jogadores devem respeitar as leis do país, e pediu que os contratos dos clubes com os jogadores estrangeiros tenham cláusulas que os obriguem a esconder suas tatuagens. Essa não é a primeira vez que uma tatuagem com símbolos religiosos provoca tumulto. Em 2010, um jogador exibiu uma tatuagem com uma cruz após marcar um gol e foi duramente criticado por torcedores e pela imprensa.

Fonte: Gospel+

 

Universitário iraniano é preso por pregar evangelho

 

As forças de segurança do governo iraniano prenderam um estudante universitário na frente de sua casa, com base na acusação de que tem evangelizado e propagado o cristianismo na universidade. Até agora não se tem nenhuma informação sobre o paradeiro do estudante.

De acordo com relatos recolhidos pela Mohabat News, o jovem de 24 anos, chamado Mostafa Zangooyee, foi preso por policiais à paisana da força de segurança, ao sair de casa, tendo sido levado a um local não revelado.

Agentes da força de segurança, posteriormente, contataram os pais do jovem e lhes informaram sobre a prisão e as acusações feitas contra seu filho. Os policiais afirmaram que a acusação contra o jovem foi de evangelização e propagação da fé cristã no campus da universidade.

Mostafa Zangooye é um estudante universitário nascido em Gachsaran, uma cidade na parte sul do Irã, e permanece sob custódia da polícia; sua condição atual e seu paradeiro permanecem desconhecidos.

Recentemente, um dos jornais diários do Irã, o Keyhan – que é administrado pelo governo e cujo editor-chefe foi nomeado pelo aiatolá Khamenei – publicou uma reportagem sobre um professor universitário que foi demitido por propagar o cristianismo na universidade onde lecionava.

Esse jornal está alertando o povo sobre os perigos do rápido crescimento da fé cristã entre os estudantes universitários e também entre professores. O corpo docente relatou que um professor foi demitido de seu emprego na Universidade Livre do Irã, na cidade de Ahvaz, província do Khuzistão.

Gospel+

 

Pastor Yousef Nadarkhani deve continuar preso por pelo menos mais um ano

 

O chefe do judiciário no Irã, Sadegh Larijani, pediu o adiamento do julgamento do pastor Yousef Nadarkhani. Segundo informações do site A Su Nombre Gloria Nadarkhani deverá permanecer na prisão por mais um ano.

O tribunal do Irã pediu para que o julgamento fosse atrasado e que durante esse período o pastor continue detido.

A intenção do atraso é dispersar a atenção internacional do caso, que vem causando diversas manifestações pelo mundo, uma vez que diversas autoridades internacionais já se manifestaram a respeito da soltura do cristão dizendo que o Irã estaria ferindo aos direitos humanos de crença.

Segundo o advogado de Nadarkhani, a sentença de morte do pastor provavelmente será confirmada, pois o aiatolá Ali Khamenei, líder do Supremo Tribunal iraniano, faz parte da alta autoridade dos políticos religiosos xiitas e deve confirmar a sentença já dada pelo tribunal de Gilan baseada na Lei Sharia.

Nadarkhani está preso desde 2009 sob a acusação de apostasia, por ter se desligado do Islã e se convertido ao cristianismo. O pastor tem sido assediado por autoridades muçulmanas para voltar ao islamismo, porém ele não aceitou negar sua fé em Jesus nas quatro chances dada pelas autoridades iranianas, o que o levou a ser condenado ao enforcamento.

Fonte: Gospel+

 

Caso do Pastor Nadarkhani foi levado à ONU; Embaixada afirma que Pastor está livre da sentença de morte

 

O caso do Pastor Yusef Nadarkhani foi levado à Assembleia Geral de Assuntos Sociais da ONU pelo representante do “Comitê de Assuntos Humanitários”, Ahmed Shaheed, que pediu ao Governo do Irã que liberasse o Pastor: “Estamos particularmente perturbados por uma recente decisão do Supremo Tribunal (do Irã) de ter sustentado uma sentença de morte para Yousef Nadarkhani, um pastor protestante que supostamente nasceu de pais muçulmanos, mas se converteu ao cristianismo quando tinha 19 anos”. Após o discurso, a Embaixada do Irã no Brasil informou que o Pastor Yusef Nadarkhani, está livre da sentença de morte.

Nadarkhani foi preso e condenado sob a acusação de transgredir a Lei Sharia, pois abandonou a religião islâmica e se converteu ao cristianismo. A Lei Sharia é o conjunto de regras que regem a religião muçulmana, e o Irã, que é um país teocrata, leva as recomendações da religião à risca.

A Lei Sharia prevê pena de morte para o muçulmano que abandonar a religião de seus pais, caso ele não renuncie sua nova religião. O Pastor Yusef Nadarkhani se recusou a negar sua conversão ao cristianismo, e foi condenado à morte. Devido à repercussão internacional e pressão de diversos países, o caso do Pastor agora teve uma reviravolta. Ainda não foi informado se o Pastor continuará preso, ou se será libertado.

Recentemente o site da ACLJ (Centro Americano para Lei e Justiça) informou que o Serviço Secreto do Irã estaria oferecendo livros e folhetos muçulmanos ao Pastor. As suspeitas são de que o Governo do Irã esteja tentando convencer o Pastor a negar o cristianismo ou fazê-lo ofender o islamismo, para ter provas de que ele desrespeitou a religião oficial do país.

Segundo o site Exibir Gospel, o caso de Nadarkhani não é o único no mundo. O informativo de 2010 de Liberdade Religiosa no Mundo afirma que cerca de 350 milhões de cristãos sofrem perseguição ou discriminação, e 200 milhões destes cristãos sofrem risco de morte.

Fonte: Gospel+

 

Sentença de morte do Pastor Nadarkhani é cancelada: processo será revisado

O caso do Pastor Yusef Nadarkhani ganhou uma reviravolta, segundo o Centro Americano pela Lei e Justiça (ACLJ), que informou que o Supremo Tribunal do Irã anunciou que o veredito que condenava Nadarkhani à pena de morte por enforcamento foi cancelado, e deverá passar por uma revisão.

Desde que a notícia que o Pastor iraniano havia sido condenado à morte por se recusar a negar a Cristo, diversos países do mundo iniciaram um movimento de pressão ao Irã, para que a pena de morte fosse anulada.

Aqui no Brasil, além de entidades de Direitos Humanos que organizaram abaixo-assinados para enviar aquele país, alguns parlamentares, como o Bispo Marcelo Crivella e o Pastor Marco Feliciano, discutiram o caso e cobraram do Ministério das Relações Exteriores que interviesse junto ao Irã, porém o governo da Presidente Dilma se mantém em silêncio em relação ao assunto.

A nota do Supremo Tribunal do Irã afirma que “devido a algum defeito no processo de Nadarkhani, seu caso foi enviado à corte local para ser revisado e completado em alguns pontos”, e determina que após a revisão do caso “para correção de detalhes e eliminação dos defeitos, o veredicto será emitido novamente, e se o réu recorrer, então o caso será enviado à Corte Suprema, onde a setença definitiva será publicada”.

Fonte: Gospel+ 14.10.11

 

No julgamento que aconteceu na quarta-feira, 28, o pastor Yousef Nadarkhani voltou a afirmar sua fé em Jesus Cristo e de acordo com a Sharia [lei islâmica] ele foi condenado pelo crime de apostasia (abandonar o islamismo) e sentenciado a morte por enforcamento.

Na noite de ontem a ACLJ (Centro Americano pela Lei e a Justiça) chegou a divulgar uma nota dizendo que um dos juízes havia revogado essa sentença, mas que essa informação não era certa, já que pode ser apenas uma mentira espalhada pelo serviço secreto iraniano para enganar os meios de comunicação que estão acompanhando o caso.

Representantes do Portas Abertas também receberam essa informação, mas não há certeza do que pode acontecer com o pastor. O ministério também informou que a família de Nadarkhani está bastante abalada, inclusive sua esposa está em estado de depressão.

“Estou em contato com o Irã”, disse uma fonte próxima a família do pastor para o Portas Abertas. “Mas as notícias não são muito boas, mas vamos esperar. Se eles realmente quiserem, eles podem matá-lo porque ele se recusou a negar sua fé. Deixamos tudo nas mãos de Deus.”

Para o Compass Direct, uma fonte informou que eles podem matar o pastor Nadarkhani a qualquer momento. “Eles podem enforcá-lo ao meio dia ou então daqui a 10 dias. Às vezes entregam o corpo para a família junto com o veredito. Eles têm ultrapassado as fronteiras da lei”.

Fonte: site GNOTÍCIAS (GOSPEL+) 29/09/11

Campanha mundial pela vida de Rimsha, menina cristã que pode ser condenada à morte por blasfêmia, quer reunir 1 milhão de assinaturas

 

 A menina Rimsha, que pode ser condenada à morte por blasfêmia contra o Alcorão, tornou-se alvo de uma campanha mundial que clama por clemência.

Rimsha é de família cristã, tem 11 anos de idade e sofre de deficiência mental, e foi acusada de blasfêmia por ter rasgado e queimado páginas do livro sagrado do Islã.

Leia mais...