ANIVERSARIANTES DA SEMANA   

09-José Afonso (E. Sátiro)

10-Neusa de Moura

12-Edvando Bonifácio (Dc. R. do Sol)

14-Mª Teodória

15-Mª Eliane

Reuniões administrativas final de ano

13/12 – Reunião do Conselho Eclesiástico;

21/12 – Confecção Calendário 2019;

23/12 (M) - Assembleia da Igreja (homologação diretorias, recepção membros e separação para o oficialato )  

 

JANTAR DE CONFRATERNIZAÇÃO: o nosso jantar de confraternização será no dia 31/12, logo após o culto de final de ano. O culto será no horário das 21 às 23h, seguindo-se o jantar, que será no estilo americano. O Pb. Evandro José será o coordenador desse evento.

Tamanho da letra:

     A OBRA REDENTORA DE CRISTO

     Segundo o estabelecido por Deus  na eternidade, o programa redentor começou a ser operacionalizado de fato  com a encarnação do Verbo Divino. “E o Verbo se fez carne e habitou entre nós, e vimos a sua gloria como a glória do Unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade” Jo 1.14.

     O Salvador nasceu em Belém da Judeia, nos dias do rei Herodes, cresceu em Nazaré na Galiléia dos tempos bíblicos. Viveu uma vida ímpar, fazendo o bem e libertando aos oprimidos do Diabo, porque Deus era com ele (At 10.38). O seu ministério restringiu-se a Palestina da época (Judeia, Samaria e Galileia), e depois de três anos ele foi traído por um de seus apóstolos, Judas Iscariotes, e condenado à morte pelo tribunal judaico, condenação essa ratificada e executada pelo tribunal romano. A pena de morte de crucificação foi executada fora dos muros de Jerusalém, num monte chamado Calvário.

 

    O fato histórico da morte de Cristo está registrado nos quatro evangelhos que constam do Novo Testamento, segunda parte da Bíblia Sagrada.

    A morte de Cristo não foi mais uma morte qualquer executada pelo império romano da época, mas fazia parte do programa redentor de Deus para salvar o homem da condenação do pecado. Essa morte foi um sacrifício oferecido pelo Filho de Deus para pagar o preço dos pecados do homem. “Sabendo que não foi com coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados da vossa vã maneira de viver que por tradição recebestes dos vossos pais, mas com o precioso sangue de Cristo, como de um cordeiro imaculado e incontaminado” 1 Pe 1.18,19.

    A morte de Jesus comemorada na sexta-feira da  semana santa e, principalmente, na celebração da Ceia do Senhor é o ponto alto do programa redentor de Deus. Com a sua morte Jesus, na cruz, reconciliou o homem com Deus. “Isto é, Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo, não lhes imputando os seus pecados; e pôs em nós a palavra da reconciliação” 2 Co 5.18.

   Querido irmão alegre-se por isso e dê muitas graças a Deus pela morte de Jesus.  Pastor Eudes Lopes