Justiça sentencia acusado de causar morte em acidente automobilístico a frequentar cultos em igreja evangélica

18 de julho de 2012 

 

O Tribunal de Justiça de Goiás divulgou em seu site uma sentença de dois anos contra Augusto César Fonseca Nascimento por ter causado acidente automobilístico que resultou na morte de Pedro Villas Boas Barcellos, no dia 25 de novembro de 2001.

A curiosidade da sentença está no fato de que os atenuantes levaram a juíza da 3ª Vara Criminal, Dra. Edna Maria Ramos da Hora a definir a pena do acusado como dois anos de prestação de serviços comunitários e frequentar cultos religiosos aos sábados e domingos no período, além da proibição de dirigir e ingerir bebidas alcoolicas.

processo 200500712179 traz o depoimento do policial que atendeu a ocorrência à época, e relata que Nascimento conduzia um veículo modelo Uno 1993 quando voltava de uma festa, e que o réu havia capotado o veículo, o que causou as lesões que resultaram na morte de Barcellos.

A sentença proferida em 16 de maio de 2012 define ainda que a prestação de serviços comunitários deverá ocorrer junto à Missão Vida de Anápolis, Goiás, entidade local ligada à Igreja Presbiteriana, por sete horas semanais, de forma que não prejudique o exercício de sua função como técnico de informática.

A Dra. Edna Maria Ramos da Hora define ainda que a frequência do sentenciado aos cultos religiosos deverá ser comprovada com atestados.

Esse tipo de sentença, em que o réu não possui antecedentes criminais, e que sua pena é substituída por serviços comunitários tem se tornado comum no Brasil, mas com a obrigação de que o réu frequente cultos, ainda é raro. Em países como os Estados Unidos, a imprensa mundial já noticiou casos semelhantes, porém nenhum dos casos tinha a morte de um cidadão envolvida.

Fonte: Gospel+

 

 Olimpíadas 2012: Missionários cristãos levam “Ônibus do Louvor” para as ruas de Londres

01 de agosto de 2012 

 

Um grupo de missionários do projeto “Mais do que Ouro” (More than Gold), engajados na evangelização durante os jogos olímpicos de Londres, levou para as ruas do trajeto da tocha olímpica o “Ônibus do Louvor”.

Criado com uma ideia surgida entre os membros da Igreja Metodista Escalls, o ônibus de 2 andares, com o teto aberto para acolher os músicos e cantores, percorreu as ruas à frente da tocha olímpica desde quando ela chegou ao País de Gales, passando pela Escócia e finalmente Inglaterra (Londres).

Por mais de 13 mil quilômetros o ônibus levou louvor a Deus através de musicas cristãs, a todos que esperava a passagem da tocha Olímpica.

- A atmosfera em Londres era de muita alegria e foi absolutamente incrível. As pessoas dançavam na rua, até policiais foram movidos pela música, foi muito maravilhoso – afirmou Christine Bonfield, membro da Escalls que coordenou o projeto.

- Tivemos alguns músicos realmente fantásticos, incluindo uma banda brasileira. Alguns dos músicos disseram que estar na estrada foi uma experiência de mudança de vida. Milhares de pessoas fotografaram o ônibus, já que ele passou em todo o país – completou.

As diversas bandas e músicos foram coordenados no palco móvel por Allison Humphries, que destacou a emoção provocada pelo trabalho.

- Os músicos vieram de diferentes igrejas e foi emocionante ver como eles interagiam uns com os outros. Mas a melhor coisa foi a reação das multidões. O ônibus foi aceito por todos – afirmou Humphries.

Redação Gospel+

 

Jovens missionários montam “Estações de Oração” para evangelizar e orar por pessoas nas ruas

01 de agosto de 2012 

Jovens missionários montaram uma operação denominada “Estação de Oração” e instalaram cabines nas ruas de Nova York, oferecendo às pessoas um momento de prece a Deus.

A iniciativa está sendo realizada por integrantes da filial da instituição Jovens Com Uma Missão (JOCUM) em Virginia, Estados Unidos, em parceria com o reverendo Don Geraci.

O objetivo, segundo Geraci, é reaproximar as pessoas de Deus, e cita o caso do ataque terrorista de 11/09: “Quando aconteceu a tragédia as pessoas se voltaram para Deus. Mas logo depois, elas já não se voltaram mais. Eu sinto que na América as pessoas estão virando as costas para Deus. Além da tragédia, coisas estão acontecendo, como na economia, e nós vimos também a recente tragédia de Colorado”, afirmou em entrevista The Christian Post, fazendo referência ao caso do “atirador do cinema”.

Para o reverendo, é importante oferecer às pessoas uma forma de se aproximarem de Deus: “Nós queremos dar uma oportunidade de oração para as pessoas saberem que elas podem se voltar a Deus. Que Ele pode escutar e responder suas orações”, disse Don.

Nick Savoca, responsável pela unidade da JOCUM que está promovendo a ação, afirmou no site da instituição que as “Estações de Oração” são acima de tudo, evangelísticas: “Elas dão oportunidades para as pessoas se conectarem com outras pessoas de uma forma não conflituosa, trocando nomes e sorrisos, uma breve palavra de oração, sendo a pessoa cristã ou não”, afirmou.

Redação Gospel+

 

Trabalho de missionários cristãos em Londres começa com o revezamento da tocha olímpica, e abertura das Olimpíadas

28 de julho de 2012 

 

Os missionários participantes do projeto Mais do que Ouro (More than Gold), engajados na evangelização durante os jogos olímpicos de Londres, já estão “prestes a alcançar seus próprios recordes de envolvimento da Igreja nos Jogos Olímpicos”, segundo o Christian Today.

A mobilização das igrejas envolvidas no projeto começou com o revezamento da tocha olímpica, quando as comunidades cristãs fizeram um revezamento de oração acompanhando o trajeto do símbolo dos jogos pelo país. De acordo com o site oficial do projeto, morethangold.org, foram mais de 1.000 comunidades envolvidas no revezamento, que terminou nessa sexta feira (27), com a abertura oficial das competições.

Com o início oficial do evento, as atividades do grupo incluem ainda hospedagem de famílias de atletas, clubes infantis, festas de rua, noites de ‘quiz’, cafés da comunidade, celebrações especiais da igreja e de férias em casa.

- Esta é a maior resposta da igreja na história olímpica, vamos dedicar o nosso melhor – servir comunidades e os milhares de visitantes internacionais – afirmou o executivo-chefe (CEO) do Mais do que Ouro, David Willson.

Willson informou ainda que o Mais que o Ouro está executando um programa de estadia para a família do atleta. Cristãos oferecem alojamento gratuito para mais de 350 parentes de atletas que de outra forma seriam incapazes de participar do evento.

Com a participação de voluntário de 40 países, de lugares como a Austrália e Jamaica, e Brasil, o grupo realizará cerca de 700 apresentações gratuitas durante os Jogos, com músicos, dançarinos e artistas visuais. Além disso, o Exército de Salvação está liderando as equipes que irão distribuir água para os visitantes e espectadores, e cerca de 300 pastores voluntários ajudarão os visitantes a percorrerem seus caminhos através dos principais centros de transportes da capital inglesa.

Redação Gospel+

 

Apesar de comemorar 100 milhões de exemplares, secretário afirma que SBB não consegue atender a demanda de Bíblias do Brasil

15 de junho de 2011

 

Na última semana a Sociedade Bíblica do Brasil (SBB) comemorou a marca de 100 milhões de Bíblias produzidas. O número apesar de importante esconde um outro fato: a produção ainda é insuficiente e não atende ao número de evangélicos no Brasil. A informação foi dada pelo Secretário de comunicação da entidade, Erni Seibert. Para atender a tiragem teria que ser duplicada.

Em entrevista, Seibert detalhou em números a produção de Bíblias em território nacional, produção essa que ocupa o topo nos números das Sociedades Bíblicas mundo afora. Por ano, cerca de seis milhões de exemplares são impressos pela entidade brasileira, dos quais 20% são exportados para mais de 100 países nos cinco continentes. Um quinto de toda a produção das Sociedades Bíblicas estrangeiras (30 milhões) e o dobro do que se produzia há seis anos.

Mas se produz tanto, por que afirmar que o número é insuficiente? Seibert explica: “Ter uma Bíblia, em primeiro lugar, não significa lê-la. Em segundo, se pegarmos o número de habitantes no Brasil (cerca de 190 milhões, segundo IBGE), vemos que a demanda é muito maior do que podemos atender, mesmo com o crescimento de nosso trabalho”.

Seibert calcula que, para que cada brasileiro tenha uma Bíblia aos quinze anos de idade, será preciso uma quantidade mínima de 12 milhões de exemplares produzidos em um ano. O desafio não é fácil, e pode se tornar ainda mais complicado. Estima-se que a quantidade de evangélicos no Brasil chegue a 109 milhões de pessoas até 2020, projeção que já dá sinais de certa se levados em conta os números de 2010 divulgados pelo Instituo Brasileiro de Geografia Estatística (IBGE): 19% de toda a população nacional.

De cara, uma produção eficiente não seria impossível se houvessem mais editoras produzindo Bíblias no Brasil. Para Seibert, o projeto esbarra no interesse comercial. Na região Norte do Brasil, por exemplo, não há um trabalho de produção forte e Seibert aponta a razão: “O eixo Sudeste/Sul é mais vantajoso e prático, do ponto de vista empresarial. Nos últimos dez anos, muitas editoras de Bíblias fecharam as portas por não obterem o retorno esperado e outras preferem não arriscar em regiões afastadas” explica, ao destacar a postura da SBB nestas mesmas regiões ‘menos interessantes’. “Não somos uma editora, somos uma entidade. Por isso trabalhamos e investimos em lugares que não dão lucro. Nossa proposta é diferente”.

Com a marca de 100 milhões de Bíblias impressas, Seibert diz estar motivado a aumentar a produção anual da SBB, que deve ficar em torno de sete milhões nos próximos anos, aumentando inclusive a produção de exemplares segmentados como a ‘Bíblia da mulher’ e a ‘Bíblia do surfista’. “A segmentação é importante, a partir do momento em que se reconhece uma necessidade de fazê-la” finaliza.

Fonte: Creio

 

Ministérios cristãos preparam tradução da Bíblia para dialetos falados por ciganos brasileiros

28 de julho de 2012 

 

Um grupo de ministério cristãos brasileiros se reuniram para um trabalho inédito no campo missionário: a tradução da Bíblia para os dialetos falados pelos ciganos no Brasil.
Visto que alguns ciganos proíbem o ensino da língua portuguesa, os ministérios Missão Amigos dos Ciganos, Missão Além e ministérios de tradução se reuniram para disponibilizar a Bíblia Sagrada para os ciganos brasileiros em sua própria língua.

O pastor Igor Shimura, da Missão Amigos dos Ciganos, falou à Ultimato sobre a importância do trabalho.

- Traduzir a Bíblia para essa população representa transformação de valores e realidades: da exclusão para a inclusão social, do analfabetismo para a alfabetização, dos aros de violência para a paz, da divisão dos grupos para a união em torno do Deus Criador, das diversas divindades para o conhecimento do único Deus, Jesus Cristo – afirmou Shimura.

Não existem dados estatísticos concretos sobre a população cigana no Brasil, mas estima-se que eles sejam entre 600 e 1 milhão de pessoas por todo o país, segundo informações da Missão Além.

Essa população cigana é dividida no Brasil em três grupos: os Sinti, Rom e Calon, e o trabalho de tradução visa alcançar todos eles. O Calon será o primeiro grupo beneficiado com o trabalho, com a tradução do Novo Testamento em “chibi”, seu dialeto.

Até hoje, o único material bíblico conhecido e publicado na língua do grupo calon é “El Evangelio de San Lucas en Caló”. Esse material, que é uma realização do missionário George Borrow em 1836, foi feito no dialeto calon da Espanha, bastante diferente do calon brasileiro.

Segundo o The Christian Post, o grupo de tradutores já está realizando a tradução do Evangelho de Lucas, e o trabalho tem previsão para ser concluído em dois anos. O projeto inclui ainda o desenvolvimento de materiais audiovisuais para alcançar os ciganos não alfabetizados, como CDs, DVDs e gravações da tradução.

Redação Gospel+

 

Voluntários da Junta de Missões Mundiais viajam para trabalho missionário nas Olimpíadas de Londres

21 de julho de 2012

 

Na última terça feira um grupo de 180 voluntários da Junta de Missões Mundiais partiram em direção a Londres na caravana Conexão Londres 2012, onde farão um trabalho missionário durante as Olimpíadas que acontecem de 27 de julho a 12 de agosto. O grupo vai primeiro para Sevilha, na Espanha, onde fará um período de preparação até chegar à capital britânica.

Liderados pelo Pr. Marcos Grava, coordenador do Programa Esportivo Missionário (PEM) e do Setor de Voluntários da JMM, os voluntários servirão às pessoas presentes nos jogos olímpicos com atividades evangelísticas nas áreas de esportes, capelania, assistência social, atividades infantis e artes.

O Seminário de Spurgeon é um dos locais que servirá como hospedagem para os missionários. O lugar leva este nome em homenagem ao pregador batista reformado Charles Haddon Spurgeon, conhecido no auge da igreja inglesa como o “príncipe dos pregadores”.

Segundo a JMM a realidade na Europa hoje é, infelizmente, distante daquela vivida pelo cristianismo nos tempos de Spurgeon, visto que milhares de igrejas no continente fecham suas portas para dar lugar a mesquitas, shoppings e boates. A Junta de Missões pede também que cristãos do Brasil e do mundo todo apoiem o trabalho com suas orações.

- Esteja conosco nesta viagem através de suas orações. Missões Mundiais dá um crédito muito grande a eventos esportivos internacionais. Já estivemos na Copa do Mundo, nas Olimpíadas e nos Jogos Pan-Americanos. Onde estiver gente do mundo inteiro, lá estaremos para levar o Evangelho do Senhor Jesus – declara o Pr. Marcos Grava.

Com os resultados desse trabalho, a JMM afirma esperar poder contribuir melhor em ações evangelísticas nos próximos eventos esportivos que acontecerão no Brasil, como a Copa do Mundo de 2014 e os Jogos Olímpicos de 2016.

Redação Gospel+

 

Cristão pode namorar com incrédulos? Pastor Renato Vargens afirma que “a Bíblia não recomenda”. Leia na íntegra

20 de julho de 2012

 

O namoro entre cristãos e pessoas não convertidas ao evangelho é um assunto que gera debates acalorados entre jovens evangélicos e suas lideranças.

A favor, os adeptos da liberdade de namorar, noivar e casar com pessoas que professam outra fé afirmam que esse pode ser um meio de aproximá-los de Cristo, enquanto que os contrários, afirmam que a Bíblia proíbe uniões desse tipo.

O pastor Renato Vargens publicou em seu blog um artigo sobre o tema, e se posicionou claramente contra o namoro entre cristãos e não cristãos: “enumerar inúmeras razões porque não concordo com o namoro entre cristãos e não cristãos, mas, vou citar somente uma: A Bíblia, a Palavra de Deus não recomenda”.

Segundo Vargens, quem argumenta contra essa recomendação dizendo que trata-se de “caretice” desconhece o “ensino bíblico de que não devemos nos colocar em jugo desigual com os incrédulos”, citando a passagem bíblica de II Coríntios 6:14.

O pastor frisa que “o fato de existirem discrepâncias espirituais pode proporcionar um seriíssimo problema relacional entre aqueles que se gostam”, e cita ainda a confissão de fé de Westminster, que não recomenda o casamento entre um cristão e um incrédulo nessa fé.

Confira abaixo a íntegra do artigo “Razões porque está errado o namoro entre cristãos e não cristãos”, do pastor Renato Vargens:

Eu poderia enumerar inúmeras razões porque não concordo com o namoro entre cristãos e não cristãos, mas, vou citar somente uma: A Bíblia, a Palavra de Deus não recomenda.

Talvez ao ler essa afirmação você esteja dizendo consigo mesmo: Que coisa ultrapassada! Qual é o problema? Não tem nada demais. Eu posso evangelizá-lo e levá-lo para a igreja. Vai ver que essa é forma dele conhecer a Cristo! Ah! Que caretice! Isso é palhaçada! Esse tempo já passou!

Pois é, é comum ouvirmos de nossos adolescentes e jovens frases como estas. Para muitos deles não existe o menor problema em namorar um não cristão. Entretanto, o que talvez eles desconheçam é o ensino bíblico de que não devemos nos colocar em jugo desigual com os incrédulos (II Co 6.14). “Não vos prendais a um jugo desigual com os infiéis; porque, que sociedade tem a justiça com a injustiça? E que comunhão tem a luz com as trevas? E que concórdia há entre Cristo e Belial? Ou que parte tem o fiel com o infiel?”.

Para Calvino, o jugo desigual era nada menos que manter comunhão com as obras infrutíferas das trevas e estender-lhes a destra de companhia. Em outras palavras isto significa estar ligado ao mesmo tempo, lado a lado na mesma canga. É a metáfora dos bois ou cavalos que têm de andar juntos, desfrutando das mesmas práticas, porque estão presos na mesma canga.

Caro leitor, escolher uma pessoa que compartilha da mesma fé e sonhos é fundamental a construção de um namoro equilibrado e saudável. Como escrevi no meu livro “Namoro.com”, o namoro deve ocorrer entre pessoas que estejam em igualdade de situações. O fato de existir discrepâncias espirituais pode proporcionar um seriíssimo problema relacional entre aqueles que se gostam.

Do ponto de visto bíblico o namoro entre não cristãos e cristãos é absolutamente desaconselhável. Paulo, ao escrever aos coríntios ordena que um cristão ao se casar, deve fazê-lo “somente no Senhor”. Obviamente isso proíbe o casamento com incrédulos e, portanto, namorá-los.

Vale a pena lembrar o que a Confissão de Fé de Westminster diz a respeito do casamento entre cristãos e não cristãos: “A todos os que são capazes de dar um consentimento ajuizado, é lícito casar, mas é dever dos cristãos casar somente no Senhor; portanto, os que professam a verdadeira religião reformada não devem casar-se com infiéis, papistas ou outros idólatras; nem os piedosos prender-se a jugo desigual por meio do casamento com os que são notoriamente ímpios em suas vidas, ou que mantêm heresias perniciosas”

Isto, posto, afirmo sem titubeios que uma aliança não aprovada por Deus proporciona consequências terríveis para o cristão. Como bem disse o meu amigo Mário Freitas, não existe pecadinho e pecadão e sim “Consequênciazinhas e consequêciazões”.

Pense nisso!

Renato Vargens

Fonte: Gospel+

 

Estilista cristã desenvolve linha de “maiôs evangélicos” para não marcar o corpo: “Escolhi me cobrir para glorificar a Deus”

17 de julho de 2012 

 

Uma estilista cristã canadense desenvolveu um “maiô evangélico”, que preserva a intimidade não marcando as curvas do corpo.

Crystal Hyben afirmou em entrevista ao Huffington Post que a linha de maiôs evangélicos Simply Modest (em tradução literal do inglês, simplesmente modesta) cobre as coxas, barriga, busto e parte do ombro.

A estilista diz que o motivo de desenvolver o maiô com esse formato está ligado à sua vontade de exaltar a Deus e preservar seu corpo para o futuro marido: “Eu escolhi me cobrir porque eu quero glorificar a Deus com o meu corpo, e me cuidar para o meu futuro marido, se eu vier a me casar”, declarou Crystal.

O tema modéstia para sua marca de maiôs evangélicos foi escolhido por seu princípio de preservação da intimidade: “A modéstia sempre foi importante para mim, pois acredito que a nossa sexualidade é um dom incrível de Deus, é algo que deve ser protegido, não colocado em exposição para ser vista por todos os olhos”, pontua.

O design escolhido pela estilista gerou comparações com a burca, tradicional vestimenta islâmica usada por mulheres adeptas da religião e recebeu apelido de “Burquíni”.

Veja fotos:

 

Fonte: Gospel+

 

Pesquisa revela que pastores podem ter depressão e doenças crônicas motivadas por preocupação com fiéis

12 de julho de 2012 

 

Um estudo realizado pela Universidade Duke, nos Estados Unidos, revelou que o ofício pastoral pode causar danos graves à saúde do pastor. A pesquisa realizada entre pastores da Carolina do Norte mostrou que o fato de eles se preocuparem excessivamente com os fiéis pode levá-los a adquirir doenças crônicas e depressão.

Rae Jean Proeschold-Bell, diretor de pesquisas e professor no Instituto de Saúde Global da Universidade de Duke, comentou sobre o resultado do estudo, “Os pastores reconhecem a importância de cuidar de si mesmos, mas, isso fica em segundo plano quando comparado com as suas responsabilidades profissionais, que inclui cuidar da comunidade”.

Os números da pesquisa revelam que mais de 10% dos pastores são depressivos, o que representa quase a metade da média nacional, e ainda tem os que adquirirem doenças crônicas como diabetes, asma, artrite e hipertensão. Além da má alimentação, a pressão interna para que o pastor seja exemplo, viva fielmente, apoie a comunidade, etc, contribuem para a evolução das doenças.

Outros estudos semelhantes já foram realizados, como por exemplo, um feito pela Igreja Luterana, que apresentou resultados parecidos, apontando vários pastores com problemas de saúde física e mental.

Fonte: Gospel+

 

Cresce o número de evangélicos sem denominação e em igrejas pequenas

10 de julho de 2012 

 

De acordo com o Censo, que publicou os números sobre a religião no Brasil, o número de evangélicos sem laços com alguma igreja específica aumentou mais de quatro vezes na última década, enquanto a quantidade de fiéis que frequentam templos menores cresceu 62% nesse período.

Em São Paulo, esses evangélicos somam o 825 mil fiéis, e são reesposáveis por 96% do crescimento do rebanho evangélico da capital do estado. Na conta do censo entraram conta os que se dizem apenas evangélicos, sem especificar a igreja ou a corrente, os que frequentam cultos diferentes e os que fazem parte de pequenas igrejas não pentecostais.

Em São Paulo, o crescimento dos evangélicos não determinados perde para os católicos e os sem religião, mas ultrapassaram a Assembleia de Deus, denominação evangélica que tem o terceiro maior rebanho do País.

Ronaldo de Almeida, antropólogo da Unicamp e do Cebrap, esse crescimento tem muita influência no fato de que os evangélicos estão mais desligados das denominações

- Há uma diversificação e uma maior infidelidade a uma instituição específica. O sujeito ainda se identifica principalmente como evangélico, mas hoje ele molda sua experiência religiosa. Quando quer ouvir um louvor com mais música, vai a uma igreja, quando quer cura, vai à outra, quando busca mensagem espiritual mais forte, busca outras – afirmou o antropólogo.

De acordo com o Estadão, a professora Diana Nogueira, da Universidade Estadual do Rio de Janeiro, também comentou o crescimento, e fez um paralelo com pessoas que querem perder peso e vão migrando de médico em médico,

O vereador evangélico Carlos Apolinário (DEM) também comentou a pesquisa: – O crescimento das igrejas evangélicas menores é muito visível. São as chamadas comunidades. Seus fundadores são pastores que já pertenceram a igrejas evangélicas maiores.

Fonte: Gospel+

 

Entre os anos 2000 e 2010, população evangélica cresceu 61%, afirma IBGE. Confira dados

29 de junho de 2012 

 

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou dados comparativos entre os censos realizados nos anos 2000 e 2010 sobre religião, e apontou crescimento de 61,45% dos evangélicos nos últimos dez anos.

De acordo com o comparativo, no ano 2000, cerca de 26,2 milhões de brasileiros se declaravam evangélicos, quantidade correspondente a 15,4% da população, e no ano de 2010, a quantidade de brasileiros que se identificaram como evangélicos saltou para 42,3 milhões, ou 22,2% da população do país. Nos dados do censo de 1991, o percentual de evangélicos na população brasileira era de 9%.

Mesmo com esse crescimento, a maioria da população brasileira ainda é católica, embora a perda de fiéis proporcionalmente ao crescimento da população seja constante. Desde o ano em que foi realizado o primeiro censo, 1870, os católicos eram 99,7% da população, e em 2010, somam 73,6% dos brasileiros, de acordo com informações do G1.

O crescimento dos evangélicos está diretamente ligado à diminuição da quantidade de católicos, e nas regiões Norte e Nordeste, o dado comparativo do IBGE aponta com maior clareza esses números.

Entre 2000 e 2010, a maior redução percentual de católicos foi na região Norte, que passou de 71,3% para 60,6% da população, enquanto que os evangélicos saltaram de 19,8% para 28,5%.

Já na região Nordeste, os evangélicos cresceram de 10,3% da população, para 16,4% nos últimos dez anos.

O estado brasileiro com menor percentual de católicos é o Rio de Janeiro, com 45,8%. O estado fluminense também registrou a maior concentração de espíritas do Brasil, com 4% da população.

O estado brasileiro que registra a maior concentração de evangélicos, proporcionalmente, é Rondônia, onde 33,8% dos habitantes se declararam adeptos da doutrina evangélica. O estado do Piauí foi onde a menor presença de evangélicos foi registrada, com 9,7%.

O IBGE divulgou também, dados comparativos entre religião e formação escolar, e dentre os evangélicos, 6,2% não possuem instrução, e 42,3% afirmam ter o ensino fundamental incompleto.

pastor Márcio de Souza comentou a divulgação dos dados e demonstrou preocupação com os reais motivos do crescimento: “Por trás dessa explosão demográfica evangélica, devemos pensar no que tem gerado esse crescimento em nosso meio. Será a ‘fama’ de que crente prospera ou o afã de responder o chamado divino para a ‘Missio dei’? Será que estamos atentando muito para a quantidade e deixado a qualidade de lado?”, questiona Souza.

Segundo o colunista do Gospel+, o parâmetro para visualizar os efeitos do crescimento dos evangélicos é a realidade social: “Um bom termômetro para isso é olhar a situação de desigualdade social e injustiça no país. Quando Calvino pregou o evangelho em Genebra, a cidade deixou de ser um pulgueiro onde pessoas jogavam fezes pelas janelas de casa e passou a ser uma referência de civilidade, justiça social e respeito ao direito do outro. Sem contar que o trabalho foi dignificado e reconhecido como ferramenta de Deus para nos prosperar”, observa.

Para Márcio, o crescimento em números dos evangélicos não tem refletido na sociedade de forma que a transforme: “Hoje, somos 42 milhões e os lixões continuam cheios de crianças sendo exploradas, gente brigando com cães e urubus o pão de cada dia, as favelas continuam a se multiplicar, o tráfico de drogas continua a recrutar nossos meninos e o nosso índice com relação à distribuição de renda e desenvolvimento humano só não é pior que o de Serra Leoa e algumas republiquetas africanas. Se o Evangelho vigente no Brasil seguisse a doutrina dos apóstolos, o país seria outro. Não teríamos pastores milionários e crianças famintas. precisamos pensar se não estamos transformando lobos em bodes ao invés de ovelhas”, critica o pastor.

Para ler a íntegra do artigo “Explosão Evangélica! Somos 42 milhões! E dai?”, de Márcio de Souza em sua página, acesse este link.

De acordo com o censo, o número de pessoas sem religião cresceu entre os anos 2000 e 2010, passando de 12,5 milhões para 15 milhões.

Confira abaixo, infográficos retirados do site Estadão Dados, com comparativos entre a quantidade e crescimento de adeptos da religião evangélica com as outras religiões no Brasil, entre os anos 1940 e 2010:

 

Gráfico comparativo de religiões entre os anos 1940 e 2010

 

Status atual das religiões no Brasil

Fonte: Gospel+

 

Criticando participação de igrejas nas eleições, pastor Ariovaldo Ramos afirma que “igreja não faz política partidária”

30 de junho de 2012 

 

Com a iminência das eleições municipais desse ano, um dos assuntos que mais vem sendo discutidos é a participação da igreja evangélica no processo eleitoral. Em diversas cidades, como o Rio de Janeiro, o apoio de igrejas evangélicas já é considerado um ponto estratégico importante para os candidatos.

Diante dos constantes apoios de pastores a partidos e candidatos, o pastor Ariovaldo Ramos deu uma declaração rechaçando os líderes cristãos que fazem alianças políticas em nome das instituições religiosas que representam. De acordo com o pastor, a Igreja não deve se envolver diretamente nos processos eleitorais.

- A Igreja se mantém isenta, porque é a palavra de profecia, ética e moral. Nosso envolvimento com a política é com ‘P’ maiúsculo, nunca política partidária. – afirmou o pastor, durante a Marcha para Jesus em Guarulhos, na última semana.

Pastor da Igreja Batista Água Branca ao lado de Ed René Kvitz, Ariovaldo Ramos é também escritor, teólogo e diretor da Faculdade Latino-Americana de Teologia Integral (FLAM).

De acordo com o site Creio, o pastor “detonou” os pastores que fazem alianças partidárias, e orientou os líderes cristãos a exortarem suas ovelhas a fazer política em prol da melhoria do cidadão, discutindo pontos importantes para suas cidades.

Fonte: Gospel+

 

Aplicativo de celular pretende substituir cultos religiosos

 

Os aplicativos são ferramentas de telefonia móvel que a cada dia ficam mais populares. Qualquer pessoa que use um smartphone pode ter acesso fácil ao painel de controle web para fazer diversas coisas, inclusive ir à igreja. Ou melhor, levar a igreja consigo onde ela estiver.

O serviço Your Mobile Church é como o nome indica, uma igreja móvel. As pessoas terão a igreja na ponta dos dedos, literalmente, podendo de uma maneira fácil ouvir ou assistir sermões, fazer um pedido de oração, ouvir a leitura diária da Bíblia ou até mesmo enviar seu dízimo ou oferta através de uma mensagem de texto.

Por um tempo limitado, a empresa está oferecendo o aplicativo para celular gratuitamente, desejando com isso que as igrejas se ofereçam para prover conteúdo. Parte do serviço é o Mopin, uma carteira virtual que permite que os membros da igreja possam facilmente fazer ofertas através de uma simples mensagem de texto, o valor poderá vir na próxima conta do celular ou do cartão de crédito.

Ao combinar esses serviços de mensagens de texto, Internet e aplicativo, as igrejas podem dizer que chegaram no século 21, afirma o site da empresa.

“Sendo uma igreja de tamanho médio, não podíamos pensar em ter um aplicativo por causa do custo que isso gera… No entanto, nossa igreja está cheia de jovens e eu sabia que precisávamos de algo assim”, explica o pastor Shan Smith da Igreja Cristã Ágape. “Esses serviços online, os membros de nossa igreja poderão agora manter-se informados de todas as atividades da igreja em seu telefone. Além disso, eu posso enviar a eles versículos e meditações diárias através de mensagem de texto”, concluiu.

Depois de anos servindo ao mercado de igrejas com diferentes serviços na área de software, a BGW lançou www.yourmobilechurch.com em janeiro deste ano, entendendo que muitas pessoas por um motivo ou outro não vão ao culto no domingo mas mesmo assim saberão o que está acontecendo e poderão participar da igreja de maneira “virtual”.

Traduzido e adaptado de Christian News Wire

 

Secretaria do Meio Ambiente de João Pessoa discute poluição sonora causada por igrejas evangélicas

16 de junho de 2012 

 

Na última semana foi discutida na Câmara Municipal de João Pessoa (PB), a criação de um Termo de Ajustamento de Conduta para tratar do barulho emitido por igrejas evangélicas na cidade.

Se reuniram para tratar do assunto na Câmara Municipal da capital paraibana, diversos pastores e representantes da Secretaria Municipal de Meio Ambiente (SEMAM), na ocasião foram discutidas as denúncias de poluição sonora provocada pelos templos evangélicos.

A audiência pública foi proposta pela vereadora Eliza Virgínia (PSDB), que lembrou que a Igreja tem papel fundamental para a sociedade e enfatizou que os Templos são ponto de transformação de vidas. Segundo Eliza, os hospitais tratam dos ferimentos físicos, enquanto as Igrejas “são hospitais das almas, pois, ao aceitar a palavra de Jesus, o ser se modifica”.

“Nossa conversa pretende mostrar a situação de forma ordeira e pacífica. Igrejas vêm sofrendo com as visitas da Semam, que muitas vezes não são amistosas. As Igrejas têm a manifestação de fé resguardada por lei, com a proteção dos locais de cultos religiosos. Nós observamos que não existem denúncias de bares, shows e carros. A Igreja está sofrendo constrangimento, e esperamos conhecer as normas que regem esse tema”.

De acordo com o site Mais PB, participaram também da discussão o Pastor Edmílson (PRB), que secretariou os trabalhos, e os seguintes representantes: da Semam, Maria Aparecida Correia; do Batalhão Ambiental e a Superintendência Estadual do Meio Ambiente (Sudema), capitão Tibério; da delegacia do Meio Ambiente, Erick Germano; e o procurador da Sudema, André Batista.

Correia enfatizou as denúncias de poluição sonora, disse que e necessário que se respeite o nível de decibéis permitido, que é aferido nos locais onde surgem denúncias para garantir proteção acústica para a população.

“A emissão de ruído acima do permitido por lei é maléfica não só para o aparelho auditivo, como também para todo o organismo humano. As pessoas que estão fora de determinados eventos estão protegidas da poluição sonora pela legislação. Sou favorável à manifestação de cultos religiosos, mas dentro das normas estabelecidas, mesmo porque as pessoas que participam dos eventos também sofrerão com os efeitos desse som acima do permitido”, esclareceu André Batista, frisando que apesar de serem resguardados pela lei, os cultos evangélicos não podem se opor a outras legislações.

Os pastores presentes ressaltaram a importância da Igreja para a sociedade, e cobraram o respeito à liberdade de culto religioso. Os líderes religiosos pediram também prazos para regulamentação dos templos ao Termo de Conduta.

Fonte: Gospel+

Programa infantil de TV palestina ensina o ódio contra cristãos e judeus. Assista na íntegra

21 de junho de 2012 

 

Um programa infantil transmitido na Palestina chamou a atenção do mundo ao mostrar uma menina recitando um poema de ódio contra cristãos e judeus. Divulgado pela Palestinian Media Watch, o vídeo mostra uma menina recitando um poema em que afirma que os judeus e os cristãos são “inferiores, covardes e desprezíveis”, e apela para que os muçulmanos se levantem contra os seus inimigos.

As traduções para o inglês do programa, originalmente em árabe, foram fornecidas pela Palestinian Media Watch, um instituto de pesquisa israelense que estuda a sociedade palestina, monitorando os seus meios e as mensagens que ele transmite. O instituto descreveu poema da menina como “um poema de ódio”.

De acordo com o The Christian Post, a mesma menina aparece em outro vídeo dizendo: “Nosso inimigo, Sião, é Satanás com uma cauda. Nossa divisão é causada por suas mãos [governantes árabes]. Que suas mãos sejam cortadas. Estamos fartos de nossa divisão, enquanto todas as pessoas estão se unindo”.

Leia na íntegra uma tradução do poema recitado pela menina:

“Os ocupantes roubaram a minha terra e a terra do meu avô.

Onde está a sua espada, Khaled [guerreiro árabe]?

Onde está a vossa coragem, Saladino [conquistador muçulmano]?

Mas ninguém me respondeu onde está… a minha arma eu achei.

Uma pedra eu peguei e joguei contra os inimigos do meu destino.

Eu ensino ao mundo que os muçulmanos em nome de Deus não podem ser derrotados…

Eles nos desafiam com a Casa Branca, e nós os desafiamos com o despertar [islâmico] e a Kaaba [local sagrado em Meca].

Eles não são mais fortes que Khosrau e César [governantes da Pérsia e do império Bizantino].

Eles [os cristãos e judeus] são inferiores e menores, mais covardes e desprezíveis

Eles são os remanescentes das Cruzadas e do Khaibar [aldeia judaica destruída pelos muçulmanos em 629] …

Oh muçulmanos do mundo: Despertem, você tem dormido por muito tempo.

Seus pais e seus filhos estão sendo massacrados, a Al-Aqsa [Mesquita] está contaminada e destruída”.

Fonte: Gospel+

 

Pesquisa revela que evangélicos leem o dobro da população em geral

 21 de junho de 2012 

 

Um estudo realizado recentemente, revelou que os evangélicos brasileiros estão lendo mais. Segundo a pesquisa “Retratos da Leitura no Brasil”, incentivados pela leitura bíblica, os evangélicos leem o dobro da população em geral.

É o caso da contabilista Carolina Dias, que contou um pouco da sua experiência com a leitura, “De fato, conforme você vai lendo, vai querendo saber mais. Acredito que isso aconteça com aqueles que desejam conhecer mais a Deus. Foi o que aconteceu comigo. Eu não gostava mesmo de ler, mas, a partir da leitura da Bíblia, que foi escrita por homens inspirados por Deus, também comecei a ler outros livros que complementasses os ensinamentos.”, relata a jovem de 25 anos.

A perspectiva de crescimento é ainda maior, só no Brasil, são produzidas cerca de 8,5 milhões de Bíblias por ano. O comércio de livros evangélicos também tem crescido expressivamente, principalmente por causa da ascensão da classe C e também pelo crescimento da população evangélica no país.

Segundo informações da Câmara Brasileira de Livros (CBL), o segmento de livros evangélicos representou 14,7% no índice de faturamento do mercado no ano de 2011, o que representou um faturamento de R$479 milhões. Já para 2012, a projeção é crescimento, com a previsão de que os livros cristãos alcancem a marca de R$548 milhões de faturamento.

Fonte: Gospel+

 

Levantamento revela que países ricos tem menor número de pessoas que creem em Deus; Proporção é inversa nos países menos desenvolvidos

02 de maio de 2012 

Um levantamento realizado entre 1991 e 2008 apontou a proporção de ateus e religiosos pelo mundo, e como resultado, chegou-se à conclusão de que quanto mais rico é o país, maior o número de ateus.

A exceção do estudo feito com base nos dados da pesquisa realizada pela Universidade de Chicago foi os Estados Unidos. O país é o quarto colocado na lista de nações com maior Índice de Desenvolvimento Humano, e possui alto número de pessoas que acreditam em Deus: 60%.

Em média, a percentagem de pessoas que tem fé em Deus nos países desenvolvidos é de 28%, enquanto que a média das pessoas que acreditam em Deus e que vivem em países com menor índice de desenvolvimento é de 53%.

Em relação a ateus, a média é proporcionalmente oposta. Nos países mais ricos, o número de ateus é de 15% em média, contra 7% nos países menos desenvolvidos.

De acordo com informações do site HypeScience, o levantamento não incluiu dados relativos ao Brasil, pois a Universidade de Chicago escolheu 30 países de acordo com critérios pré-estabelecidos e não revelou esses critérios em seu relatório.

Fonte: Gospel+

 

Ministério cristão lança ao espaço uma cruz, que ficará orbitando em torno da Terra

26 de maio de 2012

 


No último dia 22 a empresa Space Exploration Technologies (SpaceX), foi a primeira a lançar foguete privado rumo à Estação Espacial Internacional. A espaçonave SpaceX Falcon 9 é um cargueiro que está levando suprimentos para a Estação Espacial, e entre a carga de mais de meia tonelada de comida, água e mantimentos, a SpaceX levou também uma cruz, que foi lançada em órbita ao redor da Terra.

O lançamento da cruz foi financiado pelo ministério fundado por Arthur Blessitt, que está no livro Guiness dos Recordes por ter feito a maior caminhada de todos os tempos. Entre 1969 e 1999 ele andou mais de 53000 quilômetros ao redor do mundo, carregando uma cruz, quando passou por todos os continentes, visitando 278 países; 49 dos quais em guerra.

O feito de Blessitt lhe rendeu fama e foi tema de um documentário, mas ele diz que seu objetivo era apenas glorificar a Deus. “A cruz é o sinal do amor de Jesus, que morreu na cruz e derramou seu sangue por nossos pecados”, afirma.

O plano de colocar uma cruz em órbita se concretizou na terceira tentativa realizada pelo ministério de Blessitt. A primeira tentativa, em 2001 foi cancelada pela empresa no último momento, na segunda, que ocorreu em agosto de 2008, uma pequena cruz, uma Bíblia e adesivos com o nome de Jesus partiram em um foguete e chegaram a alcançar 217 quilômetros de altura, em um módulo que voltou à terra pouco tempo depois. Agora, a cruz foi embarcada como carga secundária no segundo estágio do Falcon, o módulo “Celestis”, e deve ficar em órbita por cerca de um ano.

De acordo com o Christian News Wire, para lançar a cruz ao espaço o ministério de Blessitt pagou cinco mil dólares para a SpaceX, cobrindo os custos de combustível para o peso extra. Arthur Belessit afirma em seu site que o objetivo desse ato é dizer: “Do Senhor é a terra e tudo que nela há” (Salmo 24:1) e demostrar que “O sinal do Filho do Homem deve aparecer no céu” (Mateus 24:30).

Fonte: Gospel+

 

Cristãos são absolvidos de prisão perpétua no Paquistão

22 de maio de 2012

 

No Paquistão, um casal de cristãos foi absolvido em um processo onde foram estavam sendo julgados acusados de profanar o Alcorão e insultar o profeta Maomé, na cidade de Mustafabad, distrito de Kasur. Munir Masih e sua esposa Ruqayya pegariam prisão perpétua, caso fossem condenados, mas, a juíza da Alta Corde de Lahore, Mazhar Ali Akbar Naqvi, aceitou o recurso do casal por não haver sido provada a acusação.

A acusação feita pelo vizinho Muhammad Nawaz, teria sido causada após uma briga entre os filhos dos cristãos com a família de Nawaz, como uma forma de vingança pelo ocorrido. O caso foi julgado em 2010, quando o casal foi condenados à prisão perpétua, por terem profanado o Alcorão. Após o resultado desfavorável, Munir Masih e Ruqayya recorreram à Alta Corte de Lahore, afirmando serem inocentes no caso.

O advogado do casal, Shakir, relatou como aconteceu “em 02 de março de 2010 o juiz Muhammad Hussain Ajmal absolveu o casal da acusação da Seção 295-C, mas lhes atribuiu prisão perpétua sob a Seção 295-B”. “Durante o julgamento, nenhuma testemunha depões contra o casal sobre as acusações de blasfeme”, explicou Shakir. Os artigos citados pelo advogado referem-se à lei de blasfêmia do Paquistão.

A pena que já havia sido estabelecida no primeiro julgamento foi anulada, já que os promotores de justiça não encontraram nenhuma evidência plausível para condenar o casal.

Fonte: Gospel+

 

Pesquisa revela redução de cristianismo e aumento de novas religiões no mundo

23 de maio de 2012

 

Uma pesquisa divulgada no Boletim Internacional de Pesquisa Missionária, criado pelo professor Davi Barret, revelou a redução percentual do cristianismo no mundo assim como o crescimento de novas religiões.  De acordo com os índices revelados, religião cristã, que tinha 34,5% de adeptos no início do século passado, atualmente está com 33,1%, uma perda de 1,4%.

Davi Barret é professor da Universidade Regent e trabalha com a análise dos dados sobre as religiões em todo o mundo. Os dados atuais apontaram que atualmente há mais de 2 milhões de cristãos no mundo, dentre os quais mais da metade são católicos. Os protestantes contabilizam mais de 350 milhões, em todo o mundo, dentre os quais, 80 milhões são anglicanos.

A pesquisa ainda revelou dados sobre a quantidade de templos cristãos no mundo, que somam hoje aproximadamente 3,5 milhões. A média de publicação de Bíblias ou de parte dela também mostrou a impressionante marca de 59 milhões de exemplares impressos anualmente. Outra marca surpreendente do estudo é sobre a quantidade de denominações cristãs, atualmente são mais de 35 mil em todo o mundo.

Mas, a pesquisa ainda trouxe dados sobre o Islã, que é a religião que mais cresce no mundo atualmente, contabilizando mais de 1,2 bilhão de seguidores, e a previsão é que no ano de 2025 o mundo tenha mais de 1,8 bilhão de muçulmanos. Já as novas religiões também tem apresentado um crescimento alto, atualmente somam mais de 10 mil, e a estimativa é que nos próximos quinze anos ultrapassem as 15 mil.

Fonte: Gospel+

 

Sociedade Bíblica do Brasil comemora 50 anos do programa “Luz na Amazônia”

12 de maio de 2012

 

O programa Luz na Amazônia, criado pela Sociedade Bíblica do Brasil (SBB), está completando 50 anos de existência. A instituição comemora o sucesso do projeto iniciado em 1962, com o objetivo de dar assistência médica, social e espiritual à população ribeirinha da região amazônica.

Para atender a população carente o programa conta com dois barcos-ambulatórios, que navegam pela bacia amazônica para dar assistência aos ribeirinhos. O “Barco da Bíblia Luz na Amazônia II” e o barco “Luz na Amazônia III” realizam viagens periódicas com roteiros programados, visando principalmente regiões mais isoladas e onde há mais carência.

Acyr de Gerone Junior, secretário regional da SBP, explica, que “A atuação do programa Luz na Amazônia só pode ser devidamente compreendida e analisada se levado em conta o contexto geográfico e social em que se encontra. A região Amazônica é marcada por um contraste que evidencia uma área rica de recursos e uma população em sua maioria pobre. Essa extrema carência é revelada em situações como no baixo Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), as altas taxas de mortalidade infantil e as mais baixas expectativas de vida”.

O objetivo inicial do programa, na década de 60, era apenas a distribuição de Bíblias, entretanto, logo perceberam a extrema carência da população e o programa passou a ser uma ação filantrópica.

Lourenço da Silva Oliveira, um dos beneficiados pelo projeto, explica como teve sua vida transformada através do programa, “Para nós, o Luz na Amazônia significa uma luz de verdade. Meu primeiro contato com a Bíblia e o primeiro atendimento médico que eu tive foi por meio do programa. A Bíblia na vida de qualquer ser humano é tudo, ensina a viver uma vida nova. Hoje em dia já me sinto uma pessoa civilizada.”. Lourenço é lavrador e mora em Igarapé de Genipaúba, município de Acará, Pará.

Roselene de Oliveira, moradora do mesmo local, revela que lê diariamente a Bíblia, “Hoje tenho Deus no coração. Nunca vou esquecer que vocês salvaram a vida do meu filho. Vocês deram o tratamento, deram remédio, me ensinaram como cuidar melhor dele no dia-a-dia. Levanto as mãos para o céu e agradeço por aquele dia”.

Fonte: Gospel+

Estudo mostra que cerca de 1,5 mil pastores abandonam o ministério pastoral todos os meses

11 de maio de 2012

 

O jornalista Marcelo Brasileiro publicou uma matéria na revista Cristianismo Hoje na qual falou sobre a quantidade crescente de pastores que abandonam o ministério pastoral por não suportarem as cobranças que esse sacerdócio exige.

A reportagem aponta pesquisas como a realizada pelo ministério LifeWay, que aponta que apesar de se sentirem privilegiados pelo cargo que ocupavam (item expresso por 98% dos entrevistados), mais da metade dos pastores entrevistados, ou 55%, afirmaram que se sentiam solitários em seus ministérios e concordavam com a afirmação “acho que é fácil ficar desanimado”.

Outra pesquisa sobre o tema é a do Instituto Francis Schaeffer, que revelou que, no último ano, cerca de 1,5 mil pastores têm abandonado seus ministérios todos os meses por conta de desvios morais, esgotamento espiritual ou algum tipo de desavença na igreja. Em uma das maiores denominações pentecostais do país, a Igreja do Evangelho Quadrangular (IEQ), cerca de 70 pastores saíram da igreja por mês desde o ano passado.

Não se trata de pessoas que abandonam a fé cristã, mas de líderes que deixam o púlpito por não suportarem o as exigências do cargo.

Temos como exemplo o pastor José Nilton Lima Fernandes, 41 anos, que durante todo o ano de 2011 esteve de licença e afirma que essa experiência lhe mostrou que é possível servir ao ministério pastoral sem estar dirigindo uma igreja. “Não acredito mais que um ministério pastoral só possa ser exercido dentro da igreja, que o chamado se aplica apenas dentro do templo. Quebrei essa visão clerical”, explica.

“Eu entrei num processo de morte. Adoeci e tive que procurar ajuda médica para me restabelecer”, completou o pastor, que conta ter pedido licença da sua função na Igreja Presbiteriana Independente (IPI) no final de 2010, depois de quase 15 anos enfrentando problemas.

Atualmente Nilton está casado novamente e retomou seu trabalho como pastor em uma IPI da zona leste da capital paulista.          Fonte: Gospel+

Educação Religiosa agora inclui paganismo e bruxaria nas escolas da Inglaterra

Na Inglaterra, uma alteração na grade curricular das escolas da cidade de Cornwall County tem causado polêmica, temas como paganismo, bruxaria e druidismo foram inseridos na disciplina de Educação Religiosa e passarão a ser ensinados em sala de aula. A intenção é que os alunos aprendam sobre as antigas crenças das Ilhas Britânicas, que existem desde antes do cristianismo.

Conforme noticiou o Daily Mail, assuntos como aspectos de feitiçaria, adoração aos deuses de várias regiões, dentre outros, serão repassados aos alunos, porém, o cristianismo ainda continuará como tema dominante.

O novo programa foi implementado após a reivindicação de um gruo de adeptos do paganismo e druidismo, solicitando ao Conselho Municipal de Cornwall County que inserissem as religiões na grade curricular e com o mesmo nível de ensino de outras religiões como cristianismo, islamismo e judaísmo. O programa exige que 40% do conteúdo seja dedicado às crenças pagãs e não cristãs.

O texto do programa cita, “É claro que o cristianismo deve predominar em cada etapa chave e deve figurar em nada menos que 60% da educação religiosa ensinada. As outras religiões devem ocupar não mais que 40% do tempo de RE sobre o palco principal”.

Instituições cristãs se manifestaram contra a mudança, Mike Judge, porta-voz do Christian Institute citou, “A educação religiosa já é resumida, não há tempo suficiente para cobrir o cristianismo e as outras grandes religiões”, “Apresentar o paganismo é apenas modismo e tem mais a ver com o politicamente correto dos professores do que com as necessidades educativas das crianças”, argumentou.

Já Neil Burden, membro do conselho de gabinete da prefeitura, explicou que o cristianismo ainda representa maioria na educação religiosa no currículo, e que a inclusão de estudos pagãos simplesmente permite aos estudantes o acesso ao conhecimento de outras crenças religiosas.

Um censo realizado em 2001 na Inglaterra e em todo o Reino Unido identificou mais 42.000 pagãos em todo o território, mas, estima-se que este valor já tenha crescido.

Fonte: Gospel+

29 de abril de 2012

 

 

Diretor da BBC afirma que a rede jamais zombaria de Maomé como zomba de Jesus

09 de março de 2012

 

O diretor geral da rede britânica BBC, Mark Thompson, deu uma declaração na qual afirmou que a rede nunca zombaria de Maomé como zomba de Jesus.

Thompson afirmou que um insulto contra Maomé poderia ter a “força emocional” de “pornografia infantil grotesca”, atraindo muita revolta e fúria do público. O executivo da rede de comunicações disse ainda que Jesus é alvo fácil de zombarias, sem maiores consequências, porque o Cristianismo tolera tudo.

“A questão é que para um muçulmano, uma representação teatral, particularmente uma representação cômica ou humilhante, do profeta Maomé pode ter a força emocional de uma peça de pornografia infantil grotesca”, afirmou, durante uma entrevista para um projeto de pesquisa na Universidade de Oxford.

Segundo o The Christian Institute, a rede britânica já havia se envolvido em uma polêmica semelhante em 2011, quando o jornalista Peter Sissons afirmou que, na empresa, era proibido ofender muçulmanos, mas que os cristãos poderiam ser “alvo fácil de zombarias e insultos”.

Fonte: Gospel+

 

Rev. Carlos Calvani critica os “autointitulados apóstolos” e afirma: “Dentro de alguns dias teremos também ‘anjos’, ‘arcanjos’, ‘querubins’ e ‘serafins’

25 de abril de 2012

 

O reverendo Carlos Eduardo B. Calvani publicou artigo em tom de “desabafo” sobre os atuais seminaristas que se matriculam para formarem-se teólogos e posteriormente serem ordenados ao ministério pastoral.

Segundo Calvani, a falta de preparo atingiu um nível alarmante: “Tristemente, observo que nunca houve safras tão fracas de vocacionados como nos últimos três anos”, afirma.

O pastor anglicano e professor seminarista afirma que os “vocacionados” chegam aos estudos sem a menor base bíblica: “No início de meu ministério docente, recordo-me que os alunos chegavam aos seminários bastante preparados biblicamente, com uma visão teológica razoavelmente ampla, com conhecimentos mínimos de história do cristianismo e com uma sede intelectual muito grande por penetrar no fascinante mundo da teologia cristã. Ultimamente, porém, aqueles que se matriculam em Seminários refletem a pobreza e mediocridade teológica que tomaram conta de nossas igrejas evangélicas”, critica.

Calvani relata que “a grande maioria dos novos vocacionados chega aos Seminários influenciada pelos modismos que grassam no mundo evangélico” e lamenta que tais “modismos” levem jovens a se autointitularem “apóstolos”, e emenda: “Dentro de alguns dias teremos também ‘anjos’, ‘arcanjos’, ‘querubins’ e ‘serafins’. No dia em que inventarem o ministério de ‘semi-deus’ já não precisaremos mais sequer da Bíblia”.

O mercado gospel é apontado por Calvani como um dos fatores que modificaram a igreja e sua liturgia: “Muitas pessoas vão à Igreja muito mais por causa do ‘louvor’ do que para ouvir a Palavra que regenera, orienta e exige de nós obediência”. O reverendo lamenta o crescimento do mercado gospel aponto de “enriquecer os ‘artistas’ e insuflar seus egos”.

Calvani ironiza: “Trata-se da “xuxização” (“todo mundo batendo palma agora… todo mundo tá feliz? tá feliz!”) do mundo evangélico, liderada pelos ‘levitas’ que frequentemente aprisionam ideologicamente os ministros da Palavra”.

O reverendo anglicano alerta para o fato de que a subcultura gospel pode formar pessoas intolerantes social e religiosamente, e teme pela provável maioria evangélica na população brasileira no futuro.

“Um aluno disse-me que, no dia em que os evangélicos tomarem o poder no Brasil acabarão com o carnaval, as ‘folias de rei’, os cinemas, bares, danceterias etc. Assusta-me o fato de que o desenvolvimento dessa sub-cultura ‘gospel’ torne o mundo evangélico tão guetizado que, se um dia, realmente os evangélicos tomarem o poder na sociedade, venham a desenvolver uma espécie de ‘Talibã evangélico’. Tal como as estátuas do Buda no Afeganistão, o ‘Cristo Redentor’ estará com os dias contados”.

Confira abaixo a íntegra do artigo “Sobre levitas, apóstolos e outros modismos”, do reverendo Carlos Eduardo B. Calvani:

Sou um professor de Teologia em crise com a dificuldade que eu e outros colegas enfrentamos nos últimos anos diante dos novos seminaristas enviados para as faculdades de teologia evangélica. Tenho trabalhado como Professor em Seminários Evangélicos desde 1991 e, tristemente, observo que nunca houve safras tão fracas de vocacionados como nos últimos três anos.

No início de meu ministério docente, recordo-me que os alunos chegavam aos seminários bastante preparados biblicamente, com uma visão teológica razoavelmente ampla, com conhecimentos mínimos de história do cristianismo e com uma sede intelectual muito grande por penetrar no fascinante mundo da teologia cristã. Ultimamente, porém, aqueles que se matriculam em Seminários refletem a pobreza e mediocridade teológica que tomaram conta de nossas igrejas evangélicas.

Sempre pergunto aos calouros a respeito de suas convicções em relação ao chamado e à vocação. Pois outro dia, um calouro saiu-se com a brilhante resposta: “não passei em nenhum vestibular e comecei a sentir que Deus impedira meu acesso à universidade a fim de que eu me dedicasse ao ministério”…

A grande maioria dos novos vocacionados chega aos Seminários influenciada pelos modismos que grassam no mundo evangélico. Alguns se autodenominam “levitas”. Outros, dizem que estão ali porque são vocacionados a serem “apóstolos”. Ultimamente qualquer pessoa que canta ou toca algum instrumento na Igreja, se autodenomina “levita”. Tento fazê-los compreender que os levitas, na antiga aliança, não apenas cantavam e tocavam instrumentos no Templo, como também cuidavam da higiene e limpeza do altar dos sacrifícios (afinal, muito sangue era derramado várias vezes por dia), além de constituírem até mesmo uma espécie de “força policial” para manter a ordem nas celebrações.

Porém, hoje em dia, para os “novos levitas” basta saber tocar três acordes e fazer algumas coreografias aeróbicas durante o louvor para se sentirem com autoridade até mesmo para mudar a ordem dos cultos. Outros há, que se auto-intitulam “apóstolos”. Dentro de alguns dias teremos também “anjos”, “arcanjos”, “querubins” e “serafins”. No dia em que inventarem o ministério de “semi-deus” já não precisaremos mais sequer da Bíblia.

Nunca pensei que fosse escrever isso, pois as pessoas que me conhecem geralmente me chamam de “progressista”. Entretanto, ultimamente, ando é muito conservador. Na verdade, “saudosista” ou “nostálgico” seriam expressões melhores. Tenho saudades de um tempo em que havia um encadeamento lógico nos cultos evangélicos, em que os cânticos e hinos estavam distribuídos equilibradamente na ordem do culto. Atualmente os chamados “momentos de louvor” mais se assemelham a shows ensurdecedores ou de um sentimentalismo meloso. Pior: sobrepujam em tempo e importância a centralidade da Palavra e da Ceia nas Igrejas Protestantes. Muitas pessoas vão à Igreja muito mais por causa do “louvor” do que para ouvir a Palavra que regenera, orienta e exige de nós obediência. Percebo que alguns colegas pastores de outras igrejas freqüentemente manifestam a sensação de sentirem-se tolhidos e pressionados pelos diversos grupos de louvor. O mercado gospel cresceu muito em nosso país e, além de enriquecer os “artistas” e insuflar seus egos, passou a determinar até mesmo a “identidade” das igrejas evangélicas. Trata-se da “xuxização” (“todo mundo batendo palma agora… todo mundo tá feliz? tá feliz!”) do mundo evangélico, liderada pelos “levitas” que freqüentemente aprisionam ideologicamente os ministros da Palavra. O apóstolo Paulo dizia que a Palavra não está aprisionada. Mas, em nossos dias, os ministros da Palavra, estão – cativos da cultura gospel.

Tenho a impressão de que isso tudo é, em parte, reflexo de um antigo problema: o relacionamento do mundo evangélico com a cultura chamada “secular”. Amedrontados com as muitas opções que o “mundo” oferece, os pais preferem ter os filhos constantemente sob a mira dos olhos aos domingos, ainda que isso implique em modificar a identidade das Igrejas. E os pastores, reféns que são dos dízimos de onde retiram seus salários, rendem-se às conveniências, no estilo dos sacerdotes do Antigo Testamento. Um aluno disse-me que, no dia em que os evangélicos tomarem o poder no Brasil acabarão com o carnaval, as “folias de rei”, os cinemas, bares, danceterias etc. Assusta-me o fato de que o desenvolvimento dessa sub-cultura “gospel” torne o mundo evangélico tão guetizado que, se um dia, realmente os evangélicos tomarem o poder na sociedade, venham a desenvolver uma espécie de “Talibã evangélico”. Tal como as estátuas do Buda no Afeganistão, o “Cristo Redentor” estará com os dias contados.

Esses jovens que passam o dia ouvindo rádios gospel e lendo textos de duvidosa qualidade teológica, de repente vêm nos Seminários uma grande oportunidade de ascensão profissional e buscam em massa os seminários. Nunca houve tanta afluência de jovens nos seminários como nos últimos anos. Em um seminário em que trabalhei, os colegas diziam que a Igreja, em breve teria problemas, pois o crescimento da Igreja não era proporcional ao número de jovens que todos os anos saíam dos Seminários, aptos para o exercício do ministério. A preocupação dos colegas era: onde colocar todos esses novos pastores? Na minha ingenuidade, sugeri que seria uma grande oportunidade missionária: enviá-los para iniciarem novas comunidades em zonas rurais e na periferia das cidades. Foi então que um colega, bastante sábio, retrucou: “Eles não querem. Recusam-se! Querem as Igrejas grandes, já formadas e estabelecidas, sem problemas financeiros”.

Na maioria dos Seminários hoje, os alunos sabem o nome de todas as bandas gospel, mas não sabem quem foi Wesley, Lutero ou Calvino. Talvez até já tenham ouvido falar desses nomes, mas são para eles, como que personagens de um passado sem-importância e sobre o qual não vale a pena ler ou estudar. Talvez por isso eu e outros colegas professores nos sintamos hoje em dia como que “falando para as paredes”. Nem dá gosto mais preparar uma aula decente, pois na maioria das vezes temos sempre que “voltar aos rudimentos da fé” e dar aos vocacionados o leite que não recebem nas Igrejas. Várias vezes me vi tendo que mudar o rumo das aulas preparadas para falar de assuntos que antes discutíamos nas Escolas Dominicais. Não sei se isso acontece em todos os Seminários, mas em muitos lugares, o conteúdo e a profundidade dos temas discutidos pouco difere das aulas que ministrávamos na Escola Dominical para neófitos.

Sei que muitos que lerem esse desabafo, não concordarão em nada com o que eu disse. Mas não é a esses que me dirijo, e sim aos saudosistas como eu, nostálgicos de um tempo em que o cristianismo evangélico no Brasil era realmente referencial de uma religiosidade saudável, equilibrada e madura e em que a Palavra lida e proclamada valia muito mais que o último CD da moda.

Rev. Carlos Eduardo B. Calvani é pastor anglicano e coordenador do Centro de Estudos Anglicanos.

Fonte: Gospel+

 

Estudo afirma que os filipinos e chilenos são os povos no mundo que mais acreditam em Deus

21 de abril de 2012

 

Um estudo sobre religiões desenvolvido pelo Instituto NORC, da Universidade de Chicago, afirma que os povos que mais acreditam em Deus são os filipinos e os chilenos. De regiões onde o catolicismo é a religião predominante, 94% dos filipinos “sempre” foram fiéis a Deus, de acordo com o estudo, seguidos pelos chilenos (88%).

O estudo, divulgado no último dia 18, mostrou também que os americanos estão em terceiro lugar entre os povos que mais acreditam em Deus, com 81% de sua população. Israel e Chipre completam a lista dos cinco países com maioria dos moradores crentes a Deus, em quarto e quinto lugar, respectivamente. A maioria dos países “com fé” são nações em desenvolvimento e com forte presença católica, afirma o relatório da pesquisa.

O estudo mostrou ainda que nas últimas posições aparecem os alemães da antiga Alemanha Oriental (13%) e os checos (20%), e que a crença em Deus vem diminuindo em todo o mundo, com exceção da Rússia, Eslovênia e Israel. O país com o maior número de ateus é a antiga Alemanha Oriental, com 59% da população descrente, seguidos dos demais países escandinavos e integrantes do bloco comunista do leste europeu, com exceção da Polônia.

A pesquisa se baseou em estudos internacionais realizados em trinta países em 1991, 1998 e 2008.

O relatório da pesquisa mostrou também que a presença da fé é maior entre os idosos. Segundo o The Christian Post, o relatório mostrou que a crença na existência de Deus é maior entre as pessoas que já passaram dos 68 anos, e chega a cair para 23% entre as pessoas entre as pessoas de 27 anos ou menos.

Uma pesquisa semelhante, feita no Brasil pela Instituição Ipsos em abril do ano passado, mostrou que 84% dos brasileiros acreditam em Deus, e que 28% acreditam no paraíso e no inferno.

Sobre a relação dos brasileiros com a religião, uma pesquisa da Datafolha relatou também que 59% dos brasileiros acreditam ao mesmo tempo em Deus e na teoria de Darwin, que é contrária à Bíblia.

Fonte: Gospel+

Ministério Público estipula prazo para que professora que orava antes das aulas se explique sobre a prática

10 de Abril de 2012

 

A professora de História Roseli Tadeu Tavares Santana e a direção da Escola Estadual Antônio Caputo, no Riacho Grande, em São Bernardo, receberam do Mistério Público um prazo de 15 dias para que expliquem o uso feito pela professora de parte da aula para orar com os alunos.

A prática adotada por Roseli, que é evangélica, teria incentivado atos de bullying contra um estudante de 15 anos, adepto do candomblé.

Os pais do garoto, sacerdotes da religião afro-brasileira, e a Afecab (Associação Federativa da Cultura e Cultos Afro-Brasileiros), pedem o afastamento da professora e criticam a demora do Estado em dar resposta definitiva à questão.

Com isso o promotor Jairo Edward de Luca, da Vara da Infância e Juventude da cidade, estipulou que as partes terão de esclarecer quais são os recursos pedagógicos aplicados por Roseli, o que inclui apresentação do material didático usado pela professora. O promotor afirmou ainda que não pedirá punição administrativa nem abrirá inquérito policial enquanto a Secretaria da Educação do Estado não concluir sua própria apuração do caso.

“Aqui (no Grande ABC) eles ficam na defensiva o tempo inteiro, tentando justificar o ato dela como se fosse parte de proposta de ensino”, disse Maria Emília Campi, líder da Afecab, que pretende entrar com representação contra Roseli e os coordenadores da escola.

Segundo o Jornal do ABC, o pai do garoto também se mostrou revoltado com a situação e afirmou: “Minha bronca não é nem com a escola, mas sim com a secretaria. Eles precisavam dar resposta imediata. Vou ter que procurar direto o governador e a presidente”.

Fonte: Gospel+

 

Milhares de indianos converteram-se ao Cristianismo nos últimos 20 anos

09 de março de 2012      Fonte: Gospel +

 

A Índia, uma superpotência econômica emergente com mais de um bilhão de pessoas,  é uma das nações mais pobres da terra. É também uma potência nuclear onde o gado anda pelas ruas e a democracia nega sistematicamente direitos humanos básicos a milhões de seus cidadãos, mostrando ser uma terra de grandes contrastes.

Mas algo surpreendente tem acontecido nos últimos 20 anos. Segundo o Charisma News, enormes cruzadas evangelísticas testemunharam milhões de indianos se voltando para Cristo. Em meados da década de 80, não havia mais do que um punhado de igrejas de mil pessoas.

Atualmente elas se multiplicam com rapidez. Em alguns estados da Índia, a população é predominantemente cristã. E nos bastidores, conhecedores missiólogos indianos acreditam que a porcentagem de cristãos evangélicos na Índia tenha ultrapassado os 10% da população.

O norte da Índia é o lar do maior aglomerado de povos não alcançados ainda pelo evangelho. Diversos líderes cristãos se reúnem na região através de seminários para prepararem-se e evangelizar esses povos não alcançados.

Há evidências históricas que, depois de experimentar em primeira mão a ressurreição de Cristo, o apóstolo Tomé arriscou sua vida para plantar o evangelho na Índia. Eventualmente, ele foi martirizado na cidade agora conhecida como Chennai

O “chamado macedônico” das áreas que necessitam do evangelho de Jesus Cristo continua a repercutir hoje. Um antigo hino de missões, escrito em 1819, ainda nos acena como seguidores de Cristo no século 21 para levar a Sua luz e vida para aqueles que nunca ouviram falar. A linguagem pode ser arcaica, mas a visão pulsa com desafio contemporâneo para a evangelização:

“Das montanhas geladas da Groenlândia, a partir de fios de coral da Índia / Onde fontes de sol da África rolam pela sua areia dourada / De rios muito antigos, de terras florescentes / Chamam-nos a entregar suas terras da cadeia de erros.

“Vamos, cujas almas são iluminadas com a sabedoria do alto / Vamos lá aos ignorantes a lâmpada da vida negar? / Salvação! O salvação! O som alegre proclamar / Até a mais remota nação da terra aprendeu o nome do Messias.”

Fonte: Gospel+

 

Famoso jurista afirma que a mídia secular brasileira ignora casos de “Cristofobia”

24 de fevereiro de 2012

 

Em um artigo escrito para o Jornal do Brasil, o jurista Ives Gandra da Silva Martins afirmou que a mídia ignora ou dá pouco destaque à perseguição de cristãos nos países de maioria muçulmana.

Usando como base um artigo escrito por Ayaan Hirsi Ali, publicado na revista Newsweek, o jurista afirma que o Brasil é um país modelo, por respeitar a liberdade religiosa e de crença, “inclusive aqueles que negam todos os credos”.

Falando sobre o destaque que a mídia brasileira dá a casos de agressões a homossexuais, o jurista reclama que quando matam cristãos nos países islâmicos, a informação é divulgada sem alarde: “Ocorre, todavia, que as notícias sobre esta “Cristofobia islâmica” são desconhecidas no país, com notas reduzidas sobre atentados contra os cristãos, nos principais jornais que aqui circulam. Um homossexual agredido é manchete de qualquer jornal brasileiro. Já a morte de dezenas de cristãos, em virtude de atos de violência planejados, como expressão de anticristianismo, é solenemente ignorada pela imprensa”.

O renomado jurista Ives Gandra da Silva Martins comenta o artigo de Ayaan, ressaltando o relato de que ao menos 24 cristãos foram mortos em uma igreja incendiada no Egito em 2011, e que na Nigéria, no dia de Natal, dezenas de cristãos foram assassinados ou feridos, além de outros casos de perseguição.

Confira abaixo a íntegra do artigo “O Crescimento da Cristofobia”, publicado no Jornal do Brasil:

Ayaan Hirsi Ali publicou na revista Newsweek, de 13 de fevereiro passado, artigo fartamente documentado sobre a guerra que os países islâmicos estão desencadeando contra os cristãos, atingindo sua liberdade de consciência,  proibindo-os de manifestarem sua fé e assassinando quem a professa individualmente ou mediante atentados a Igrejas ou locais onde se reúnam.

Lembra que ao menos 24 cristãos foram mortos pelo exército egípcio, em 9 de outubro de 2011; que, no Cairo, no dia 5 de março do mesmo ano, uma igreja foi incendiada, com inúmeros mortos; que, na Nigéria, no dia de Natal de 2011, dezenas de cristãos foram assassinados ou feridos, e que no Paquistão, na Índia e em outros países de minoria cristã a perseguição contra os que acreditam em Cristo tem crescido consideravelmente. Declara a autora que “os ataques terroristas contra cristãos na África, Oriente próximo e Ásia cresceram 309% de 2003 a 2010”. E conclui seu artigo afirmando que, no Ocidente, “em vez de criarem-se histórias fantasiosas sobre uma pretensa “islamofobia”, deveriam tomar uma posição real contra a “Cristofobia”, que principia a se infestar no mundo islâmico. “Tolerância é para todos, exceto para os intolerantes”.

Entre as sugestões que apresenta, está o Ocidente condicionar seu auxílio humanitário, social e econômico a que a tolerância para com os que professam a fé cristã seja também respeitada, como se respeita, na maioria dos países ocidentais a fé islâmica.

Entendo ser o Brasil, neste particular, um país modelo. Respeitamos todos os credos, inclusive aqueles que negam todos os credos, pois a liberdade de expressão é cláusula pétrea na nossa Constituição.

Ocorre, todavia, que as notícias sobre esta “Cristofobia islâmica” são desconhecidas no país, com notas reduzidas sobre atentados contra os cristãos, nos principais jornais que aqui circulam. Um homossexual agredido é manchete de qualquer jornal brasileiro. Já a morte de dezenas de cristãos, em virtude de atos de violência planejados, como expressão de anticristianismo, é solenemente ignorada pela imprensa.

Quando da Hégira, em 622, Maomé lançou o movimento islâmico, que levou à invasão da Europa em 711 com a intenção de eliminar todos os infiéis ao profeta de Alá. Até sua expulsão de Granada — creio que em 1492 — os mulçumanos europeus foram se adaptando à convivência com os cristãos, sendo que a filosofia árabe e católica dos séculos 12 e 13 convergiram, fascinantemente. Filósofos de expressão, como Santo Tomas de Aquino, Bernardo de Claraval, Abelardo, Avicena, Averróes, Alfa-rabi, demonstraram a possibilidade de convivência entre credos e culturas diferentes.

Infelizmente, aquilo que se considerava ultrapassado reaparece em atos terroristas, que não dignificam a natureza humana e separam os homens, que deveriam unir-se na busca de um mundo melhor. Creio que a solução apresentada por Ayaan Hirsi Ali é a melhor forma de combater preconceitos, perseguições e atentados terroristas, ou seja, condicionar ajuda, até mesmo humanitária, ao respeito a todos os credos religiosos (ou à falta deles), como forma de convivência pacífica entre os homens. É a melhor forma de não se incubarem ovos de serpentes, prodigalizando auxílios que possam se voltar contra os benfeitores.

Fonte: Gospel+

 

 Por unanimidade, pastor luterano é escolhido para ser o novo presidente da Alemanha

24 de fevereiro de 2012

 

Através de uma escolha unânime entre a base governista e a oposição, o pastor luterano Joachim Gauck, conhecido ativista dos direitos humanos, foi escolhido presidente da Alemanha. O anúncio foi feito pela chanceler Angela Merkel.

O ex-presidente alemão, Christian Wulff, renunciou devido às acusações de corrupção, que surgiram após ser descoberto que ele havia tentado impedir que um jornal publicasse uma matéria considerada constrangedora sobre um empréstimo imobiliário feito por ele. Apesar de não ter feito nada ilegal, a divulgação do recado telefônico que o ex-presidente deixou para o editor do jornal abalou a confiança da população e, por isso, ele optou por renunciar.

A chanceler Angela Merkel afirmou que o pastor Joachim Gauck é um “professor de democracia”. Já Gauck afirmou se sentir “entusiasmado e um pouco perplexo” com  o fato de ter sido escolhido para presidir o país.

O pastor é muito popular no país, mas se recusou a receber elogios antecipadamente, pois, segundo ele, será necessário corresponder à confiança depositada nele. Segundo o The Christian Post, os partidos cristãos CDU e CSU, além dos partidos FDP, Social Democrata e Verde, já planejavam o indicar para o cargo aproveitando a aceitação do público a seu nome, ofereceram apoio ao novo presidente.

O pastor Joachim Gauck nasceu na antiga Alemanha oriental, e é formado em Teologia. Segundo a TV alemã Deutsche Welle, Gauck tornou-se conhecido por seu ativismo pelos direitos civis na antiga Alemanha Comunista.

Fonte: Gospel+

 

Whitney Houston era evangélica? Conheça suas músicas gospel, vídeos, seu filme cristão e sua história de sucesso

13 de fevereiro de 2012

 

A cantora Whitney Houston morreu no último Sábado, em Los Angeles, mas as circunstâncias ainda não foram totalmente esclarecidas pela Polícia. Há suspeitas de que o afogamento tenha sido causado por Whitney ter ficado inconsciente ao tomar um calmante prescrito por seus médicos.

Informações conseguidas pela reportagem do programa Fantástico, da TV Globo, dão conta de que ela foi encontrada morta por sua equipe, que estava no mesmo quarto de hotel, uma hora após ter ido tomar banho.

Homenagens à cantora Whitney Houston, evangélica de acordo com ela mesma, foram feitas na Igreja Batista Nova Esperança, onde seu pai é pastor e onde aprendeu a cantar, participando do coral gospel da igreja. Balões em forma de coração, cartazes, velas e flores foram deixados por fãs na entrada do templo.

Whitney Houston era evangélica?

Afilhada da cantora gospel Aretha Franklin e filha de outra cantora evangélica, Cissy Houston, Whitney Elizabeth Houston começou cantando hinos cristãos e foi descoberta para a música pop pelo produtor Clive Davis, quando se apresentava numa casa noturna ao lado de sua mãe. Dois anos depois, em 1985, lançou seu primeiro álbum, “Whitney Houston”, e vendeu 25 milhões de cópias, tornando-se assim o álbum de estreia mais vendido de todos os tempos por uma artista feminina. O sucesso do lançamento foi impulsionado por famosas canções como “How Will I Know” e “The Greatest Love of All” (“O Maior Amor de Todos”), que é considerada uma das músicas gospel com maior sucesso de sua carreira.

Assista abaixo ao vídeo com a tradução da canção “The Greatest Love of All”

Músicas de Whitney Houston são sucesso

Em 1987, a cantora que já era sucesso em todo o mundo, estabeleceu um recorde insuperável ao lançar seu segundo trabalho, “Whitney”, tornando-se a primeira cantora a alcançar o topo da Billboard já no lançamento do álbum.

Sua consciência social a levou, em 1989, a criar a fundação “Whitney Houston for Children”, organização sem fins lucrativos voltada às crianças.

Em 1991, emocionou os Estados Unidos ao interpretar o hino nacional norte-americano durante o SuperBowl, a grande final do futebol americano. Na ocasião foi muito aplaudida por todos os presentes no estádio e a gravação da música vendeu 1 milhão de cópias, com toda a renda revertida para instituições de caridade.

Sua estreia no cinema em 1992 também foi considerada marcante pela crítica. Em “O Guarda Costas” ela deu vida à personagem protagonista. O tema do filme a fez se tornar dona de outro recorde: o single “I Will Always Love You”, que se tornou o mais vendido por uma artista feminina na história da música.

Em 1994 venceu o Grammy de melhor álbum do ano, prêmio que foi alcançado principalmente por sua interpretação da trilha sonora de “O Guarda Costas”, e cantou na festa de encerramento da Copa do Mundo de Futebol. Na ocasião, entrou de mãos dadas com Pelé.

Não foram poucas as músicas gospel de Whitney Houston. O clássico hino cristão norte-americano “Amazing Grace” (Maravilhosa Graça, em tradução livre) foi cantada pela cantora em diversas oportunidades. Abaixo você pode ver um vídeo de Whitney Houston cantando a música gospel durante um evento ligado ao filme “O Guarda Costas”. A gravação é de 1994 e foi feita no “Radio City Music Hall”. A música começa aos 2 minutos e 14 segundos:

É considerada a artista mais premiada de todos os tempos, com prêmios por suas gravações de música Gospel, R&B e Pop, segundo o Guiness Book. Sua lista de premiações inclui 2 Emmy Awards, 6 Grammy Awards, 30 Billboard Music Awards e 22 American Music Awars. A extensa lista de premiações totalize 415 prêmios conquistados ao longo de toda sua carreira.

Em 1998 gravou ao lado de Mariah Carey o tema do filme “O Príncipe do Egito”, música que no Brasil, foi regravada pela cantora Soraya Moraes e diversos outros artistas gospel e seculares. Assista abaixo ao clipe do dueto:

Whitney Houston e as drogas

Porém, se profissionalmente sua carreira parecia inabalável, sua vida pessoal passou a fazê-la entrar em polêmicas. Seu casamento com o também cantor Bobby Brown foi marcado por desentendimentos e escândalos. Chegou a afirmar que seu envolvimento com as drogas foi causado pela depressão e infelicidades no matrimônio.

A decadência passou a ser visível, e no ano 2000 assumiu publicamente a necessidade de reabilitação, e foi internada em clínicas para restaurar sua saúde. Nessa fase, a cantora passou a se atrasar para ensaios e shows, e se apresentar rouca e desafinada. Alguns shows de sua turnê mundial naquele ano foram cancelados.

A cantora lembrou com felicidade do apoio que sua mãe, Cissy Houston, deu enquanto passava por problemas com drogas, “Ela disse: ‘Não vou perder você para o mundo, para Satã, quero minha filha de volta’”.

Em 2009, ano de lançamento de seu último álbum de estúdio, declarou que permanecia lutando contra o vício, e que sabia que seria uma luta constante: “Não acredito que não vá sentir nunca mais o desejo de usar essas drogas. Só basta um minuto para tirar esses pensamentos da minha cabeça! Oro e eles se vão”, afirmou. Veja fotos recentes de Whitney Houston.

Assista ao vídeo legendado da faixa título “I Look To You” (“Eu olho para Ti”):

Whitney Houston: Música Nova

Na noite anterior à sua morte, com a voz bastante rouca, Whitney Houston teve uma música nova em seu repertório, ela cantou o hino cristão “Yes, Jesus Loves Me” (“Sim, Jesus me ama”, em tradução livre), em sua última apresentação. A letra é de autoria de Anna Barlett Warner e a melodia foi composta só dois anos após sua criação, em 1862, por William Batchelder Braddury.

Alguns sites gospel brasileiros chegaram a publicar que como a cantora cantou essa música na noite antes de sua morte, ela teria se convertido novamente. Porém Whitney Houston sempre confessou ser cristã e sempre cantou diversas músicas gospel em seus álbuns e shows, a noite anterior não foi diferente.

Whitney Houston – On My Own: Álbum novo em CD

Há ainda um álbum que a cantora vinha desenvolvendo, intitulado “On My Own”, que poderá ser lançado ainda em 2012 em CD, DVD e/ou download MP3. Whitney Houston deixou uma filha, Bobbi Cristina Brown, fruto de seu casamento com Bobby Brown, que durante um show ontem 12/02, em Southaven, nos Estados Unidos, declarou o que sentia com a perda: “Primeiro, gostaria de dizer que amo todos vocês. Segundo, queria dizer que eu amo você, Whitney. É a coisa mais difícil do mundo estar nesse palco hoje”.

Sparkle: Novo filme de Whitney Houston

Recentemente, a cantora decidiu participar das gravações do filme Sparkle, uma refilmagem do clássico de 1976. Essa readaptação foi dirigida pelo bispo evangélico T.D. Jakes, da megaigreja cristã, Potter’s House. O roteiro do filme conta a história de cantoras que enfrentam problemas por causa do envolvimento com as drogas, um drama enfrentado pela própria Whitney.

“Estamos profundamente entristecidos com o falecimento trágico e prematuro de Whitney Houston. Recentemente fomos abençoados por trabalhar com ela na refilmagem de Sparkle. Nós pedimos que todos se juntem a nós em orações pela família de Whitney e peçam que Deus lhes dê força e os console para enfrentar esses momentos devastadores. No ápice de sua carreira, Whitney foi incomparável, sua voz moldou toda uma geração. Ela deixou para trás um legado na música e no cinema… Ela fará muita falta a todos nós”, afirmou o bispo Jakes ao Los Angeles Times.

O filme, que será lançado em Agosto nos Estados Unidos, será a primeira obra póstuma de Whitney, e o produtor afirma que a participação da cantora foi muito boa: “Eu não tenho ideia do impacto que a morte dela terá em Sparkle, mas eu vi uma versão ainda não finalizada do filme ontem, e ela estava fantástica nele”.

Fonte: Gospel+

 

Bíblia em formato “literário” foi best-seller na Noruega em 2011

12 de janeiro de 2012

 

A Bíblia encerrou o ano como um best-seller na Noruega. Porém não se trata de uma edição comum do livro sagrado cristão, mas de uma edição que recebeu um tratamento literário, parecido com o que a Sociedade Bíblica do Brasil fez na edição “O Livro dos livros”.

De acordo com a Sociedade Bíblica Norueguesa 12 escritores foram convocados para compor essa nova tradução da Bíblia, alguns estão entre os mais notórios do país nórdico. Os escritores trabalharam, ao longo de seis anos, junto de um time composto por 30 tradutores, padres e acadêmicos.

Stine Smemo Strachan, da Sociedade Bíblica Norueguesa, falou que “nenhum dos autores é religioso, eles são apenas bons escritores que imaginaram que seria um projeto interessante no qual se envolver”.

Traduzida diretamente do grego e do hebreu, a nova edição da Bíblia foi um fenômeno de vendas na Noruega. Segundo o jornal britânico “The Guardian” formaram-se filas nas portas das livrarias de madrugada “estilo Harry Potter”, que culminaram na venda de 79 mil exemplares em poucas semanas.

Strachan ressaltou também que o objetivo foi oferecer uma versão “legível” e com “boa linguagem” das escrituras. Segundo ele essa “legibilidade” é a responsável pelo sucesso de vendas, muito acima do esperado. Ele fala também que outro motivo das vendas acima da média é o fato de se estar diante de um “evento cultural”.

O teólogo e linguista Paulo Teixeira, secretário de tradução e publicações da SBB, explica que a literária é “uma Bíblia de nicho, de segmento”, que alcança os leitores interessados nos grandes clássicos e em obras de ficção modernas. Em entrevista ao G1 ele disse também que na edição “O Livro dos livros – Edição literária da Bíblia Sagrada” só muda a diagramação, e que a exemplo do similar norueguês, esta não apresenta colunas ou versículos.

Quando indagado se a SBB tem intenções de fazer uma edição similar à da Noruega, mas com autores brasileiros, Teixeira responde que “até este momento, ainda não pensamos”. Mas afirma que pode ser uma empreitada interessante. Ele diz acreditar que “envolver celebridades literárias brasileiras, numa tradução ou numa releitura, pode ser muito bem-vindo. Até para quebrar o paradigma de que [a Bíblia] é um livro meramente religioso…”

Teixeira comentou também a edição publicada pela SBB em 1917, que envolveu em seu processo de publicação celebridades como Rui Barbosa, Heráclito Graça e José Veríssimo.

Fonte: Gospel+